Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


CULTURA PERIFÉRICA

A dor e a delícia de ser negro

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Dia da Consciência Negra desencadeia, em São Paulo, semana completa de manifestações artísticas. Nosso roteiro destaca parte da programação, que se repete em muitas outras cidades e volta a realçar emergência, diversidade e brilho da cultura periférica

Eleilson Leite - (19/11/2007)

O 20 de Novembro não é celebrado apenas como um dia de protesto. Há tempos, homens e mulheres negras vêm comemorando esta data pela afirmação da beleza, do encanto, da ginga que só o negro tem. A arte de matriz africana é exuberante, comovente e contagiante. A música é a expressão mais reconhecida desse inesgotável manancial. Blues, jazz, rock, gospel, soul, funk, rap, samba, rumba, reggae. Quase tudo que de mais importante se produziu em termos de música desde o Século 19 tem relação direta com arte feita pelos negros. Mas essa influência está presente também na culinária, vestimenta, dança, religiosidade e mitologia, além do cinema, teatro, artes plásticas e literatura.

E para exaltar essa cultura, um dia só não basta. Preparei um roteiro com várias dicas de eventos que acontecerão dos dia 19 (segunda-feira) a 25 de novembro (domingo). O destaque é para os artistas das periferias da região metropolitana de São Paulo, tanto em apresentações nas quebradas, como em aparições na região central. Confira endereços e outras informações na Agenda Cultural da Periferia no site da Ação Educativa

Segunda-feira: Neste dia rola a quinta e última sessão da I Mostra do Cinema Africano Contemporâneo, organizada pela dançarina e antropóloga Luciane Ramos. Em cartaz, os filmes A Árvore dos Antepassados e As Pitas, produções moçambicanas de 1994, de Licínio Azevedo. Estes e os demais filmes apresentados na Mostra (que iniciou no dia 12 de novembro) são do acervo da Casa das Áfricas. Ao final da apresentação, Luciane faz um bate-papo sobre a obra. Fique ligado. No dia 26 haverá uma palestra com o sociólogo moçambicano Carlos Subuhana. Ele fará uma exposição de encerramento da Mostra. Aproveite também para conferir, no mesmo local, a Exposição África, com grafites de artistas negros como Thiago Vaz, Bonga e Tota entre outros.

Terça-feira: Chegou o grande dia. São inúmeras as atividades, em todas as partes. Destaco dois eventos: um no centro, outro na periferia. Na Praça da Sé, as secretarias de cultura do Estado e do Município se unem para fazer o grande show Consciência Negra SP. A parada começa as 10h com uma Missa Conga. Ao meio dia entra em cena o Bloco Ilê Aiyê e a partir daí a chapa começa a esquentar com atrações internacionais e nacionais. Os rappers MV Bill e Rappin’Hood são alguns dos nomes confirmados. O sambista Martinho da Vila encerra o espetáculo, com um show as 19h. Em Parelheiros, fim da Zonal Sul, rola uma versão do mesmo evento, sob o comando da CONE – Coordenadoria do Negro de São Paulo. A partir das 10h até as 21h o palco acolherá diversos artistas periféricos em apresentações musicais, dança e mostra de trajes e comidas típicas.

Quarta-feira:. O Sarau da Cooperifa vai se transformar num quilombo. Será uma edição especial, que destacará autores negros, tanto os consagrados pela literatura brasileira e internacional, como os autores e autoras de todas as periferias: Allan da Rosa, Maria Tereza, Elizandra e Akins, Fuzziu, Marcio Batista, Periafricania e muitos outros declamarão a dor e a delícia de serem negros. Nesta noite, os tambores soarão mais alto. O Grupo Espírito de Zumbi fará uma apresentação histórica.

Quinta-feira: Mais um sarau de preto. Agora em Pirituba, periferia da Zona Oeste. O poeta Michel Silva estará à frente dos microfones para realizar mais uma sessão do Sarau do Elo da Corrente, que rola todas as quintas-feiras. Noite especial, noite de Zumbi dos Palmares. Sob a mesma lua, do outro lado da cidade, os tambores do Ilú Oba de Min estarão em comunhão com toda a raça negra. O famoso grupo feminino de percussão afro-brasileira se apresentará no Teatro Alfredo Mesquita em Santana, Zona Norte.

Sexta-feira:. Vai rolar a Festa Umoja. O grupo de cultura afro-brasileira que dá nome ao evento, fará uma apresentação de 5 horas com muita música, dança, literatura, cinema e outras performances. Destaque para o samba de roda, coco e a leitura cênica de um mito em homenagem a iabás (orixás femininos). Participação do Cine Becos, que fará exibição do curta Vaguei nos livros e me sujei com a m… toda, de Akins Kinté, Mateus Subverso e Allan da Rosa.

Sábado: A literatura negra ocupará o Museu da Língua Portuguesa. Com o intuito de desvendar e vivenciar a escrita do negro brasileiro, Rita Camargo organiza um seminário que vem tendo sessões desde o dia 6 de novembro. No dia 24, acontecerá o encerramento e haverá um sarau as 17h, com o pessoal da Cooperifa e do Quilombohoje. Ali mesmo, pegue o Metrô e siga para a Barra Funda. No Memorial da América Latina estará acontecendo, desde o meio dia, o I Encontro Paulista de Hip Hop. E para o pessoal do ABC, a dica é o tradicional Hip Hop em Ação, da Casa do Hip Hop de Diadema.

Domingo: Para encerrar a maratona, dois eventos de peso. Em São Paulo acontece a VI Feira Preta e em Santo André rola o Dia da Cabeça Preta. O primeiro é uma grande produção. A parada acontece no Palácio de Convenções do Anhembi. A programação tem shows, espaço hip hop, feira de negócios, moda, acessórios, produtos, cabelereiros e todo tipo de empreendimento voltado para o segmento. No palco, diversos artistas de periferia. O encerramento ficará por conta do grupo carioca Afroreggae, que trará, como convidada especialíssima, a cantora Paula Lima. Em Santo André, a pegada é independente mas não menos atraente. Com promoção da Casa de Cultura e Política do ABC, tem música, teatro, literatura e tudo o mais, porém sem nenhum caráter comercial. Ambos os eventos começam às 12h e acabam as 22h.

A ascensão do artista de periferia traz em grande medida a afirmação da cultura negra. Na periferia, negro não é minoria. Não por acaso temos uma programação cultural tão pujante como esta. E isso é apenas uma parte. Com a benção dos orixás, muitas outras manifestações culturais acontecerão em São Paulo e em todo o Brasil. Axé aos filhos de Zumbi!

Mais

Eleilson Leite é colunista do Caderno Brasil de Le Monde Diplomatique. Edições anteriores da coluna:

Onde mora a poesia
Invariavelmente realizados em botecos, os saraus da periferia são despojados de requintes. Mas são muito rigorosos quanto aos rituais de pertencimento e ao acolhimento. Enganam-se aqueles que vêem esses encontros como algo furtivo e desprovido de rigores

O biscoito fino das quebradas
Semana de Arte Moderna da Periferia começa dia 4/11, em São Paulo. Programa desmente estereótipos que reduzem favela a violência, e revela produção cultural refinada, não-panfletária, capaz questionar a injustiça com a arma aguda da criação

A arte que liberta não pode vir da mão que escraviza
Vem aí Semana de Arte Moderna da Periferia. Iniciativa recupera radicalidade de 1922 e da Tropicália, mas afirma, além disso, Brasil que já não se espelha nas elites, nem aceita ser subalterno a elas. Diplô abre coluna quinzenal sobre cultura periférica



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Cultura Periférica


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos