Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de outubro de 2021

» Hora de retomar a luta pelo transporte público

» A patética missão de Paulo Guedes

» Boaventura: Portugal num momento de perigo

» Dinheiro, economistas vulgares e luta de classes

» Andrea Loparic

» 25 de outubro de 2021

» Clima: por que é possível vencer o fatalismo

» Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

» Pochmann: É necessária nova abolição

Rede Social


Edição francesa


» La Cour des comptes, cerbère de l'austérité

» Salaires : « Il est parti où, cet argent ? »

» Trompeuses métaphores du cancer

» Etes-vous heureux, ravi ou enchanté de travailler dans un institut de sondage ?

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» Infernal manège des sondages

» Droit du travail : vers des « jugements automatiques »

» Mes vacances en Terre sainte

» Les bonnes recettes de la télé-réalité


Edição em inglês


» ‘Le Monde diplomatique' in Algeria

» Millennial Schmäh

» UK: what happened to the right to food?

» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


LITERATURA

Palavra 14

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Guerra sem vencedores
Com mais de cem mil exemplares vendidos na Espanha, traduzido na Alemanha, França, Itália, Holanda, Sérvia, Israel e Romênia, e às vésperas de ser transformado em filme, Os girassóis cegos passou despercebido da grande imprensa.
Aqui

Dois poemas de John Donne
Aqui

O dilema da literatura policial brasileira
Nenhum escritor está disposto a se colocar como um escritor menor, um mero escritor de literatura de entretenimento. Dos poucos escritores brasileiros de literatura policial, a maioria ainda pretende se colocar uma importância que não deveria ter.
Aqui

Moldar o homem
Imagine, quanta identificação, quanta empatia, quando o povo soubesse que o presidente é tão normal, "como todo mundo", que foi até traído pela mulher! Mas, estranhamente, houve pouco mais do que alguns comentários chistosos, nos botecos e nos cartuns, sobre o "reizinho corno". E o assunto morreu.
Aqui

Rodrigo Gurgel - (18/01/2008)

Em sua resenha desta semana, Dida Bessana analisa o livro de contos Os girassóis cegos (Mundo Editorial), do espanhol Alberto Méndez, que, infelizmente, foi até agora ignorado pela mídia brasileira. Segundo Fernando Valls, do jornal El País, Borges, Cortázar e Carver eram os contistas preferidos de Méndez, falecido em 30 de dezembro de 2004. Ganhador, em 1962, do Prêmio Nacional de Tradução, Méndez traduziu para o espanhol Shakespeare, Goldoni, Dickens e Chesterton, entre outros. Na opinião de Dida Bessana, trata-se de um livro “sensível, profundo, realista, carregado de simbolismos”.

A partir deste número, damos início a uma nova seção de tradução de poesia e prosa – Vice-verse – dedicada a textos produzidos originalmente em língua inglesa. Coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle (marina_dellavalle@yahoo.com.br), Vice-verse está aberta a tradutores que desejem publicar seus trabalhos. Nesta primeira edição, trazemos dois poemas de John Donne, traduzidos por Rafael Rocha Daud.

Olivia Maia publica a segunda e última parte de suas reflexões a respeito do romance policial brasileiro. Questionando-se sobre as características da literatura policial brasileira, seus leitores e a possível existência de um subgênero no Brasil, a escritora trata, inclusive, dos preconceitos existentes entre nós em relação à “literatura de entretenimento”.

Em sua crônica desta semana, Diego Viana fala, com finíssima ironia, do marketing que circunda o presidente francês, Nicolas Sarkozy. Afinal, quem é ele? O filho de imigrantes? O homem dinâmico e trabalhador? O gourmet? Ou apenas um homem comum? São tantas as imagens, tão variadas as facetas construídas pelo marketing, que os consumidores parecem estar insatisfeitos...

Boa leitura!

Rodrigo Gurgel



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos