Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


Wordsworth e o retrato do poeta quando jovem

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

A edição bilíngüe de "O olho imóvel pela força da harmonia", seleção de poemas de Wordsworth, traz, pela primeira vez em português, trechos do prefácio ao livro Lyrical ballads, volume escrito por Wordsworth e Coleridge, considerado um marco do Romantismo nas letras inglesas

Marina Della Valle - (30/11/2007)

Pouco lido no Brasil, a obra do poeta romântico inglês William Wordsworth (1770-1850) atingiu, em sua terra natal, status de tesouro nacional. Prova disso, mais que a importância de sua figura entre críticos e estudiosos, é a popularidade de seus poemas entre o público em geral: é comum encontrar uma coletânea do autor ao lado dos dois itens mais freqüentes nas estantes inglesas, a Bíblia e as obras de Shakespeare.

A edição bilíngüe de O olho imóvel pela força da harmonia (Ateliê Editorial, 144 págs., R$ 36), seleção de poemas de Wordsworth traduzidos por John Milton e Alberto Marsicano, traz, pela primeira vez em português, trechos do prefácio ao livro Lyrical ballads, volume colaborativo de Wordsworth com o poeta Samuel Taylor Coleridge, considerado um marco do Romantismo nas letras inglesas.

Os dois amigos haviam planejado dividir o livro igualmente, com Coleridge representando o elemento “sobrenatural” e Wordsworth explorando o comum, o ordinário. Por fim, Coleridge participou de Lyrical ballads, publicado pela primeira vez em 1798, apenas com a “Balada do velho marinheiro” – peça-chave do Romantismo inglês, traduzida para o português por Alípio Correia de Franca Neto em 2005 (Ateliê Editorial, 240 págs, R$ 72), obra que ficou em segundo lugar na categoria “tradução” do prêmio Jabuti de 2006.

Reação ao Neoclassicismo

A segunda edição do livro, em 1800, passa a incluir o “Prefácio”, de autoria de Wordsworth, considerado um manifesto não-oficial do Romantismo na Inglaterra e um dos documentos mais importantes do movimento. Lyrical ballads continuou a ser republicado nos anos seguintes, com adendos, revisões e alterações. Coleridge tentou incluir no volume seu poema “Christabel”, mas Wordsworth recusou-se – começava ali o declínio da relação dos dois amigos, o que iria afastá-los mais tarde.

A versão do “Prefácio” que teve seus principais trechos traduzidos por John Milton e Alberto Marsicano é a de 1802. Ainda influenciado pela Revolução Francesa, Wordsworth – que viveu na França até a eclosão da guerra com a Inglaterra, quando teve de partir deixando para trás uma amante e uma filha ilegítima – desenha, no texto, as diretrizes dessa nova poesia pulsante. Os principais pontos do “Prefácio” são a inspiração na vida simples do campo e nas pessoas das comunidades rurais, semelhantes à que Wordsworth viveu, na Região dos Lagos; a inspiração que uma vida bucólica e próxima da natureza pode proporcionar a um poeta, mais sensível a esse tipo de experiência; e o emprego da linguagem utilizada pelo homem comum na poesia. O Romantismo na literatura inglesa, anunciado por William Blake, surgiu como resposta e reação ao culto à razão do Neoclassicismo, até então vigente. “Toda boa poesia consiste no transbordamento espontâneo de sentimentos poderosos”, afirma o autor, no trecho mais famoso do texto. Wordsworth dedica boa parte do “Prefácio” a propostas contra a dicção poética em vigor na época, para ele pedante e artificial.

Campo de narcisos

A inspiração revolucionária que gerou a obra, porém, foi, ao longo dos anos, dissipando-se em Wordsworth. Em 1813, é indicado para a posição de oficial alfandegário do condado de Westmoreland, cargo de alto salário. Em 1843, aceita a posição de Poeta Laureado da coroa britânica, que implica a obrigação de escrever sobre os grandes fatos da nação. Além disso, passa a apoiar o Partido Conservador. Essa mudança brusca de posicionamento gerou severas críticas ao autor, incluindo um poema de Shelley, um dos maiores expoentes da segunda geração dos poetas românticos ingleses, intitulado apenas Wordsworth. Nele, Shelley lamenta que o poeta “deixe de ser, tendo um dia sido”.

O olho imóvel pela força da harmonia – a segunda edição brasileira dedicada ao autor, ao lado de William Wordsworth: poesia selecionada (Editora Mandacaru, 1988), com tradução e introdução de Paulo Vizioli – inclui, além do “Prefácio”, seções do longo poema de fundo autobiográfico Prelúdio; uma das composições mais significativas do autor, Abadia Tintern; e os famosos A ceifadora solitária, Somos sete e Solitário qual nuvem vaguei, cuja imagem de um campo tomado por narcisos, eternamente ligada ao poeta, inspirou um serviço curioso: neste link é possível acompanhar o desabrochar dessas flores no Parque Nacional da Região dos Lagos, onde Wordsworth viveu, por meio de fotografias. A próxima florada deve ocorrer nos fins de março do ano que vem.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos