Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Discrétion chinoise aux Nations unies

» Pour qui les Américains ont-ils voté ?

» Et Napoléon III a choisi le libre-échange

» Population du Sri Lanka

» Les damnés de Las Palmas

» Vers une recherche pharmaceutique sans brevets

» Le manifeste qui a failli changer l'Amérique

» Hummocks, sentinelles de notre planète

» Gaz et litige frontalier

» Diaspora libanaise


Edição em inglês


» Back to the JCPOA?

» China's outlaw armada

» Timidity in New Zealand

» November: the longer view

» The defeats of Golden Dawn

» Border tensions

» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth


Edição portuguesa


» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal

» Requisição civil

» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA


MIGRAÇÕES

A força dos que vivem longe

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Os dois milhões de marroquinos radicados na Europa remetem a seu país o equivalente a 60% do déficit comercial e movimentam rotas marítimas que fazem, só a partir da França, 200 mil viagens por ano

Pierre Daum - (06/09/2007)

Segundo um estudo realizado em 2003, pela Fundação Hassan II para os Marroquinos Residentes no Exterior e pelo Observatório Internacional das Migrações, são 2 milhões os marroquinos emigrados. Os principais países onde se estabeleceram são França (728 mil em 1999, dos quais 206 mil nasceram no país onde hoje residem e 222 mil adquiriram a nova nacionalidade sem perder a marroquina); Espanha (260 mil em 2001; 505 mil em 2006, segundo a agência de notícias Latin Reporters); Bérgica (204 mil em 2000, e 265 mil em 2006, segundo o sociólogo Jan Hertogen); Holanda (252 mil em 1999); Itália (194 mil em 2000, e 240 mil em 2007, de acordo com a agência de notícias marroquina MAP).

Segundo o semanário marroquino Tel Quel, [1], “nos últimos anos, as transferências de divisas dos emigrados cobriram 60% do déficit comercial" do país. Além de remeter recursos a seus familiares, parte dos residentes no exterior regressa periodicamente, em viagens como a retratada em "A bordo do Marrakesh Express". Três barcos fazem a ligação entre a França (porto de Sète) e o Marrocos (Tanger). A Comarit (empresa privada marroquina) mantém o Biladi (de 1200 lugares). A Comanav, companhia pública do Marrocos, freta dois ferries (que transportam passageiros e automóveis): o Marrakesh (670 lugares) e o Marrakesh Express (850 lugares). Juntas, as três embarcações transportam 200 mil passageiros por ano, "dos quais 90% são emigrados marroquinos", informa Philippe Sala, proprietário da agência de viagens francesa Euromer, que vende dois terços das passagens.

“Este movimento cresce de forma explosiva", continua ele. "Antes, as famílias que viviam na França percorriam de carro 1500 quilômetros até a Espanha e faziam a travessia mais curta para a África. Mas os emigrantes envelheceram e melhoraram de vida. Por isso, preferem dirigir-se a Sète e dar-se ao luxo de um pequeno cruzeiro". Philippe Sala esfrega as mãos: o governo marroquino acaba de vender a Comanav à CMA CGM, poderosíssima empresa de transportes marítimos (terceira do mundo), do franco-libanês Jacques Saadé, com sede em Marselha. A partir de janeiro de 2008, a CMA CGM poderá dotar a linha Sète-Tanger de novos barcos. "Chega das velhas banheiras de trinta anos, que não ultrapassam os 18 nós!", entusiasma-se o dono da Euromer. Com os novos navios, será possível chegar a 28 nós e oferecer aos clientes travessias de 24 horas". Pelo mesmo preço? "Sim, é claro"....

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

A bordo do “Marrakech Express”
Reportagem sobre um dos choque culturais emblemáticos de nosso tempo. Quarenta horas a bordo do navio que faz a travessia do Mediterrâneo abarrotado, levando ao Marrocos milhares de migrantes que foram tentar a sorte na Europa e regressam a seu país em viagem de férias



[1] Edição de 30 de junho de 2007


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Marrocos
» Desigualdades Internacionais
» Economia
» Movimentos Migratórios
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos