'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A arte rebelde do maestro Lutero
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


"REAL MARAVILHOSO"

A arte rebelde do maestro Lutero

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Um músico brasileiro consagrado e de vida aventurosa vê no canto coletivo uma forma de transformar as relações humanas, cria o Fórum Coral Mundial e oferece, em São Paulo, espetáculos incomuns — porém, quase clandestinos...

João Paulo Charleaux - (25/10/2007)

No mundo das artes, muito já se falou sobre cantos de protesto e música engajada como formas de mudar o mundo. É certo que essa veia política já teve dias mais felizes e expoentes mais competentes que o solitário Mano Chao. No Brasil, Chico Buarque e companhia marcaram as décadas passadas com memoráveis canções contra o governo militar, enquanto no Chile, na Argentina e em outras paragens latinas, grupos e cantores estão tão identificados com a luta por democracia que é simplesmente impossível dissociá-los da imagem combativa e protestante. Mas o que dizer da música clássica? É possível falar de uma música clássica de conteúdo político? Sim, é. Principalmente hoje, em São Paulo.

É certo que toda arte é, em si, um gesto político, já que reflete elementos do contexto, do espaço e do tempo em que foi produzida. Assim, é claro que uma das composições mais famosas de Beethoven, Eroica (Sinfonia n°3 em Mi bemol Maior Opus 55), escrita na virada do século 17 para o 18, à luz da Revolução Francesa, traz em si mensagens políticas, embora se trate de música romântica e instrumental, sem ter, portanto, espaço para panfletagem explícita. Da mesma forma, é certo que, ao apagar o nome de Napoleão Bonaparte do título das partituras, raspando tão forte a borracha que quase rasgou a página, Beethoven tinha algo (contra) a dizer sobre o fato de Napoleão dar asas a suas pretensões imperialistas, auto-proclamando-se imperador, em 1804. Talvez esse seja um dos mais conhecidos exemplos de diálogo entre política e música clássica.

Sem tanto alarde e sem a pompa napoleônica, São Paulo tem assistido, ao longo dos últimos meses, a um evento inusitado. Todo quarto domingo de cada mês acontece, na simpática e bucólica Capela do Hospital Santa Catarina (Av. Paulista n° 200) uma série de concertos chamada "Caros Amigos". Na pauta destes concertos, além das notas, vão mensagens políticas.

Um Lutero que esteve na guerrilha e na revolução moçambicana, antes de consagrar-se na música

O regente dessa audácia é o maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira, um mineiro que teve que dar a volta ao mundo e parar em Milão, na Itália, para – como acontece com muitos artistas brasileiros – ser reconhecido primeiro lá fora. Lutero é o único brasileiro, depois de nosso maior maestro, Carlos Gomes, a receber o título de Cidadão Milanês. Trata-se de uma figura rara que, além do extenso e admirável currículo musical, tem uma história de vida que é roteiro de cinema: fez parte da Aliança Libertadora Nacional (ALN), pegou em armas na revolução moçambicana, viveu muitos anos em diversos países africanos, fez escala sob a cortina de ferro e foi parar no coração da Europa, onde trabalhou por quatro anos com, nada mais nada menos, que Luigi Nono.

"Lutero bem que poderia, se quisesse, ter abraçado a regência de orquestra, área pródiga em holofotes e cifrões, além de muito mais glamourizada pela grande mídia. Mas não. Mesmo sendo um qualificadíssimo regente de orquestra, Martinho resolveu priorizar, em sua carreira, a esquecida música coral", diz o também maestro Marcus Vinícius de Andrade. "Foi uma espécie de “opção pelos pobres” que se revelou acertada, pois permitiu transformá-lo num dos protagonistas de um movimento internacional pela revalorização do canto coletivo, embrião de um futuro Fórum Coral Mundial".

Apesar da série de concertos do maestro Lutero e do Coral Luther King, em São Paulo, contarem com a presença de parceiros da estirpe do violonista Guinga e do violeiro Ivan Vilela — além de solistas de além-mar, como o cantor italiano Davide Rocca — os leitores das agendas culturais paulistanas não foram informados do espetáculo. "É estranho, né?", pergunta Lutero. "Em algumas revistas especializadas, só aceitaram escrever sobre os nossos concertos pagando, como em forma de anúncio".

Perplexidade à parte, o fato é que grande parte dos paulistanos sequer desconfia da existência, no quintal de casa, da primeira temporada de concertos de um coral realizada no Brasil. "É comum você assistir a temporada de orquestras, mas essa é a primeira temporada de música coral feita no Brasil", diz Lutero.

Reviver, em todo o mundo, cantos e culturas que as armas ou o mercado quiseram esmagar

Mas o que pode haver de tão subversivo num coro e num repertório? A pauta dos concertos, como grande parte da pauta musical de Lutero, é baseada na valorização dos cantos das culturas derrotadas, soterradas, engolfadas pelo novo. Muitas vezes, esse "novo" é anabolizado pelos interesses de mercado. Outras vezes, trata-se, mesmo, da extinção de certos cantos e culturas, como são os casos de certas músicas indígenas da Amazônia brasileira e de tribos africanas, recuperadas nos concertos regidos por Lutero ao redor do mundo.

Além disso, o maestro tenta resgatar a idéia do canto coletivo, aplicando à música um conceito sofisticado de socialismo em contraposição à figura do cantor envernizado e embalado para vender. Lutero coleciona histórias sobre o impacto positivo de coros em pequenas comunidades, principalmente rurais, onde a experiência coletiva muda radicalmente as relações humanas. Essa filosofia tem sido aplicada em várias partes do mundo, através da experiência do Fórum Coral Mundial, que reúne ao redor do mundo músicos que se preocupam não só em não estragar a voz, protegendo-se de resfriados, mas, principalmente, músicos preocupados em disseminar o vírus do engajamento político.

Para os que têm na memória sonolentas apresentações do coro da fábrica, da escola, da igreja e da terceira idade, a série de concertos em São Paulo é um assombro. "Por muito tempo, principalmente nas décadas recentes, o coro ficou marcado como a coisa de fábrica, de idoso. É uma pena", diz Lutero. Para quem duvida da beleza da música coral, basta uma orelhada, por mais descompromissada que seja, nas Cantatas de Bach.

Assistir à série de concertos "Caros Amigos", em São Paulo, pode ser o primeiro passo para quem nunca imaginou que a música clássica pudesse ter uma pertinência política tão atual.

Mais:

Concertos passados:
Música Étnica, América Latina, Língua Portuguesa, Afro /África, Itália e USA / Black, com negro spiritual.

Próximos Concertos:
Espanha - 28 de outubro
Concerto de Natal - 25 de novembro

Ingresso Avulso: R$ 10,00

Outras informações: (11) 3231-5778 www.lutherking.art.br



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Arte e Utopia
» Música


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos