Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Les municipalités laissent mourir les centres de santé

» Samsung ou l'empire de la peur

» Main basse sur l'eau des villes

» Percées et reflux en Europe

» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


Dois poemas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Pablo Simpson - (23/11/2007)

* * *

Outros ventos trouxeram nossas cicatrizes

Um suor me recobre, pesa nestes ombros
a flor de encontro dúbio. Assim perdi
tanto em buscá-la, tanto em desfazer.

As mãos sobre as coxas, o sexo já confessado.

Tão poderosa e viva e assim tão pura
a luminosidade dos azuis.

E aspirei contigo o perfume casto das cerejas,
também desfeito. O matiz inseguro de tuas nuvens.

Fluorescência do âmbar:
o segredo revelado, não te espantes.

E é o mesmo teu silêncio, amparando as estátuas.
As que houvera na morte e o sonho de suas noites.

Os frutos

O tempo colhia os frutos sem alarde
na terra baixa, maduros de sementes.

Eu corria as ladeiras com meus olhos
freqüentes do passado, e as flores frias.

Dos muros de palavras retirávamos
um punhado de hera, o cheiro seco.

Que invadia as manhãs pelas janelas
e nossos corações cheios de névoa.

Ele colhia os frutos. Nós, sem pressa,
que o tempo madurou de outros silêncios.

Eu não me erguia ao alto da colina
sobre um caixão de pedra, com medo.

De nosso território com seus prédios
enormes e homens baixos. Eles jogavam.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos