Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


RESPONSABILIDADE.COM

A Copa (verde) do Mundo é Nossa!

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Diplô Brasil estréia coluna sobre Responsabilidade Social. Primeiro número avalia: emergência da questão ambiental foi decisiva para o retorno do mundial de futebol ao país. Mas haverá mobilização real em favor da natureza, ou tudo se resumirá a marketing vazio?

Luiz André Ferreira - (02/11/2007)

Eram 90 milhões em ação, cantando sob a regência da ditadura o refrão ufanista “pra frente Brasil”. O hino da Copa de 1970 (no México) acabou embalando um dos poucos “gols dentro” feitos pelo país durante o regime militar: trazer o tricampeonato para casa, depois de 58 (Suécia) e 62 (Chile). Essa performance só foi repetida no Brasil já democratizado com os campeonatos de 1994 e 2002. O que chama a atenção é que apesar do know-how internacional neste esporte, o “melhor do mundo no futebol” nunca conseguiu reproduzir sua habilidade fora das quatro linhas. Depois de 1950, foram 64 anos de jejum, com inúmeras tentativas de voltar a sediar o mundial, finalmente anunciado para 2014. Na ocasião, ao invés dos 90, pularemos 197 milhões de habitantes, segundo as estimativas.

O Brasil sempre recebia cartões vermelhos, em sua intenção de voltar a ser anfitrião de uma Copa. As principais peças tabuleiro desse jogo político envolviam o lobby esportivo internacional e gols contra cometidos pelo país nos quesitos sociais e de infra-estrutura: transporte, segurança, saúde, organização. Em tais aspectos, não mudamos em nada. Até regredimos, defendem os mais saudosistas: apagão aéreo, malha ferroviária enferrujando, estradas e vias urbanas sem investimentos, a dengue e hospitais públicos assombrando o nosso cotidiano...

Se esses entraves continuam jogando contra a nossa vida, o que mudou nas escolhas dos “cartolas internacionais”? Como resposta, a entrada em campo de um artilheiro digno da seleção de Pelé e Garrincha: o meio-ambiente. A camisa verde brasileira foi o grande trunfo que venceu os fracassos das tentativas anteriores. Tanto que já temos reescalação garantida, para a disputa pelas Olimpíadas de 2016. A prova da confiança brasileira neste artilheiro foi o fato de amazonense Eduardo Braga ter sido escolhido como orador, entre os doze governadores brasileiros que seguiram em um “trem da alegria”, para Zurique, onde a Fifa anunciou o local da Copa 2014. Recebendo em troca a garantia da disputa de um dos jogos em Manaus, Braga tomou em defesa a plataforma política montada pela CBF, que prevê a preservação da floresta como compensação para emissão de gases do efeito estufa emitidos durante a realização da Copa de 2014. “O Mundial brasileiro será o primeiro megaevento a reunir bilhões de pessoas em torno da preservação do meio-ambiente e do combate ao aquecimento global. Contribuirá com o desenvolvimento sustentável e ajudará na conservação deste insubstituível patrimônio ambiental”, defendeu Braga. A atuação parece que conquistou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, que declarou ter ficado impressionado com a preocupação ambiental brasileira.

Como toda corrida eleitoral, o Brasil preparou sua propaganda audivisual. Um vídeo institucional vem circulando entre os dirigentes esportivos e imprensa internacionais. O material usa e abusa das belezas naturais brasileiras, do apelo turístico e ações sociais do governo Lula. Entre essas imagens da “ilha da fantasia” não constam os problemas de infra-estrutura do país, muito menos as queimadas, desmatamentos e conflitos sociais vividos pelos povos da floresta, usada como garota-propaganda.

Essa campanha política segue com a mesma plataforma para a disputa pelas Olimpíadas. E agrega ainda como ponto forte os Jogos Pan Americanos do Rio. Não resta a menor dúvida do sucesso, por conta da hospitalidade e da vocação carioca para a realização de grandes eventos. A cidade sediou a conferência Rio 92, além dos anuais Carnaval e Reveillon de Copacabana — que reúne quase quatro milhões de pessoas pacificamente, numa mesma praia, sem grandes incidentes (o que seria impensável em outras populações que se auto-consideram civilizadas)...

Mas não podemos deixar de lembrar que a campanha vitoriosa para conquistar o Pan também baseou-se no meio-ambiente. O Brasil prometia a tão propagada despoluição da Baía de Guanabara e investir em melhorias na saúde e na infra-estrutura de transportes, como forma de diminuir o tempo de deslocamento e a emissão de CO2. E o que vimos? A bela baía continua suja. O mapa de ampliação dos transportes não-poluidores não foi seguido. A ampliação do metrô acabou minguando. A revitalização do trem e das barcas não saiu da cartilha apresentaras ao Comitê Olímpico Internacional. E a saúde? Após todo o aparato para o Pan, o primo pobre que veio em seqüência, o Para-Pan (que devido ao preconceito ficou sem o patrocínio de grandes seguradoras de saúde e sem um programa de atendimento governamental) fechou com a triste mancha do episódio do atleta que sofreu um AVC após perambular, sem atendimento, por vários hospitais públicos, assim como muitos brasileiros no nosso dia-a-dia.

DE RESPONSA

Dia amargo das Crianças:

A GAP, gigante mundial no comércio de roupas, corre para acelerar a investigação interna que apura o trabalho infantil. Quer evitar os mesmos danos sofridos pela Nike, que sofreu boicote internacional a seus produtos após denúncias de exploração de mão-de-obra de crianças por um fornecedor. Trata-se da chamada responsabilidade solidária, conceito que defende a responsabilidade da matriz pelos atos em qualquer esfera de sua etapa de produção. A polícia da capital indiana, Nova Délhi, libertou 14 crianças supostamente mantidas em cárcere privado e submetidas a 16 horas diárias de trabalhos forçados e sem remuneração. Vejam que ironia: as crianças atuavam justamente na confecção de roupas para a linha infantil da GAP.

Rumo ao gás natural de Santos:

Com a crise de abastecimento de gás natural e a obtenção de licença, a Petrobrás pretende acelerar a implantação da Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato, que vai trabalhar com o material extraído do Campo de Mexilhão, na Bacia de Santos. Seguirá por um gasoduto terrestre até Taubaté, de onde haverá uma conexão com a tubulação Campinas-Rio de Janeiro, para ser distribuído ao mercado consumidor. A medida está inserida no Plano de Aceleração de Crescimento (PAC), do governo federal, e no Plano de Antecipação da Produção de Gás (Plangas) da própria estatal.

Os ventos desperdiçados do Brasil:

Enquanto seguem de vento em popa os investimentos nos países desenvolvidos na limpa energia eólica, o Brasil ainda não despertou para essa grande potencialidade. O Rio Grande do Sul é o Estado mais avançado. Possui o maior parque eólico da América Latina. Sozinho, gera 150 MW, mais da metade de toda a produção do Brasil, que é de 237 MW. Apesar deste fato, a geração sulista opera com apenas 1% da sua capacidade do Estado, que é de 15 mil MW. Um acordo com a PUC pretende reverter essa situação. O uso deste tipo de fonte energética é defendido pelo coordenador da campanha de Energias Renováveis do Greenpeace Brasil, Ricardo Baitelo, baseado no documento divulgado pelo Conselho Interacademy que reune os maiores cientistas do planeta.

Salve Chico Mendes:

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva vai anunciar no dia 27 de novembro os vencedores do VI Prêmio Chico Mendes. Este ano, está dividido nas categorias: liderança individual, associação comunitária, organização não-governamental, negócios sustentáveis, ciência e tecnologia e arte e cultura. Além do diploma, o primeiro colocado de cada área vai receber 20 mil reais. A entrega dos prêmios será em dezembro.

Pum!!!:

Depois de terem sido apontadas como ameaças por provocarem o efeito estufa através de suas perigosas flatulência (puns), as vacas invadiram o Rio de Janeiro, que recebeu de braços abertos as 120 esculturas espalhadas por toda a Cidade Maravilhosa. Tanto que cariocas já se mobilizam na eleição das “sete maravilhas bovinas”. Para se redimirem da fama de emitirem gases perigosos ao meio-ambiente, algumas das vacas ganharam como tema, a sustentabilidade e qualidade de vida.

Luiz André Ferreira
luizandre.responsabilidade@yahoo.com.br



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Responsabilidade.com


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos