Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» L'Ukraine livrée aux maladies infectieuses

» Raoul Ruiz ou le refus des normes

» Ces soldats américains envoyés combattre les bolcheviks

» Dictature numérique

» Au travail, les enfants

» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle


Edição em inglês


» The sea: hidden threats

» Dispatches from colonial North Africa

» The many shades of Latin American racism

» Window on the Russian soul

» The Arab world says #MeToo

» Lebanese central bank falls from grace

» Chips with everything

» Which way for Germany's CDU after Angela Merkel?

» Welcome to western China!

» France's watered-down climate bill


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


LITERATURA

Palavra 8

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Entre o romantismo e a modernidade
Em contraste com a sintaxe e o léxico sonoros e altissonantes das obras de Espronceda e Zorilla, os poemas de Bécquer apresentam uma linguagem depurada e concisa
Aqui

Dois poemas
Aqui

Sabores, cheiros e cores
"O homem tinha (eu achava) cara mesmo de pescador: faces descarnadas, secas de sol, a barba cinzenta e rala encompridando o bigodão. Enfiados nos braços, os cestos de vime: gingando no passo dele, tampas saltando, os peixes querendo fugir, voltar ao Guaíba, ao Taquari – nadar"
Aqui

A essência esquecida
Se o crítico é o maior defensor da literatura, ele tem o dever de saber que o melhor livro já escrito não vai cair em suas mãos nesta vida.
Aqui

Rodrigo Gurgel - (23/11/2007)

Vencida, na semana passada, a edição cabalística de número 7, abrimos Palavra, neste quase final de novembro, com o primeiro texto da coluna “Vozes hispânicas”, que será assinada pelo poeta e tradutor Marco Catalão. Gustavo Adolfo Bécquer, poeta romântico espanhol, é quem recebe as honras iniciais. Além de uma breve contextualização, Marco Catalão traduz cinco poemas de Bécquer, “o ponto de partida de toda a poesia espanhola moderna”, segundo Dámaso Alonso.

Ainda no reino da lírica, o poeta Pablo Simpson nos oferece dois poemas. Saboreiem, com vagar, “o matiz inseguro das nuvens”, o silêncio que surge como uma coluna de luz – mas de uma luz triste, melancólica – no primeiro poema, e os “corações cheios de névoa”. A dor de todos está, de algum modo, refletida nesses versos.

Os breves textos de Romilda Raeder são fulgurações do passado. Delicadamente elaborados, eles reconstroem aqueles momentos que jamais serão esquecidos, que nos acompanham durante toda a vida, às vezes com alegria, às vezes como uma cutilada. De fato, somos apenas memória, nada mais.

Fechando a edição desta semana, temos o sempre bem-vindo puxão de orelha de Renata Miloni. Desta vez, ela se debruça sobre o papel do crítico de literatura, censurando os enfadados, os azedos e todos os que se esqueceram da regra fundamental: a de que escrever é, antes de tudo, um prazer.

Boa leitura a todos!

Rodrigo Gurgel



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos