Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como dialogar — de verdade — com quem vota num fascista

» No Alerta de Ipanema, retratos do fascismo quotidiano

» O cinema e as lições da história

» Vídeo: Garantir o segundo turno. E depois?

» Crônica de uma eleição bizarra

» O ódio, o voto e a pulsão de morte

» “Cada um de vocês é Bolsonaro”

» Reflexões à beira do segundo turno

» O Pré-Sal e o desenho do golpe

» Polêmica: duas formas do mesmo poder

Rede Social


Edição francesa


» Hippocrate ou Harpagon ?

» Imposture du capitalisme moral

» Les capitales du capital

» La base de Diego-Garcia, sur la route des pétroliers et des cargos

» Le dilemme des archives

» Un pays criblé de balles

» De la valeur ignorée des métiers

» Vladivostok gagnée par la fièvre sociale

» A Tijuana, la mauvaise fortune des « maquiladoras »

» Déjà compromises par la pollution, les ressources en eau pourraient devenir insuffisantes dans près d'un siècle


Edição em inglês


» A letter to Elizabeth Warren

» Netanyahu's flirtation with the far right

» Paul Mason: two years on, it's still two fingers to the elites

» Hating Muslims in the age of Trump

» Trump's reality-TV trade deal

» The October war: who was Ashraf Marwan?

» NATO goes on growing

» The royal touch

» Unsung anniversary of the Union for the Mediterranean

» Israel and Iran exploit regional conflicts


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2018

» A crise da regulação

» Da democracia na América

» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora

» Por quem o sininho dobra no Eurogrupo?

» Uma aliança das civilizações

» Dirigir a ONU, um trabalho estranho

» Liquidação florestal em França


CULTURA / OUTROS CIRCUITOS

No Haiti, em busca da água da vida

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

“A experiência é o bastão dos cegos, e aprendi que o que conta é a rebelião, e o conhecimento de que o homem é o padeiro da vida. Ah, a nós, é a vida que nos petrifica. Porque vocês são uma massa resignada, é isso que vocês são”

Karine Alvarez - (15/10/2007)

Foi em julho de 1944, 42 dias antes de sua morte, que o romancista, poeta, jornalista, etnólogo e militante marxista haitiano Jacques Roumain finalizou este romance. A simplicidade da proposta, expressa na precisão do tom, e a suavidade, marcada de paixão pela linguagem poética, convidam a devorar as páginas de uma narrativa de surpreendente atualidade.

O vilarejo de Fonds-Rouge agoniza: exacerbada por um desmatamento irresponsável, pelo ódio que divide os habitantes em dois grupos e por uma resignação encorajada pela religião, a seca faz a cama para a miséria. “A vida era árida em Fonds-rouge. Não havia nada a fazer a não ser escutar esse silêncio para ouvir a morte, entregar-se ao torpor, e nos sentíamos sepultados”. Somente um elemento externo pode abalar esse fatalismo suicida: Manuel, filho de Desira e Bienaimé, que pouco a pouco fará renascer a esperança. De volta ao país após 15 anos de exílio em Cuba, como cortador de cana-de-açúcar, para ele nada está como antes. “A experiência é o bastão dos cegos, e aprendi que o que conta é a rebelião, e o conhecimento de que o homem é o padeiro da vida. Ah, a nós, é a vida que nos petrifica. Porque vocês são uma massa resignada, é isso que vocês são”. Para salvar o vilarejo, ele deve encontrar a água que trará a vida de volta. Sustentado, em sua determinação, pelo amor da bela Annaïse, ele vai atrás da fonte perdida.

“A água. Seu rastro ensolarado na planície; seu sussurro no canal do jardim; seu murmúrio quando, no curso, encontra cabeleiras de ervas; o reflexo difuso do céu na imagem fugidia dos juncos; as negras enchendo suas cabaças e jarros de argila vermelha; o canto das lavadeiras: as terras alagadas, as colheitas que amadurecem.” Roumain extrai numerosas facetas de seu talento para reproduzir cada cena com uma precisão milimétrica. Planícies e morros, os rostos e todas as expressões, em seus mínimos detalhes, desfilam sob nossos olhos, límpidos e atraentes.

Segundo Jacques-Stephen Alexis, outro grande escritor haitiano, este livro “pode ser único na literatura mundial, porque é, sem reservas, o livro do amor”. É um hino à vida. Com inteligência, Jacques Roumain demonstra a necessidade da união e da solidariedade para fazer face à injustiça, assim como da luta e da instrução para conduzir a existência. Se quiserem levar água até o vilarejo, os “gouverneurs de la rosée” [1] deverão organizar um grande mutirão “para desbravar a miséria e plantar a vida nova”.

Infelizmente, este romance é também visionário: sessenta anos após sua primeira edição, o Haiti tem 98% de seu território desmatado pelo uso do carvão vegetal como combustível, e quase metade da população ainda é analfabeta. Daí a utilidade desta reedição. E também a extrema urgência de lê-la.



[1] Jacques Roumain forjou esta expressão a partir da tradução literal do creole haitiano “èt lawouze”, literalmente “governante de irrigação”, que designa o gestor da irrigação de uma comunidade.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos