Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


Clarice fala com amigos

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

São 42 pequenas entrevistas. Profundas, às vezes. Deliciosas, sempre. Fui direto às minhas predileções e curiosidades.

André Resende - (19/10/2007)

Acabo de ler um livro com entrevistas/diálogos que a escritora Clarice Lispector fez com diversos amigos e conhecidos (Entrevistas, Editora Rocco, 2007). É comum, ainda mais nesses dias em que os repórteres chegam com perguntas prontas e às vezes pouco sabem dialogar sobre idéias com os entrevistados, que o ar da entrevista torne-se demasiadamente formal e sem paixão. Mas, nesse livro de Clarice Lispector, vamos encontrar uma entrevistadora que conhece a obra dos entrevistados, por eles tem amizade e amor, e com eles procura refletir o instante da criação, quando começa, por onde, quais os limites e intenções.

São 42 pequenas entrevistas. Profundas, às vezes. Deliciosas, sempre. Fui direto às minhas predileções e curiosidades. Deixei de lado cantores, pintores e atores que me dizem pouco até hoje. Octavio Paz, que não está no livro e desconheço se era da predileção ou amizade de Clarice, algumas vezes esforçou-se por mostrar a entrevista como um gênero literário. Nas suas obras completas, há um volume exclusivo, e excelente, dedicado às entrevistas, em que Paz reflete sobre temas e interesses diversos, com uma profundidade impressionante.

As entrevistas de Clarice têm perguntas sérias e profundas, muitas vezes respondidas com leveza e ironia – embora ela não desça de suas perguntas pessoais sobre o rigor de escrever e de onde vem o que se pensa e inventa. Comecei por Chico Buarque e Fernando Sabino. Segui com Érico Veríssimo, Jorge Amado, Antonio Callado, Ferreira Gullar, Tom Jobim, Lygia Fagundes Telles, Millôr Fernandes e Bibi Ferreira. As de Érico e Fernando Sabino havia lido, provavelmente em obras mais recentes, porque ainda estavam vivíssimas comigo.

O diálogo com Nélida Piñon – perguntas respondidas por escrito – promete refletir a dinâmica da criação literária e transforma a entrevista no modelo que Paz tanto acreditara. Pode até ser e, muitas vezes, é. Mas o tom despojado e leve das conversas, com o resgate dos desejos, das vidas e necessidades, dá a cada uma delas um prazer especial.

Não começar pelo começo

Meu conselho é de não começar pelo começo e, sim, seguir interesses e afinidades. Arrisque dar uma olhada naqueles por quem, aparentemente, nunca se viu ligado ou entusiasmado (às vezes – mas aí a vida é crua –, só às vezes, descobrimos novidades). Digo isso porque poucos de nós ouviram falar com entusiasmo da poeta Marly Oliveira. Clarice a eleva e ressalta. Depois, como não querer conhecer Marly?

Como são entrevistas para a imprensa e os leitores se interessam por miudezas cotidianas e rotinas perfeitas – e todos nós somos, então, leitores, nesse sentido –, Clarice também pergunta sobre sucesso, celebridade, viver da arte. Perguntas que nunca se combinam nas palavras das pessoas, com saídas mil, intercaladas pelo incômodo declarado de Clarice com a evidência de seu trabalho e a insegurança de não saber quem é, nem sua importância para todos nós.

Tudo isso é bom. No final, fui tocado por algo melhor. Clarice vai àquelas pessoas porque acredita que são gentis, amigáveis, boas de ter por perto. O que mais você quer na vida, Érico (Veríssimo)? Gente. E você, Nelson (Rodrigues)? Que Otto (Lara Resende) ligue para mim. Rubem (Braga), me dê seu depoimento? Gosto de estar com as pessoas. Sua introdução sobre Hélio Pelegrino, considerando-o homem íntegro e bom, desmantela qualquer um que pouco pensa na necessidade de, todo dia, ser melhor consigo e com as pessoas. “Qual é o traço marcante de Hélio? A tolerância, digamos, e um amor que ele distribui quase sem sentir, amor no sentido de amizade (...)”.

Ô livrinho bom de ler.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos