Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


SOCIEDADE

Enfim, uma indenização

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Sinais do neoliberalismo: uma decisão judicial revela que, mesmo num país "central", grandes corporações sentem-se à vontade para expor trabalhadores a doenças mortais

Annie Thebaud-Mony - (27/07/2007)

A empresa de produtos químicos francesa Adisseo, terceira do mundo no ramo de alimentos para animais, cometeu um erro imperdoável. Assim o julgou o Tribunal de Assuntos de Seguridade Social (Tass) de Moulins (França), em 20 de abril de 2007.

O tribunal condenou a empresa a pagar indenizações de 50 a 60 mil euros a cada um dos nove empregados e ex-empregados da fábrica de Commentry, acometidos de câncer de rim. A doença havia sido reconhecida como de origem profissional em 2003, pelo mesmo tribunal. Os queixosos trabalham ou trabalharam na oficina de produção de vitamina A da fábrica, que utiliza, desde 1982, o cloroacetal C5, molécula mutagênica e cancerígena. Para a corte, ‘‘desde quando reconheceu o caráter mutagênico do cloroacetal C5, em 1990, a companhia Adisseo France não demonstrou ter de fato reforçado as medidas de proteção de seus empregados.’’ Os juízes ressaltaram: ‘‘ A partir de 1984, vários casos de câncer de rim foram diagnosticados entre os empregados do local. Vinte e dois casos foram descobertos, com várias mortes [1]’’.

Tradução:Elisabete de Almeida
betty_blues_@hotmail.com



[1] Le Journal de l’environnement, de 24 de abril de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Neoliberalismo
» Trabalho
» Transnacionais
» Saúde do Trabalho

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos