Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

» As ideias perigosas que eles temem

» Polícia Militar, nascida para reprimir greves

» Roteiro para reinventar as cidades brasileiras

» OCDE: o Brasil em busca do selo de vira-lata

Rede Social


Edição francesa


» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État

» Contestation à consommer pour classes cultivées

» Raymond Soubie, une éminence grise au service de la « réforme »

» Retour de la mal-vie dans le monde du travail

» Dialogue avorté entre Téhéran et Washington

» La tentation de l'apartheid génétique

» La Colombie est un pays jeune qui a besoin de renouveler ses structures


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


Universidades transculturais?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Um dos pólos de atração de estudantes de todo o mundo, os EUA possui mais de 4 mil instituições de ensino superior. Públicas ou privadas, os gastos com o ensino são elevados e chegam a 30 mil dólares anuais

Christopher Newfield - (06/09/2007)

Esse conjunto díspar proporciona instrução a 17 milhões de estudantes, entre os quais dois milhões se preparam para um mestrado ou doutorado. Dois mil e quinhentos dos 4.000 colleges [1] promovem ciclos de estudos de quatro anos e oferecem uma licenciatura. O restante oferece uma formação de dois anos, validada por um diploma profissional que por vezes abre caminhos para um ciclo de quatro anos na universidade.

Mil oitocentos e cinqüenta dos 2.500 colleges que preparam para a licenciatura são estabelecimentos particulares: não estão submetidos ao controle direto do Estado, e o ensino é pago. As despesas anuais com educação se situam em uma faixa de 10.000 a 30.000 dólares. Mas os alunos inscritos numa universidade pública, também arcam com gastos de educação elevados: de 3.000 a 12.000 dólares por ano.

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Nos EUA, o desmonte do ideal democrático
A ultra-direita no poder fez um esforço deliberado para destruir a democracia social ao estilo norte-americano, reduzindo seus custos e efeitos igualitários. Seu alvo: a comunidade universitária. Suas armas: o ataque ao “politicamente correto” e as privatizações.



[1] No sistema americano, um “college” é uma instituição de educação superior que oferece cursos em uma de especialização por um período de quatro anos.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Educação

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos