Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Cinema: Um ensaio sobre a mentira

» 8 de julho de 2020

» Competição, paradigma obsoleto

» O nascimento da economia solidária mundial

» Guedes quer repetir privataria da década de 90

» Aloysio Biondi e seu direito sagrado de analisar

» 7 de julho de 2020

» A Guerra, o Futuro e a “transição energética”

» Por que o apoio a Bolsonaro não desmorona

» 6 de julho de 2020

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


LITERATURA

Palavra 2

Imprimir
enviar por email
Compartilhe
Novos autores estréiam na seção, expressam suas reflexões e dão vida a suas quimeras

Homens e não
O primeiro romance da Resistência italiana chega ao Brasil, 62 anos depois da edição original. Em narrativa seca, Elio Vittorini foca a humanidade e o horror sem reduzir sua história a uma tese política. Uma resenha de Gregório Dantas
Aqui

Condições urgentes
Renata Miloni propõe: "o que penso ser preciso para escrever (e ler) é que jamais se deve abandonar as próprias marcas em nome de um conforto que, na verdade, não existe fora delas"
Aqui

Selena e o major
"Olhou bem pra cara do velho, o linho, o olhinho azul do velho, anel da mesma cor, bengala de castão. E começou a rir". Por Neuza Paranhos
Aqui

Das lágrimas
Ricardo Miyake, no ciclo Poemas Nostálgicos
Aqui

Rodrigo Gurgel - (15/10/2007)

Na resenha “Humano e não-humano”, Gregório Dantas analisa Homens e não, do escritor siciliano Elio Vittorini. Romance da resistência contra o fascismo, Vittorini busca repetir nesse livro a fórmula de sua obra-prima, Conversa na Sicília: “Uma vez mais a palavra do escritor tenta superar os dados imediatos para tocar a verdade absoluta daqueles trágicos momentos”, afirma o italianista Giorgio Bárberi Squarotti. Na opinião de Gregório Dantas, Vittorini tem o mérito de não reduzir sua história a uma tese política, mas apenas revelar o horror – e, por meio dele, o paradoxo essencial da condição humana.

Renata Miloni – em “Condições urgentes” – reflete sobre as circunstâncias materiais necessárias à produção da escrita. Elaborando uma mescla de crônica e artigo, a autora comenta a indissociável relação que existe entre o espaço e a criação literária. Da caverna ideal de Kafka à parede repleta de post-its do escritor Will Self, Renata Miloni busca encontrar o eixo de silêncio e intimidade que permite aos escritores “irem ao lugar de onde trazem suas idéias”.

O conto desta edição – “Selena e o Major” – é assinado por Neuza Paranhos. De um encontro aparentemente banal na fila do banco, em uma cidadezinha do interior mineiro, surge o diálogo que não se esgota no bom humor ou no conflito de costumes e valores. Jamais saberemos se a reiteração da inesperada proposta instalou a dúvida no coração de Selena, mas a insistência do velho caudilho permanece, no fim da narrativa, como um sinal de certo Brasil antigo – e nunca superado.

Finalmente, dando seqüência ao ciclo “Poemas nostálgicos”, iniciado na semana passada, Ricardo Miyake fala sobre a cidade na qual o existir é feito de ausências, onde os amantes, apesar de unidos, sentem-se extraviados entre as misérias dos outros.

A edição desta semana confirma nossa idéia original: que Palavra se firme como um espaço dedicado exclusivamente à literatura, onde diferentes vozes possam não só expressar suas reflexões, mas também dar vida às suas quimeras.

Boa leitura!



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos