Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

Rede Social


Edição francesa


» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


CULTURA / OUTROS CIRCUITOS

Uma África truculenta e fantástica

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Em “Memórias de Porco-Espinho”, Alain Mabanckou parodia a lenda de que cada Homem tem seu respectivo duplo animal. Um Porco-Espinho protagoniza como uma espécie de alter ego do jovem Kibandi, que concretiza seu prazer mórbido por meio da pungência desse duplo

Claude Wauthier - (15/10/2007)

Todo homem tem seu duplo, mas há dois tipos de “duplos”, os “pacíficos” e os “nocivos”. O porco-espinho, que tem função de narrador neste romance, é um duplo nocivo. Ele tem um mestre, o jovem Kibandi, sob ordem de quem o animalzinho pode lançar seus espinhos e matar aqueles ou aquelas que o jovem, tomado por espécie de uma loucura sanguinária, designe. O pequeno vilarejo do Congo que o porco-espinho assola perdeu, assim, 99 de seus habitantes. Mas, pior do que esses 99 crimes, o porco-espinho quase comete o crime mais abominável, de atacar os gêmeos, infringindo assim um temível tabu. O jovem será punido de maneira atroz. Seu outro eu, seu duplo, se transformará numa criatura assustadora, sem boca, sem orelha e sem nariz. Os gêmeos, de sua parte, sairão ilesos por milagre dessa aventura, e virão provocar o jovem Kibandi diante de sua palhoça.

O porco-espinho desfia essas atrocidades em tom indiferente, com uma espécie de humor negro e uma verve que chega a lembrar as Histórias extraordinárias, de Edgar Allan Poe. Além disso, a obra de Poe é o livro de cabeceira de um personagem secundário desse romance desregrado, o jovem e sedutor Amédée, que fascina as jovens do vilarejo contando-lhes suas aventuras parisienses.

Alain Mabanckou (que é congolês) recria com vivacidade a atmosfera de um vilarejo africano, com personagens truculentos, como o velho feiticeiro orgulhoso de seu poder, a famosa Biscuni, viúva de formas murchas que desvirginou o jovem Kibandi, a jovem e bela Kiminu (uma das 99 vítimas do porco-espinho, “que por ela teve uma ereção”, ao vê-la seminua antes de matá-la) e, por fim, a trupe de etnólogos brancos que vieram assistir aos funerais. Não falta nada a esta evocação irônica dos usos e costumes da sociedade rústica observada pelo porco-espinho, nem mesmo a história de um crime ritual, cuja vítima é uma outra jovem, encontrada morta por afogamento. Papa Kibandi é acusado injustamente desse afogamento. O enigma será desvendado por um feiticeiro tão sensato quanto surpreendente.

Este romance fantástico – uma espécie de versão africana de Dr. Jekyll e Mr. Hyde – valeu ao autor o prêmio Renaudot. Os jurados foram, sem dúvida, seduzidos pela truculência sem afetação de uma narrativa que despoja a África de seus supostos mistérios e pela verve sarcástica que impregna sua obra, desde o primeiro livro, Bleu, blanc, rouge, e os demais, dentre eles o surpreendente Verre cassé. Alain Mabanckou, 41 anos, ensina literatura francófona em uma universidade norte-americana, após ter estudado Direito a pedido da mãe (http://www.alainmabanckou.net). Tendo passado pela poesia, ele tem o olhar atento e a facilidade de escrever, que conferem à sua obra um atrativo isento de qualquer exotismo barato.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos