Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: e os indígenas resistem ao golpe…

» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


DIREITO DE RESPOSTA

"Estamos no bom caminho"

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Em resposta ao artigo “Ambigüidades do comércio equitativo”, de Christian Jacquiau (Le Monde Diplomatique, setembro de 2007), Jean-Pierre Doussin, presidente da Max Havelaar França, enviou a seguinte resposta

Jean-Pierre Doussin - (03/10/2007)

Quem somos nós? Não somos uma empresa, mas uma associação (lei 901) sem fins lucrativos, fundada por organizações nacionais e regionais consagrando suas ações à solidariedade internacional. Somos, portanto, uma organização composta por militantes voluntários. Nossa associação constitui-se em ator pioneiro (e não líder), na origem do primeiro sistema internacional de certificação no ambiente do comércio justo. Seu orçamento é constituído por uma taxa paga pelas empresas que colocam o logotipo da associação nos seus produtos e, até o ano passado, por subvenções públicas. O ministério das Relações Exteriores francês, citado no seu artigo, não contribuiu para o salvamento financeiro de uma associação em perigo, mas financiou projetos precisos, seguidos de avaliação, que tornaram possível o desenvolvimento do comércio justo. É particularmente graças a esse financiamento que nossa associação pôde fazer frente aos importantes custos da organização da filial do algodão eqüitativo, que assegura rendimento decente e apoio organizacional a mais de 35 mil produtores (e não 3.280).

Nosso logotipo é um certificado? Nós nunca pretendemos que esse logotipo representasse um certificado aplicável — na lei francesa — aos registros de qualidade dos produtos agrícolas e alimentícios. Ele representa um certificado internacional que garante uma abordagem de desenvolvimento em benefício dos atores marginalizados e aplicável a toda sorte de produtos. Conforme a jurisprudência dos tribunais franceses, a utilização do nome “certificado” é autorizada se duas condições forem respeitadas: um rol de encargos definindo as exigências particulares e um controle dessa exigências por um organismo independente. Essas condições são respeitadas: o rol de encargos é elaborado por nossa federação internacional, FLO, com a participação dos produtores beneficiários e o controle é feito pela FLO-Cert, que respeita as disposições impostas pela norma internacional ISO 65 sobre os organismos certificadores e dá o máximo de garantias aos consumidores franceses sobre as aplicações de nossos compromissos.

Quais são nossas escolhas? A justificativa de criação do sistema que nós representamos foi, desde a origem, que os consumidores possam contribuir de maneira simples e eficiente ao desenvolvimento dos produtores e trabalhadores dos países do Sul, comprando produtos procedentes do comércio justo em todos os âmbitos em que habitualmente fornecem ou consomem. O certificado MH permite facilitar esse ato de consumo responsável, dando aos consumidores a segurança de eficácia desse método simples. Essa nova relação não tem o objetivo único de fornecer um rendimento suplementar aos produtores ou trabalhadores desfavorecidos. Ela se dirige a todas organizações (uma parte do preço, chamada prêmio de desenvolvimento, é obrigatoriamente de utilização coletiva) que se tornam verdadeiros parceiros, atores do próprio desenvolvimento. A implicação dessas organizações dos países do Sul pode superar o simples contrato comercial, desde que seus representantes participem igualmente das decisões estratégicas e políticas de nossa federação internacional – FLO.

"Saudamos também as empresas que se inserem, mesmo que gradualmente, na lógica do comércio justo"

Contrariamente ao que é dito, o desenvolvimento do comércio justo nos cultivos de exportação não é feito em prejuízo das cultivos alimentares. Esse desenvolvimento possibilita frequentemente o contrário, graças aos meios suplementares que ele oferece ao desenvolvimento de cultivos e diversificação de atividades. Uma verdadeira reestruturação regional e às vezes nacional, permitida pelo comércio justo, é até mesmo contestada por numerosos países. Atores outrora completamente ignorados ou rejeitados são agora parceiros incontornáveis, tanto das organizações comerciais privadas e dos bancos quanto de instâncias políticas. Mas uma mudança mais ampla das práticas do comércio internacional só é possível se as transações que prevalecem do comércio justo atingirem um nível suficiente para que seus novos atores sejam reconhecidos e respeitados. A credibilidade do comércio justo será mais forte do que o número de famílias agrícolas a quem beneficia, atingindo níveis mais importantes.

Somos favoráveis a ações empreendidas por diversas pequenas empresas comerciais ou estruturas associativas que desejam um comércio justo “ao longo de toda a cadeia”. Tais iniciativas contribuem grandemente para a sensibilização do público, mas o nível de transações assim induzidas é insuficiente para atender aos objetivos expostos acima. Nossa associação escolheu inserir-se em outras estruturas comerciais existentes, mas sem colocar em risco sua consciência moral e sua cultura militante. O exemplo do algodão, citado em seu artigo, pode novamente ser retomado. A organização de uma filial, na Africa tornou-se possível graças a uma colaboração com um agente, cujas competências e conhecimento do meio tornavam incontornável: a sociedade Dagris. O fato de o presidente dessa empresa ter assumido posições reais em favor dos OGM não tem nada a ver com nossa ação, já que o rol de encargos, para cuja elaboração contribuímos, proibiu o emprego de sementes OGM e organizou a fiscalização dessa proibição.

Saudamos as empresas que vendem somente produtos de comércio justo, mas cumprimentamos também aquelas, pequenas ou grandes, que decidem inserir-se mesmo que gradualmente, mas de foma crescente, no sistema. Fizemos uma boa escolha? Cabe aos consumidores decidirem. Sem esperar por uma modificação geral de nossa organização econômica. O aumento constante das vendas de produtos certificados e o impacto constatado por estudos conduzidos nos países envolvidos nos levam a pensar que estamos no bom caminho.

Leia mais:

Artigo citado, de Christian Jacquiau

Ambigüidades do comércio eqüitativo
Por toda parte, vozes se levantam exigindo tratamento humano para os pequenos agricultores e preservação do meio ambiente. Os “alterconsumidores” já representam de 15% a 25% da população. Mas há muito embuste disfarçado sob rótulos alternativos




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Economia Social e Solidária
» Alternativas ao Neoliberalismo
» Comércio Justo
» Soberania Alimentar

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos