Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Du « grand tour » à Sciences Po, le voyage des élites

» Pouvoirs du roman

» Guérilla contre l'avortement aux Etats-Unis

» Au-delà de la fraude électorale, le Pérou profond

» Privés de vie privée

» Tous les chemins mènent au Maghreb

» Ni dieu, ni maître, ni impôts

» La France se penche sur sa guerre d'Algérie

» Injustice française

» Accaparement des méninges


Edição em inglês


» Fake news: A false epidemic?

» The financiers who backed Brexit

» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


LITERATURA

Três canções

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Marco Catalão - (17/11/2007)

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

A noite chega mais cedo,
o rio corre mais depressa.
Que súbito e antigo medo
de repente recomeça?

A lua brilha mais clara,
as águas tremem de frio.
O rio não volta nem pára:
veio maio, foi-se abril.

As folhas caem dos ramos,
o vento sopra mais forte.
Em tudo o que contemplamos
vemos a sombra da morte.

Entra maio e sai abril:
as águas tremem de frio.

***

Vem como a noite
fiel e calma,
toma em teus braços
a minha alma.

Vem como a noite
secreta e vasta:
apaga o mundo,
me apaga... e basta.

Vem como a noite
cheia de estrelas:
que haja um sentido
sereno em vê-las.

Doce e materna,
vem como a noite.
Vem em silêncio.
Vem como a morte.

***

Amor, não palavras

Abraços e beijos
Não promessas falsas
Presença completa
Sem ecos, sem franjas

Silêncio, não vácuo
Vida partilhada
Pequena, mas plena
Nada, ou quase nada

Presente sem sombras
Sem juras, sem juros
Sem gozos futuros
Amor, não palavras



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos