Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Governo em pedaços – vitória ou ameaça?

» Como a China subverte a ortodoxia econômica

» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

Rede Social


Edição francesa


» « Russiagate », la débâcle

» « Différenciés », les Albanais du Kosovo

» Que cessent les vents chauvins

» Ainsi s'élargit le gouffre entre pouvoir capitaliste et réalités sociales

» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Vingt ans après, les plaies ouvertes du Kosovo

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique


Edição em inglês


» ‘White genocide' theorists worm their way into the West's mainstream

» Kosovo's open wounds, twenty years on

» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


Das lágrimas

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Ricardo Miyake - (15/10/2007)

Nas ruas de minha cidade
Automóveis movidos a dinheiro
E cavalos expõem suas vísceras,
Molhando o asfalto onde brotarão
Olhos cegos, salivando de fome
E de outras faltas quaisquer.
Mas nosso existir é de ausências,
O solo não se entrega ao pisar
Dos dias e noites por nós percorridos,
E ficamos de mãos dadas, mas perdidos
No resto das misérias que não nos pertencem.
Há um momento de ruas quase limpas,
De ruídos correndo longe,
Noite em que as bestas vêm dormir,
Em que canções de ninar se fazem ouvir
Num sussurro de quase amor. Assim,
Surdos às lacunas e atentos às esquinas,
Esperamos que o sol retorne
Enxugando as lágrimas, orvalho, o asfalto.

(Do ciclo “Poemas nostálgicos”)



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos