'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: O novo capitalismo
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile: as ruas contra os tanques

» Aconteceu em Santiago

» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

Rede Social


Edição francesa


» La presse et les paradoxes de la liberté

» Avec les peuples ou sans eux ?

» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme


Edição em inglês


» The emerging US-China cold war

» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


ECONOMIA / CRÍTICA

O novo capitalismo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dedicando-se à rapinagem desenfreada, os private equities tornaram-se um dos principais fatores da atual instabilidade econômica. Um em cada quatro assalariados norte-americanos já trabalha para esses fundos ou para as empresas a eles subordinadas

Ignacio Ramonet - (12/11/2007)

Enquanto, contra o horror econômico, o discurso crítico — que um dia foi chamado de altermundialista — se embaralha e se torna repentinamente inaudível, um novo capitalismo se instala, ainda mais brutal e conquistador. É o de uma nova categoria de fundos-abutres, os private equities, fundos de investimento rapineiros com apetite de ogro, dispondo de capitais colossais [1].

Os nomes desses titãs — The Carlyle Group, KKR, The Blackstone Group, Colony Capital, Apollo Management, Partners Cerberus, Starwood Capital, Texas Pacific Group, Wendel, Eurazeo etc. — continuam pouco conhecidos do grande público. E, abrigados por essa discrição, eles estão metendo a mão na economia mundial. Em quatro anos, de 2002 a 2006, o montante dos capitais levantados por esses fundos de investimento, que coletam o dinheiro dos bancos, seguradoras, fundos de pensão e bens particulares riquíssimos, passou de 94 bilhões de euros a 358 bilhões! Seu poder de fogo financeiro é fenomenal, ultrapassa os 1.100 bilhões de euros! Nada resiste a eles. No ano passado, nos Estados Unidos, os principais private equities investiram cerca de 290 bilhões de euros em compras de empresas, e mais de 220 bilhões só durante o primeiro semestre de 2007, assumindo assim o controle de 8 mil sociedades. Agora, um em cada quatro assalariados norte-americanos — e quase um em cada doze franceses — trabalha para esses mastodontes [2].

A França, aliás, tornou-se, depois do Reino Unido e dos Estados Unidos, o principal alvo deles. No ano passado, eles se apoderaram de 400 empresas francesas (num montante de 10 bilhões de euros) e, agora, já estão gerindo mais de 1.600. Marcas conhecidíssimas — Picard Surgelés, Dim, restaurantes Quick, Buffalo Grill, Pages Jaunes, Allociné ou Afflelou — encontram- se sob o controle de private equities, quase sempre anglo-saxões, que agora espreitam os gigantes do CAC 40.

O fenômeno dos fundos rapineiros surgiu há uns 15 anos, mas, estimulado por um crédito barato e favorecido pela criação de instrumentos financeiros cada vez mais sofisticados, ele assumiu uma amplitude preocupante. Pois o princípio é simples: um clube de investidores milionários decide comprar empresas que, em seguida, eles gerem de maneira privada, longe da Bolsa e de suas regras estorvantes, e sem ter de prestar contas a acionistas exigentes [3]. A idéia é contornar os próprios princípios da ética do capitalismo, apostando somente nas leis da selva.

Concretamente, como nos explicam dois especialistas, as coisas se passam assim: “Para adquirir uma sociedade que vale 100, o fundo coloca 30 do próprio bolso (trata-se de uma porcentagem média) e toma 70 emprestados junto aos bancos, aproveitando-se das taxas de juros muito baixas no momento. Durante três ou quatro anos, ele vai reorganizar a empresa com o management da casa, racionalizar a produção, desenvolver atividades e captar o todo ou parte dos lucros para pagar os juros de sua própria dívida. Depois disso, ele vai revender a sociedade por 200, freqüentemente a um outro fundo que fará a mesma coisa. Uma vez ressarcidos os 70 emprestados, vão lhe restar 130 no bolso, por um investimento inicial de 30, ou seja, 300% de taxa de retorno sobre investimento em quatro anos. Quem dá mais?” [4].

Enquanto ganham pessoalmente fortunas alucinantes, os dirigentes desses fundos vêm praticando, sem peso na consciência, os quatro grandes princípios da “racionalização” das empresas: redução do quadro de empregados, achatamento dos salários, aumento dos ritmos e deslocalizações. Nisso são encorajados pelas autoridades públicas, que, como na França atual, sonham com “modernizar” o aparato de produção. E para horror dos sindicatos, que se vêem num pesadelo e denunciam o fim do contrato social.

Alguns pensavam que, com a globalização, o capitalismo finalmente estava saciado. Agora se vê que sua voracidade parece ilimitada. Até quando?



[1] Frédéric Lordon, “O mundo refém das finanças”, Le Monde Diplomatique Brasil, setembro de 2007.

[2] Sandrine Trouvelot e Philippe Eliakim, “Les fonds d’investissement, nouveaux maîtres du capitalisme mondial”, Capital, Paris, julho de 2007.

[3] Philippe Boulet-Gercourt, “Le retour des rapaces”, Le Nouvel Observateur, Paris, 19 de julho de 2007.

[4] Sandrine Trouvelot e Philippe Eliakim, “Les fonds d’investissement, nouveaux maîtres du capitalisme mondial”, Capital, Paris, julho de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Economia
» Economia Internacional
» Capitalismo Financeirizado
» Altermundialismo
» Globalização
» Corporações e Fraudes

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos