Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» No Equador, a insurreição tem rosto indígena

» A instigante experiência da “comuna” originária

» Alcântara, acordo indigno

» Marxismo cultural, hora de um resgate

» Conheci Santa Dulce dos Pobres

» Finanças: antes da tempestade, o mormaço

» O amargo sabor da fruticultura brasileira

» O Mugica que era padre

» O flerte do “lugar de fala” com a brutalidade israelense

» Equador: os componentes da rebeldia andina

Rede Social


Edição francesa


» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames

» Intellectuels est-allemands sur la sellette

» Le malheur kurde

» La Turquie dans le grand jeu

» Fiasco américain au Proche-Orient

» Le paradis sur terre des intellos précaires

» Ces territoires méconnus de l'économie sociale et solidaire

» Ces visages multiples de l'islamisme

» La santé, malade de l'argent


Edição em inglês


» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities

» Value chains: who takes the profits?


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019


ECOLOGIA URBANA

Para que as cidades ressuscitem

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Proposta: lançar, na cidade mais individualista e caótica do país, um movimento de ecologia urbana, capaz de questionar a civilização do automóvel e abrir debate sobre políticas que permitam uma existência digna

Flávio Shirahige, Manoel Neto - (31/10/2007)

Se São Paulo fosse um crime, como poderíamos evitá-lo? Pergunta inusitada, ainda mais porque “no país do futuro” esperaríamos que o amanhã chegasse primeiro na “cidade que nunca dorme”. Porém, uma descrição atenta da cidade do ponto de vista da ecologia urbana pode nos ajudar a enxergar melhor esse crime e, quem sabe, como evitá-lo no futuro.

São Paulo é uma expressão exemplar do paradigma de “civilização” consumista: sua frota de veículos é a segunda maior do mundo, só ultrapassada por Tóquio, e cresce em ritmo oito vezes mais rápido do que a sua população. A cidade, que se transformou em metrópole sob a égide da indústria automobilística, cedeu seu espaço cívico para o carro e perdeu sua alma.

Seria até trivial apontar as estatísticas criminosas associadas ao símbolo da industrialização consumista de que São Paulo é exemplar: 92% da poluição é causada pelos carros, reduzindo em quase dois anos a vida média do paulistano. Acidentes automobilísticos são a maior causa de mortes não-naturais: 1.487 pessoas perderam a vida no trânsito da cidade em 2006, segundo a Companhia de Engelharia do Trânsito (CET). Além disso, há outros nove óbitos diários, em média, devido à poluição do ar, de acordo com estudo da Faculdade de Medicina da USP. Porém, não há nada de banal em indicar um dado quase apocalíptico: caso nada seja feito, São Paulo pode ter o ar tão poluído, em 2020, quanto a Vila Parisi, a área industrial de Cubatão conhecida como Vale da Morte.

Não é, de fato, uma cidade, mas um ajuntamento individualista, cujo símbolo maior é o carro, o maior crime de São Paulo. A péssima qualidade de vida resultante é o um crime contra as pessoas e o próprio meio-ambiente da cidade.

Opção: ou Vale da Morte, ou cidade recuperada pela sociedade civil

Talvez importe menos descobrir o criminoso do que saber como é que podemos ressuscitar o morto na sala de operações. Em outras palavras, como transformar São Paulo em uma cidade, em uma urbe habitada por cidadãos, aptos a discutirem suas condições de vida e pactuarem políticas que levem a uma existência digna?

Ao concebermos a cidade como um ente vivo, cuja saúde determina também a vida, felicidade e sofrimento dos seus moradores, ganham sentido os padrões de mobilidade no espaço urbano e outros elementos estruturais que viabilizam seu funcionamento – isto é, seu metabolismo. Deste modo, quando abordada da perspectiva ambiental, a vida urbana possui uma unidade que ser torna imediatamente visível, por mais fragmentada que ela pareça quando a cidade é tratada do ponto de vista do mercado ou do individualismo associal.

Nesse sentido, um movimento de ecologia urbana, que aborde os problemas da cidade do ponto de vista ecológico, pode nos ajudar a criar as forças necessárias para sairmos do atoleiro criminoso em que estamos. Não somente porque a conjuntura joga a favor dessa perspectiva – basta lembrar a questão do aquecimento global ou o movimento Nossa São Paulo –, mas porque haveria aí a possibilidade de resgatar uma unidade há muito perdida.

Se tomarmos como ponto de partida o combate a um dos símbolos mais criminosos de São Paulo – o automóvel – quem sabe não possamos mudar o rumo dessa história. Quem sabe, fazer com que as gerações futuras, ao olharam para o nosso presente, perguntem não que crime era São Paulo, mas como a sociedade civil criou um ser urbano pulsante nas primeiras décadas do terceiro milênio, muito distante de pertencer ao Vale da Morte.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Alternativas ao Modo de Vida Ocidental
» Capitalismo e Devastação Ambiental
» Metrópoles e Segregação
» Ambiente
» Ecologia Urbana


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos