Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


A reforma urbana: necessária e sempre postergada

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Com um déficit de moradia na ordem de 7,9 milhões de habitações , a reforma urbana brasileira prescinde que "os avanços institucionais se traduzam no enfrentamento mais eficaz da situação de desigualdade nas metrópoles, em especial o problema da moradia”.

Phillippe Revelli - (11/11/2007)

Em 1940, 31,2% da população brasileira residia na zona urbana. Na primeira década do século 21, a porcentagem ultrapassou os 80%. Diante de tal expansão, o Congresso dos Arquitetos do Brasil, em conjunto com setores progressistas da sociedade, invoca, desde 1963, a necessidade de uma reforma urbana. Em 1978, o documento Solo urbano e ação pastoral, publicado pela Igreja Católica, aprofundou a idéia de uma “função social da propriedade urbana”.

No entanto, foi apenas com o fim da ditadura militar, em 1985, que essa aposta voltou a ganhar atualidade. Nos anos subseqüentes, um movimento pela Reforma Urbana, que participou ativamente dos debates da Assembléia Constituinte, pautando uma emenda popular pela reforma das cidades, aglutinou sindicatos, organismos profissionais, representantes das igrejas e dos movimentos populares e lançou a palavra de ordem do “direito à cidade para todos”.

Garantiu-se, assim, uma emenda na Constituição que definia a moradia como direito fundamental. Em conseqüência, surgiram instrumentos para participação popular na gestão das cidades, como audiências públicas, referendos e iniciativas populares. Em 2001, o movimento obteve importante vitória com a aprovação do Estatuto das Cidades e a criação do Ministério das Cidades. “Agora, é preciso que os avanços institucionais se traduzam no enfrentamento mais eficaz da situação de desigualdade nas metrópoles, em especial o problema da moradia”, lembra Nelson Saule Júnior, do Instituto Pólis. Segundo ele, o déficit de moradia no Brasil é da ordem de 7,9 milhões de habitações, além de mais de 13 milhões de moradias inadequadas, como as favelas.

Segundo Saule, a chegada de Luís Inácio “Lula” da Silva ao poder se fez acompanhar de uma certa democratização na gestão das políticas urbanas. Mas a crise habitacional continua a se aprofundar. Em junho de 2004, uma missão conjunta das Nações Unidas e da Relatoria Nacional sobre o Direito à Moradia Adequada [1] percorreu o Brasil e concluiu: “Os poderes públicos não tratam a moradia como um direito fundamental, mas como mercadoria”.

Leia mais:

Os sem-teto às portas de São Paulo
Após visitar o acampamento do MTST, no Morro do Osso, em Itapecerica da Serra, o repórter francês transmite sua visão sobre a crise habitacional da maior megalópole da América do Sul e a força dos movimentos sociais brasileiros



[1] Ver.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos