Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


FUNDAMENTALISMO

Takfirismo, ideologia messiânica

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Cada vez mais influente na Al-Qaeda, doutrina prega Estados islâmicos ultra-ortodoxos, volta-se contra os árabes moderados e o xiismo e chega a relativizar combate ao ocupante estrangeiro

Syed Saleem Shahzad - (08/08/2007)

Crença antiga no mundo muçulmano, o takfirismo passou por um renascimento entre os militantes islâmicos egípcios depois da derrota para Israel, em 1967. Baseia-se na convicção de que o enfraquecimento da Umma (a comunidade dos fiéis) é resultado dos desvios dos próprios muçulmanos, de seu afastamento da religião. Todo muçulmano não-praticante seria um infiel, um kafir. Os que aderem a essa doutrina são chamados a abandonar as sociedades muçulmanas existentes, a formar comunidades autônomas e combater os muçulmanos infiéis.

Alguns pequenos grupos isolados de militantes takfiristas pipocaram no mundo árabe durante os anos 1970. Reagruparam-se no Afeganistão nos anos 1980, ao lado dos mujahidin, durante a guerra contra a ocupação soviética. O egípcio Ayman Al-Zawahiri, o dirigente uzbeque Tahir Yaldeshiv e o xeque Essa, futuros membros do estado-maior da Al-Qaeda, já estavam entre os zelotas mais acirrados do takfirismo. A doutrina avançou no Iraque depois da invasão dos Estados Unidos, sendo Abu Mussab Al-Zarqawi, morto em 7 de junho de 2006, um de seus principais adeptos naquele país.

A partir de 2003, o takfirismo ganhou terreno rapidamente entre os dirigentes intermediários e os militantes de base da Al-Qaeda. Acreditando que a presença de infiéis no seio das sociedades muçulmanas fortalece o inimigo e constitui um perigo a ser eliminado, esses militantes não se definem mais somente em função de seu ódio ao militarismo norte-americano. O takfirista é inimigo de todo muçulmano não-praticante. Para que os indivíduos “desviados” do Islã possam ser reconduzidos à origem, são os dirigentes das sociedades muçulmanas “infiéis” que devem ser eliminados prioritariamente. As montanhas de difícil acesso do Waziristão do Norte e do Sul tornaram-se seu novo santuário.

Todos os militantes takfiristas perseguem um duplo objetivo, quer passem a aderir à Al-Qaeda, quer a um de seus grupos afiliados. Devem continuar a guerra contra os exércitos ocidentais, ao mesmo tempo em que lançam as bases de um Estado “islâmico” ortodoxo, garantindo a rigorosa disciplina dos fiéis. Sempre erguendo a bandeira da rebelião contra os Estados muçulmanos, declaram guerra a todos os reformistas moderados. Os takfiristas têm particular horror ao xiismo, desvio intolerável a seus olhos. A guerra contra os adeptos dessa corrente é muitas vezes considerada mais importante do que a própria jihad. Os takfiristas se atribuem um papel messiânico: a direção exclusiva do combate ao Ocidente infiel e aos muçulmanos “apóstatas”.

Leia mais

Nesta edição:
Muçulmanos contra a Al-Qaeda
Tanto no Iraque quanto no Afeganistão, a rede terrorista de Bin Laden enfrenta oposição crescente de outros grupos armados árabes. Suspeita-se, ao priorizar o combate entre facções muçulmanas, ela esteja fazendo o jogo da Casa Branca




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Afeganistão
» Iraque
» Fundamentalismo
» Islamismo
» Mundo Árabe

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos