Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

» Marielle Vive! contra a lógica do condomínio

» Quando os ditadores despencaram da parede

» Dois caminhos para as Novas Ciências

» Paulo Guedes pego na mentira

» Depois do senhor Guedes e de seu capitão

» Amazônia: caminho para o pós-Bolsonaro

» Tarifa Zero, a experiência europeia

» Marielles na Amazônia: apontar, fogo!

Rede Social


Edição francesa


» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques

» « Métro, boulot, tombeau »

» Plus haute sera la prochaine tour


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


Poema não tão simples

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Ricardo Miyake - (05/10/2007)

Tal como dela me lembro,
Eu via seus dentes na boca entreaberta
O vento quase suspenso, minha mão quase nela,
E agora o sol seca a grama onde piso,
Seca a saliva que quase trocamos,
Os dedos entrelaçados.
Tal como dela me lembro,
Trocamos papéis e planos
E talvez alcançássemos uma felicidade
Feita de uma casa à beira do lago,
Um barco à beira da água,
E a moldura à beira do céu de tinta.
E hoje a revi, desviando dos buracos
Da calçada, das poças da chuva que lavou
As migalhas partilhadas,
Do que dela me lembrava, lacunas,
O quadro que juntos pintamos,
Um quase, os dedos das mãos quebrados.

(Do ciclo “Poemas nostálgicos”)


Ricardo Miyake é poeta, crítico de cultura e professor de Literatura no ensino superior. Publicou, em 1998, Livro de Coisas (poemas, Editora Com-Arte). Atualmente, desenvolve pesquisa em torno da produção literária contemporânea brasileira e aguarda editoras para mais dois livros, um de poemas e outro de ensaios.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos