Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Oito teses sobre a Revolução Feminista

» As feridas da Guerra com Paraguai ainda latejam

» A última chance de salvar Julian Assange

» Quando a polícia bandida quer mandar na sociedade

» Zé do Caixão, herói do Cinema Popular Brasileiro

» Poderá Francisco salvar a Economia e o planeta?

» Auschwitz: os portões da memória ainda abertos

» As democracias engolidas e o erro de Piketty

» Eles lutam por todos nós

» Paulo Guedes, o bravateiro velhaco

Rede Social


Edição francesa


» Wal-Mart à l'assaut du monde

» Réalité en quête de fictions

» Émergence d'une voix africaine

» L'astrologie, la gauche et la science

» L'Afrique conteste en rap

» Les sondés ne veulent plus parler

» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


CULTURA / OUTROS CIRCUITOS

Uma África truculenta e fantástica

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em “Memórias de Porco-Espinho”, Alain Mabanckou parodia a lenda de que cada Homem tem seu respectivo duplo animal. Um Porco-Espinho protagoniza como uma espécie de alter ego do jovem Kibandi, que concretiza seu prazer mórbido por meio da pungência desse duplo

Claude Wauthier - (15/10/2007)

Todo homem tem seu duplo, mas há dois tipos de “duplos”, os “pacíficos” e os “nocivos”. O porco-espinho, que tem função de narrador neste romance, é um duplo nocivo. Ele tem um mestre, o jovem Kibandi, sob ordem de quem o animalzinho pode lançar seus espinhos e matar aqueles ou aquelas que o jovem, tomado por espécie de uma loucura sanguinária, designe. O pequeno vilarejo do Congo que o porco-espinho assola perdeu, assim, 99 de seus habitantes. Mas, pior do que esses 99 crimes, o porco-espinho quase comete o crime mais abominável, de atacar os gêmeos, infringindo assim um temível tabu. O jovem será punido de maneira atroz. Seu outro eu, seu duplo, se transformará numa criatura assustadora, sem boca, sem orelha e sem nariz. Os gêmeos, de sua parte, sairão ilesos por milagre dessa aventura, e virão provocar o jovem Kibandi diante de sua palhoça.

O porco-espinho desfia essas atrocidades em tom indiferente, com uma espécie de humor negro e uma verve que chega a lembrar as Histórias extraordinárias, de Edgar Allan Poe. Além disso, a obra de Poe é o livro de cabeceira de um personagem secundário desse romance desregrado, o jovem e sedutor Amédée, que fascina as jovens do vilarejo contando-lhes suas aventuras parisienses.

Alain Mabanckou (que é congolês) recria com vivacidade a atmosfera de um vilarejo africano, com personagens truculentos, como o velho feiticeiro orgulhoso de seu poder, a famosa Biscuni, viúva de formas murchas que desvirginou o jovem Kibandi, a jovem e bela Kiminu (uma das 99 vítimas do porco-espinho, “que por ela teve uma ereção”, ao vê-la seminua antes de matá-la) e, por fim, a trupe de etnólogos brancos que vieram assistir aos funerais. Não falta nada a esta evocação irônica dos usos e costumes da sociedade rústica observada pelo porco-espinho, nem mesmo a história de um crime ritual, cuja vítima é uma outra jovem, encontrada morta por afogamento. Papa Kibandi é acusado injustamente desse afogamento. O enigma será desvendado por um feiticeiro tão sensato quanto surpreendente.

Este romance fantástico – uma espécie de versão africana de Dr. Jekyll e Mr. Hyde – valeu ao autor o prêmio Renaudot. Os jurados foram, sem dúvida, seduzidos pela truculência sem afetação de uma narrativa que despoja a África de seus supostos mistérios e pela verve sarcástica que impregna sua obra, desde o primeiro livro, Bleu, blanc, rouge, e os demais, dentre eles o surpreendente Verre cassé. Alain Mabanckou, 41 anos, ensina literatura francófona em uma universidade norte-americana, após ter estudado Direito a pedido da mãe (http://www.alainmabanckou.net). Tendo passado pela poesia, ele tem o olhar atento e a facilidade de escrever, que conferem à sua obra um atrativo isento de qualquer exotismo barato.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos