Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

Rede Social


Edição francesa


» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


Dois poemas

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Pablo Simpson - (23/11/2007)

* * *

Outros ventos trouxeram nossas cicatrizes

Um suor me recobre, pesa nestes ombros
a flor de encontro dúbio. Assim perdi
tanto em buscá-la, tanto em desfazer.

As mãos sobre as coxas, o sexo já confessado.

Tão poderosa e viva e assim tão pura
a luminosidade dos azuis.

E aspirei contigo o perfume casto das cerejas,
também desfeito. O matiz inseguro de tuas nuvens.

Fluorescência do âmbar:
o segredo revelado, não te espantes.

E é o mesmo teu silêncio, amparando as estátuas.
As que houvera na morte e o sonho de suas noites.

Os frutos

O tempo colhia os frutos sem alarde
na terra baixa, maduros de sementes.

Eu corria as ladeiras com meus olhos
freqüentes do passado, e as flores frias.

Dos muros de palavras retirávamos
um punhado de hera, o cheiro seco.

Que invadia as manhãs pelas janelas
e nossos corações cheios de névoa.

Ele colhia os frutos. Nós, sem pressa,
que o tempo madurou de outros silêncios.

Eu não me erguia ao alto da colina
sobre um caixão de pedra, com medo.

De nosso território com seus prédios
enormes e homens baixos. Eles jogavam.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos