Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 15 de outubro de 2021

» É possível ser flaneur em meio aos escombros?

» O tempo livre e o novo feitiço do capital

» Da guerra no Afeganistão à guerra feminista

» Viagem ao coração das trevas do capitalismo

» As lições da China para erradicar a pobreza

» 14 de outubro de 2021

» A esperança da paz e a permanência das guerras

» Amazônia: a defesa covarde da “soberania”

» Aborto: quando os EUA têm um quê de Talibã

Rede Social


Edição francesa


» Ces « traîtres » qui sauvèrent l'honneur de la France

» A la recherche d'un destin commun en Nouvelle-Calédonie

» L'école algérienne face au piège identitaire

» Envoyés spéciaux de la guerre d'Espagne

» La ballade des prétendus

» Le théorème de la mélancolie

» Sécurité nucléaire, les risques de la dérégulation

» Éloge de la fermière

» Bientôt des robots au chevet des patients japonais

» En Afghanistan, double piège pour les femmes


Edição em inglês


» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices

» Recognising the PRC

» Behind bars: resisting the Turkish state

» Taiwan strengthens ties with the US


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


LITERATURA

Três canções

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Marco Catalão - (17/11/2007)

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

A noite chega mais cedo,
o rio corre mais depressa.
Que súbito e antigo medo
de repente recomeça?

A lua brilha mais clara,
as águas tremem de frio.
O rio não volta nem pára:
veio maio, foi-se abril.

As folhas caem dos ramos,
o vento sopra mais forte.
Em tudo o que contemplamos
vemos a sombra da morte.

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

***

Vem como a noite
fiel e calma,
toma em teus braços
a minha alma.

Vem como a noite
secreta e vasta:
apaga o mundo,
me apaga... e basta.

Vem como a noite
cheia de estrelas:
que haja um sentido
sereno em vê-las.

Doce e materna,
vem como a noite.
Vem em silêncio.
Vem como a morte.

***

Amor, não palavras

Abraços e beijos
Não promessas falsas
Presença completa
Sem ecos, sem franjas

Silêncio, não vácuo
Vida partilhada
Pequena, mas plena
Nada, ou quase nada

Presente sem sombras
Sem juras, sem juros
Sem gozos futuros
Amor, não palavras



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos