Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

» O mundo encantado da Previdência privada

» A lógica senil da propriedade privada

Rede Social


Edição francesa


» Ainsi s'élargit le gouffre entre pouvoir capitaliste et réalités sociales

» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Vingt ans après, les plaies ouvertes du Kosovo

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique

» L'Algérie sous le choc

» L'art de la désinformation

» La longue guerre occulte contre le Nicaragua


Edição em inglês


» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis

» What happened to the dream of a united Maghreb?

» What happened to the dream of a united Maghreb?


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


E Paris mudou de cara

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Estrangeiro em tudo e todos. O autor incursiona pelo encanto sombrio da Cidade Luz, onde seus sentimentos mesclam-se de forma sinestésica e paradoxal entre o medo e o fascínio diante da outra face de Paris

Diego Viana - (19/10/2007)

Foi assim: um dia, tomei um avião, atravessei o oceano e desembarquei em Paris. Meados de setembro, ponderei, e me carreguei de casacos. Um fardo desnecessário, conforme eles se revelaram ao causar transtorno nas escadas do metrô. Mas eu não podia saber como estaria o tempo, nem como me afetaria o clima. Mudar-se de país, logo descobri, sempre envolve estorvos; os casacos, afinal, foram apenas um preâmbulo que demorei a identificar.

Vão muito além do deslocamento físico, os estorvos, ainda que se ignore o universo prático, por desprovido de charme. Expatriar-se corresponde a declarar uma guerra entre memórias, expectativas e experiências. Algo dentro de nós reluta em aceitar as formas, os rostos, as palavras. A vontade, essa intrépida, se irrita com o inconsciente. Não há escapatória. A única solução é concentrar-se no que há de positivo.

O impacto emocional de ver-se em Paris como novo morador é lembrança tão viva que parece presente. Custo a admitir que aqueles dias de nervosismo ainda produzem seus ecos. Já estivera aqui em outras ocasiões, mas com o carimbo de turista ou estudante de verão. Assim, foi como espectador mudo que confrontei com os estilhaços da lembrança o ambiente que se constituía, maciço e indecifrável, diante de mim.

Acionou-se um dispositivo de conforto, em alguma parte do espírito, quando captei o odor pastoso do primeiro vestíbulo em que pisei, fatigado de carregar as malas pelos subterrâneos. Esse cheiro, que talvez não chame a atenção de mais ninguém, para mim é uma espécie de assinatura das antigas construções que fazem a fama da cidade. Percebi-o desde a primeira visita, e voltar a senti-lo produz uma sensação de reconhecimento e segurança. Um de meus sentidos, ao menos, sabe bem onde estou.

Os monumentos, os bulevares, as marolas do Sena, atravessaram a maior parte de minha vida como ilustrações de um álbum de viagem. Por um tempo, repercutindo a expectativa da travessia, mudaram-se em mistério. Mas bastaram os solavancos do avião que aterra para que se configurassem, enfim, como geografia concreta, verdadeira. A geografia que, doravante, eu deveria me esforçar por aprender.

Nada em particular. São buzinas, motoqueiros, horários apertados e aluguéis exorbitantes. A malha das ruas, confusa e ilógica como todas as demais, haveria de se construir em meu cérebro com a clareza de um mapa. Imperfeito, é verdade, como haviam sido, até então, os rabiscos aleatórios de São Paulo. Nessa nova Paris que se reconstruía em mim, uma Paris de carne dura e sangue quente, quanto antes acabasse o idílio, melhor.

Acontece que nasci com um estranho defeito. Sou desprovido da agilidade dos eficientes. Minha constituição parece incapaz do pensamento objetivo de quem precisa adaptar-se a um novo mundo. Não sufoquei o famigerado idílio, que me mantinha maravilhado diante das folhas mortas, amarelas e vermelhas, a forrar o calçamento de outono. Antes, alimentei-o. Em longos passeios a pé, em cartadas de poesia, em crônicas rabiscadas no moleskine que reside em meu bolso.

É Paris, ora. A fraqueza sentimental é perdoável. O ceticismo que buscaria cultivar jamais terá o poder de desviar meus olhos das fileiras de fachadas cinzentas. Se a infinidade de mansardas já desconcertou Baudelaire, inspirou Merleau-Ponty e encantou Cortázar, não serei eu a passar indiferente. Pobre de mim, estudante latino-americano. São essas impressões de recém-chegado, deslumbrado, abismado, que venho repetindo nos escritos.

Relendo-os, posso ver como o tempo, o clima em que as quatro estações ousam bem dizer seus nomes, agem sobre meu coração e minhas retinas. Discorri acerca do inverno, do verão, do outono. E principalmente, diga-se, da primavera. É minha preferida, embora, para alcançá-la, seja preciso atravessar o frio e a escuridão. A presença de um ciclo carrega a saudade, e não raro o medo, dos demais. Mas isso é tema para outra crônica. A próxima, talvez. Até lá.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos