Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

» Ruínas do neoliberalismo: Chile, caso precursor

» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

Rede Social


Edição francesa


» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


SOCIEDADE EM REDE

O desafio do Open Social

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Em nova iniciativa supreendente, o Google sugere interconectar as redes sociais como Orkut, Facebook e Ning. Proposta realça sucesso dos sistemas que promovem inteligência coletiva e convida a refletir sobre o papel da individualidade, na era da colaboração e autorias múltiplas

Dalton Martins, Hernani Dimantas - (11/11/2007)

Sou um dos caras que assinam esse artigo. Na verdade, não importa se sou um ou o outro. Tanto faz. Escrevemos em dupla, e isso significa que existe uma autoria compartilhada. O processo de criação emerge de uma dinâmica de generosidade. Como isso se dá?

Antes de qualquer informação é necessário entender como a rede funciona. A rede reage como um organismo. Formado de diversos nós que se comunicam. Esses nós se conversam pelos diversos meios de comunicação. Blogs, fotologs, Orkut, Facebook e todos os aplicativos que têm como função ou derivada juntar pessoas. Dessa forma, recebi o link, peguei a dica do meu parceiro e co-autor desse texto. O link me remeteu a um ótimo artigo. Open Social é um conjunto de aplicativos desenvolvidos pelo Google para catalisar os relacionamentos entre e intra as redes sociais disponíveis. Isso significa que o garoto que está isolado no Orkut poderá conversar ou trocar informações com a menina que participa ativamente no Ning. Bem, será que isso faz sentido? Achamos que sim. Pois, o valor da rede está na sua abertura. Adicionar valor à internet reduz o seu valor. Parece estranho, mas é verdade. Se você otimiza uma rede para um tipo de aplicação, você está desotimizando-a para outras. Logo, o Open Social possibilita otimizar todas as redes. Essa onda é sobre conectar um aos outros e nosas atividades online com nossos amigos. Essa é a web 3.0.

No entanto, uma lacuna de idéias se forma. Não podemos falar de redes sociais sem contextualizar o ambiente. Fica a pergunta: Como fica a autoria, quando na rede o fluxo contínuo de informações não tem dono? O Gtalk [1] se faz presente. E, continuamos a escrever conjuntamente. O eu e o outro, cada qual em sua máquina, cada qual em seu canto... Refletindo a sensibilidade do estar junto, de pensar em como podemos nos integrar nesse processo de compor esse artigo, de refletir a rede social que se inicia nessa vontade, nessa disposição do estar conectado.

A escrita em rede, através de uma janela-porta do Gtalk, é a experiência da sincronicidade no processo autoral. Estamos aqui, como se estivéssemos diante um do outro, pensando, linkando, expressando uma forma de construção de um artigo que avança a sensibilidade do estar em rede. Não importa o espaço. Pouco importa o tempo. Aliás, esse último só se torna importante quando o prazo de entrega aperta. A rede se faz pelos links.

Essas características das redes podem ser aplicadas aos organismos, às tecnologias, aos dispositivos, mas também à subjetividade. Somos uma rede de redes (multiplicidade), cada rede remetendo a outras redes de natureza diversa, em um processo auto-referente.

Na trilha de Deleuze e Guattari, pensar
além do ser, do corpo e do autor

Deleuze e Guattari apontam para o rizoma. Esse rizoma se regenera continuamente por suas interações e transformações. A subjetividade é como a cognição, o advento, a emergência de um afeto e de um mundo a partir de suas ações no mundo.

Pensamos rizomas. Não só nas raízes que se bifurcam, crescem aleatoriamente sem comando e controle. O rizoma nos mostra o comportamento das redes, onde a trama de nós não mais identifica o ser, o corpo, o autor. Somos um produto rizomático. Multidões dentro de todos nós. Dentro e fora, fora e dentro. O corpo não tem limite. Distende-se para o infinito e para o além.

É complicado? Bem, esqueça aquilo que te faz se enxergar como ser humano. Estamos nos referindo a uma outra tradição filosófica. Isso implica na maneira de sentirmos a vida. Para que tanto racionalismo? Por que pensar no homem como centro do mundo? E para que tanto esforço? O corpo se distende para um todo. As relações corpo- máquina (e todas as relações que derivam dessas aproximações) nos fazem entender que não mais importa diferenciar as partes. O ser natural, aquele desprovido dos males tecnológicos, jamais existiu. Ou melhor, não existe desde que as funções do homem se distendem na relação com o ambiente. E isso data da idade da pedra lascada.

Seres humanos vêm se organizando em redes colaborativas desde o começo dos tempos. Há muito que este tipo de organização permite que sejamos capazes de transformar o mundo ao nosso redor, criando conhecimento e cultura de maneira coletiva.

A produção coletiva e descentralizada de bens criativos não se aplica somente ao software. Já começam a aparecer reflexos dessa nova forma de produção em diversas áreas do conhecimento. Um ótimo exemplo é a WikiPedia, uma enciclopédia construida coletivamente na web.

Os projetos colaborativos e
a extensão de nossas individualidades

Mas o que significa colaboração? Ou, melhor, projetos colaborativos? Bem, colaboração é um modo de produção. Diferentemente das idéias tradicionais, a colaboração tem vida própria. Nasce num ambiente caótico, como a internet, e emerge num movimento de baixo para cima, alcançando um nível razoável de organização. As pessoas têm na internet mais do que uma ferramenta. Utilizam-na como uma aliada. E, desta forma, catalisam a conversação entre pessoas comuns. E neste ambiente de burburinho muitos projetos são desenvolvidos. Muitas vezes chamamos isso do efeito-puxadinho, da sensação de que o link nos puxa para um lado, nos leva para outro e através do linkar encontramos pessoas, formas de compreensão do viver em sociedade, necessidades de expressão, linhas de ação.

O melhor exemplo do funcionamento do sistema colaborativo está na experiência dos grupos. Funciona muito bem quando podemos utilizar a ferramenta colaborativa no seu potencial. Seja esta ferramenta um computador, um caderno de anotações, um lápis ou apenas uma boca falante. E, nesse sentido, temos que nos valer de tempo para destrinchar os projetos. E tempo, muitas vezes, é um fator limitante.

É aqui que faz sentido o Open Social. Ele permite que diversas redes sociais se cruzem no ciberespaço, e que os usuários de múltiplos ambientes possam se conectar sem ter de entrar em novos sites, sem precisar mudar de casa. É um avanço rumo à integração das linhas que nos desenham em rede. O imaginário dessas possibilidades está lançado... Falta agora nos reconhecermos em outros níveis, aprofundarmos nossos próprias necessidades e desenharmos nossas próprias conexões. A apropriação social dessa tecnologia é um dos caminhos para a ampliação de nossa capacidade de interação humana.

Mais:

Dalton Martins e Hernani Dimantas assinam, no Caderno Brasil, a coluna Sociedade em Rede. Edições anteriores:

Multidões inteligentes e transformação do mundo
Esquecidas na era industrial, mas renascidas com a internet, as redes sociais desafiam a fusão entre o poder e o saber, permitem que colaboração e generosidade sejam lógicas naturais e podem fazer da emancipação um ato quotidiano

Por trás dos links, as pessoas
Há dois séculos, a ciência descobriu e passou a analisar as redes. Há vinte anos, elas estão revolucionando o jeito de a sociedade se relacionar consigo mesma



[1] Comunicador instantâneo do Google, semelhante ao msn e yahoo, disponível em http://www.google.com/talk/intl/pt-BR/ (Nota do Editor)

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Internet
» Conhecimento Compartilhado
» Rumos da Internet
» Software Livre
» Sociedade em Rede


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos