Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Governo em pedaços – vitória ou ameaça?

» Como a China subverte a ortodoxia econômica

» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

Rede Social


Edição francesa


» « Russiagate », la débâcle

» « Différenciés », les Albanais du Kosovo

» Que cessent les vents chauvins

» Ainsi s'élargit le gouffre entre pouvoir capitaliste et réalités sociales

» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Vingt ans après, les plaies ouvertes du Kosovo

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique


Edição em inglês


» ‘White genocide' theorists worm their way into the West's mainstream

» Kosovo's open wounds, twenty years on

» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


Poema não tão simples

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Ricardo Miyake - (05/10/2007)

Tal como dela me lembro,
Eu via seus dentes na boca entreaberta
O vento quase suspenso, minha mão quase nela,
E agora o sol seca a grama onde piso,
Seca a saliva que quase trocamos,
Os dedos entrelaçados.
Tal como dela me lembro,
Trocamos papéis e planos
E talvez alcançássemos uma felicidade
Feita de uma casa à beira do lago,
Um barco à beira da água,
E a moldura à beira do céu de tinta.
E hoje a revi, desviando dos buracos
Da calçada, das poças da chuva que lavou
As migalhas partilhadas,
Do que dela me lembrava, lacunas,
O quadro que juntos pintamos,
Um quase, os dedos das mãos quebrados.

(Do ciclo “Poemas nostálgicos”)


Ricardo Miyake é poeta, crítico de cultura e professor de Literatura no ensino superior. Publicou, em 1998, Livro de Coisas (poemas, Editora Com-Arte). Atualmente, desenvolve pesquisa em torno da produção literária contemporânea brasileira e aguarda editoras para mais dois livros, um de poemas e outro de ensaios.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos