Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

Rede Social


Edição francesa


» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


LITERATURA

Palavra 9

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

A voz distante
Nos poemas aqui traduzidos, inéditos no Brasil, Yves Bonnefoy fala de um eterno renascer, contra os desígnios da morte e do esquecimento.
Aqui

De Drácula a Philip Marlowe
Até que ponto é possível reduzir o gênero policial a um punhado de características?
Aqui

Wordsworth e o retrato do poeta quando jovem
A edição bilíngüe de O olho imóvel pela força da harmonia, seleção de poemas de Wordsworth, traz, pela primeira vez em português, trechos do prefácio ao livro Lyrical ballads, volume escrito por Wordsworth e Coleridge, considerado um marco do Romantismo nas letras inglesas.
Aqui

Cento e sessenta homens parrudos
Nem o mais aloprado dos econometristas haverá de encontrar traços de eficiência no ato de mandar cento e sessenta policiais (escrevo por extenso para aumentar o impacto) para combater uma pequena, digo mais, minúscula greve de estudantes.
Aqui

Rodrigo Gurgel - (30/11/2007)

Esta semana, Pablo Simpson abre Palavra com a tradução de dois poemas de Yves Bonnefoy, inéditos no Brasil. Diálogo com a literatura contemporânea em língua francesa, a introdução que Simpson escreve às poesias não só contextualiza a obra de Bonnefoy, mas ilumina os textos e, ao mesmo tempo, mostra o muito que falta traduzir entre nós.

Olivia Maia escreve sobre o romance policial. Depois de falar sobre as origens do gênero, com Edgar Allan Poe, chega ao submundo e ao pessimismo de Dashiell Hammett e Raymond Chandler. Discutindo sobre as fronteiras dessa literatura, a escritora se pergunta: até que ponto é possível reduzir o gênero policial a um punhado de características?

Uma nova tradução do poeta inglês William Wordsworth acaba de chegar às livrarias. Em sua resenha, Marina Della Valle lembra as origens do romantismo na Inglaterra, revela fatos essenciais da biografia de Wordsworth e salienta o fato de a recente edição brasileira trazer trechos do clássico Prefácio de 1800, um dos documentos mais importantes do movimento romântico.

Em sua crônica desta semana, Diego Viana escreve sobre a França de Sarkozy. Quem é ele? Um reformador imbatível ou um xenófobo? Diante dos policias que fecham o acesso à universidade, o cronista reflete, sempre com leveza, sobre as forças que se digladiam nas democracias.

Boa leitura!

Rodrigo Gurgel



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos