Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?

» Offensive sur l'or noir africain

» Un Syrien sur cinq a quitté son pays

» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


Sopa_de_ossos@Neruda.com

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Régis Bonvicino - (27/10/2007)

O cânone agora
– fotografado por uma Canon ou Nikon –
é um edifício de estilo texano
– magnifique –
em frente à varanda íntima
do quarto de Matilde, a viúva,
na Chascona, de onde se via os Andes
se vê agora Clark
Kent voando
e se vende um tipo de vento, escasso
no mês do golpe e da morte de Neruda
Pinochet queimou um quadro de Pablo
Picasso num ateliê obscuro
do mercado negro de arte
e destroçou também
uma cerâmica de Léger
da casa
do “comunista acomodado”
como me disse ontem
David Bustos
autor de Zen para Peatones
na Librería Metales Pesados
Marinheiros chilenos
tomavam ayahuasca
enquanto ouviam poemas
dos peruanos Hinostroza e Zapata
no navio de guerra Huáscar
Desarmado e enfermo,
José, o “terrorista” mapuche
foi ao cabo capturado
A CIA fez o serviço
caíram também os líderes
do narcoterrorismo islâmico
Um peruano me disse ainda,
nesse dia alucinado,
que seu tio chileno, chamado Pablo,
nascido em Pisagua,
negociante de salitre,
rico e avaro,
se reencarnou num rato



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos