Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

» Brasão da PM: coleção de massacres em nome da elite

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


SOCIEDADE

Enfim, uma indenização

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Sinais do neoliberalismo: uma decisão judicial revela que, mesmo num país "central", grandes corporações sentem-se à vontade para expor trabalhadores a doenças mortais

Annie Thebaud-Mony - (27/07/2007)

A empresa de produtos químicos francesa Adisseo, terceira do mundo no ramo de alimentos para animais, cometeu um erro imperdoável. Assim o julgou o Tribunal de Assuntos de Seguridade Social (Tass) de Moulins (França), em 20 de abril de 2007.

O tribunal condenou a empresa a pagar indenizações de 50 a 60 mil euros a cada um dos nove empregados e ex-empregados da fábrica de Commentry, acometidos de câncer de rim. A doença havia sido reconhecida como de origem profissional em 2003, pelo mesmo tribunal. Os queixosos trabalham ou trabalharam na oficina de produção de vitamina A da fábrica, que utiliza, desde 1982, o cloroacetal C5, molécula mutagênica e cancerígena. Para a corte, ‘‘desde quando reconheceu o caráter mutagênico do cloroacetal C5, em 1990, a companhia Adisseo France não demonstrou ter de fato reforçado as medidas de proteção de seus empregados.’’ Os juízes ressaltaram: ‘‘ A partir de 1984, vários casos de câncer de rim foram diagnosticados entre os empregados do local. Vinte e dois casos foram descobertos, com várias mortes [1]’’.

Tradução:Elisabete de Almeida
betty_blues_@hotmail.com



[1] Le Journal de l’environnement, de 24 de abril de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Neoliberalismo
» Trabalho
» Transnacionais
» Saúde do Trabalho

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos