Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Renda Cidadã e a reinvenção do dinheiro

» Coronavírus: já tínhamos sido avisados

» Ou desaceleramos ou morremos todos

» Pandemia desnuda a Saúde falida nos EUA

» Assim Guimarães Rosa viu nossas águas e gente

» Sopram novos ventos de revolta contra o Uber

» Uma fratura na ordem ultraliberal

» Filmes para enfrentar a melancolia da quarentena

» Como nos salvaremos do terraplanismo sanitário?

» Alternativas para uma economia pós-coronavírus

Rede Social


Edição francesa


» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs

» Voyage en terres d'utopie

» Revenu minimum ou « deuxième chèque » ?

» Sur les voies du partage

» La télévision, les films et la conjoncture

» Mutation technologique, stagnation de la pensée

» De l'irresponsabilité mortelle à la vraie maitrise de la vie

» Méfiances des syndicats européens


Edição em inglês


» Iran in the time of corona

» Covid-19: a London diary

» When viruses become pandemics

» Bringing the state back in during Covid-19

» ‘LMD' on your tablet

» February 2020

» March 2020

» Lessons for the UK deployment to Mali

» Find LMD

» March: the longer view


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


Dois poemas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Pablo Simpson - (23/11/2007)

* * *

Outros ventos trouxeram nossas cicatrizes

Um suor me recobre, pesa nestes ombros
a flor de encontro dúbio. Assim perdi
tanto em buscá-la, tanto em desfazer.

As mãos sobre as coxas, o sexo já confessado.

Tão poderosa e viva e assim tão pura
a luminosidade dos azuis.

E aspirei contigo o perfume casto das cerejas,
também desfeito. O matiz inseguro de tuas nuvens.

Fluorescência do âmbar:
o segredo revelado, não te espantes.

E é o mesmo teu silêncio, amparando as estátuas.
As que houvera na morte e o sonho de suas noites.

Os frutos

O tempo colhia os frutos sem alarde
na terra baixa, maduros de sementes.

Eu corria as ladeiras com meus olhos
freqüentes do passado, e as flores frias.

Dos muros de palavras retirávamos
um punhado de hera, o cheiro seco.

Que invadia as manhãs pelas janelas
e nossos corações cheios de névoa.

Ele colhia os frutos. Nós, sem pressa,
que o tempo madurou de outros silêncios.

Eu não me erguia ao alto da colina
sobre um caixão de pedra, com medo.

De nosso território com seus prédios
enormes e homens baixos. Eles jogavam.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos