'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Wordsworth e o retrato do poeta quando jovem
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

» Por que fracassou o mega-leilão do Pré-Sal

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


Wordsworth e o retrato do poeta quando jovem

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

A edição bilíngüe de "O olho imóvel pela força da harmonia", seleção de poemas de Wordsworth, traz, pela primeira vez em português, trechos do prefácio ao livro Lyrical ballads, volume escrito por Wordsworth e Coleridge, considerado um marco do Romantismo nas letras inglesas

Marina Della Valle - (30/11/2007)

Pouco lido no Brasil, a obra do poeta romântico inglês William Wordsworth (1770-1850) atingiu, em sua terra natal, status de tesouro nacional. Prova disso, mais que a importância de sua figura entre críticos e estudiosos, é a popularidade de seus poemas entre o público em geral: é comum encontrar uma coletânea do autor ao lado dos dois itens mais freqüentes nas estantes inglesas, a Bíblia e as obras de Shakespeare.

A edição bilíngüe de O olho imóvel pela força da harmonia (Ateliê Editorial, 144 págs., R$ 36), seleção de poemas de Wordsworth traduzidos por John Milton e Alberto Marsicano, traz, pela primeira vez em português, trechos do prefácio ao livro Lyrical ballads, volume colaborativo de Wordsworth com o poeta Samuel Taylor Coleridge, considerado um marco do Romantismo nas letras inglesas.

Os dois amigos haviam planejado dividir o livro igualmente, com Coleridge representando o elemento “sobrenatural” e Wordsworth explorando o comum, o ordinário. Por fim, Coleridge participou de Lyrical ballads, publicado pela primeira vez em 1798, apenas com a “Balada do velho marinheiro” – peça-chave do Romantismo inglês, traduzida para o português por Alípio Correia de Franca Neto em 2005 (Ateliê Editorial, 240 págs, R$ 72), obra que ficou em segundo lugar na categoria “tradução” do prêmio Jabuti de 2006.

Reação ao Neoclassicismo

A segunda edição do livro, em 1800, passa a incluir o “Prefácio”, de autoria de Wordsworth, considerado um manifesto não-oficial do Romantismo na Inglaterra e um dos documentos mais importantes do movimento. Lyrical ballads continuou a ser republicado nos anos seguintes, com adendos, revisões e alterações. Coleridge tentou incluir no volume seu poema “Christabel”, mas Wordsworth recusou-se – começava ali o declínio da relação dos dois amigos, o que iria afastá-los mais tarde.

A versão do “Prefácio” que teve seus principais trechos traduzidos por John Milton e Alberto Marsicano é a de 1802. Ainda influenciado pela Revolução Francesa, Wordsworth – que viveu na França até a eclosão da guerra com a Inglaterra, quando teve de partir deixando para trás uma amante e uma filha ilegítima – desenha, no texto, as diretrizes dessa nova poesia pulsante. Os principais pontos do “Prefácio” são a inspiração na vida simples do campo e nas pessoas das comunidades rurais, semelhantes à que Wordsworth viveu, na Região dos Lagos; a inspiração que uma vida bucólica e próxima da natureza pode proporcionar a um poeta, mais sensível a esse tipo de experiência; e o emprego da linguagem utilizada pelo homem comum na poesia. O Romantismo na literatura inglesa, anunciado por William Blake, surgiu como resposta e reação ao culto à razão do Neoclassicismo, até então vigente. “Toda boa poesia consiste no transbordamento espontâneo de sentimentos poderosos”, afirma o autor, no trecho mais famoso do texto. Wordsworth dedica boa parte do “Prefácio” a propostas contra a dicção poética em vigor na época, para ele pedante e artificial.

Campo de narcisos

A inspiração revolucionária que gerou a obra, porém, foi, ao longo dos anos, dissipando-se em Wordsworth. Em 1813, é indicado para a posição de oficial alfandegário do condado de Westmoreland, cargo de alto salário. Em 1843, aceita a posição de Poeta Laureado da coroa britânica, que implica a obrigação de escrever sobre os grandes fatos da nação. Além disso, passa a apoiar o Partido Conservador. Essa mudança brusca de posicionamento gerou severas críticas ao autor, incluindo um poema de Shelley, um dos maiores expoentes da segunda geração dos poetas românticos ingleses, intitulado apenas Wordsworth. Nele, Shelley lamenta que o poeta “deixe de ser, tendo um dia sido”.

O olho imóvel pela força da harmonia – a segunda edição brasileira dedicada ao autor, ao lado de William Wordsworth: poesia selecionada (Editora Mandacaru, 1988), com tradução e introdução de Paulo Vizioli – inclui, além do “Prefácio”, seções do longo poema de fundo autobiográfico Prelúdio; uma das composições mais significativas do autor, Abadia Tintern; e os famosos A ceifadora solitária, Somos sete e Solitário qual nuvem vaguei, cuja imagem de um campo tomado por narcisos, eternamente ligada ao poeta, inspirou um serviço curioso: neste link é possível acompanhar o desabrochar dessas flores no Parque Nacional da Região dos Lagos, onde Wordsworth viveu, por meio de fotografias. A próxima florada deve ocorrer nos fins de março do ano que vem.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos