Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O vírus transparente e os unicórnios invisíveis

» Artimanhas do mercado para socializar prejuízos

» CARF: um tribunal paralelo a serviço dos sonegadores

» Bolsonarismo, manipulação e perversidade

» Pandemia expõe a Era dos Empregos de Merda

» Governo estrangula (ainda mais) Ciência brasileira

» Coronavírus e os limites morais do capitalismo

» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

Rede Social


Edição francesa


» L'Afrique tente de retenir ses médecins

» Du Monténégro au Kosovo, la Serbie défiée

» De l'utopie scientifique au péril sanitaire

» Controverses en Inde autour de l'histoire coloniale

» Le culte d'Internet

» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique


Edição em inglês


» April: the longer view

» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


LITERATURA

Três canções

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Marco Catalão - (17/11/2007)

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

A noite chega mais cedo,
o rio corre mais depressa.
Que súbito e antigo medo
de repente recomeça?

A lua brilha mais clara,
as águas tremem de frio.
O rio não volta nem pára:
veio maio, foi-se abril.

As folhas caem dos ramos,
o vento sopra mais forte.
Em tudo o que contemplamos
vemos a sombra da morte.

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

***

Vem como a noite
fiel e calma,
toma em teus braços
a minha alma.

Vem como a noite
secreta e vasta:
apaga o mundo,
me apaga... e basta.

Vem como a noite
cheia de estrelas:
que haja um sentido
sereno em vê-las.

Doce e materna,
vem como a noite.
Vem em silêncio.
Vem como a morte.

***

Amor, não palavras

Abraços e beijos
Não promessas falsas
Presença completa
Sem ecos, sem franjas

Silêncio, não vácuo
Vida partilhada
Pequena, mas plena
Nada, ou quase nada

Presente sem sombras
Sem juras, sem juros
Sem gozos futuros
Amor, não palavras



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos