Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» E se as startups pertencessem a seus funcionários?

» Boaventura vê Lula Livre

» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

Rede Social


Edição francesa


» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


LITERATURA

Palavra 14

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Guerra sem vencedores
Com mais de cem mil exemplares vendidos na Espanha, traduzido na Alemanha, França, Itália, Holanda, Sérvia, Israel e Romênia, e às vésperas de ser transformado em filme, Os girassóis cegos passou despercebido da grande imprensa.
Aqui

Dois poemas de John Donne
Aqui

O dilema da literatura policial brasileira
Nenhum escritor está disposto a se colocar como um escritor menor, um mero escritor de literatura de entretenimento. Dos poucos escritores brasileiros de literatura policial, a maioria ainda pretende se colocar uma importância que não deveria ter.
Aqui

Moldar o homem
Imagine, quanta identificação, quanta empatia, quando o povo soubesse que o presidente é tão normal, "como todo mundo", que foi até traído pela mulher! Mas, estranhamente, houve pouco mais do que alguns comentários chistosos, nos botecos e nos cartuns, sobre o "reizinho corno". E o assunto morreu.
Aqui

Rodrigo Gurgel - (18/01/2008)

Em sua resenha desta semana, Dida Bessana analisa o livro de contos Os girassóis cegos (Mundo Editorial), do espanhol Alberto Méndez, que, infelizmente, foi até agora ignorado pela mídia brasileira. Segundo Fernando Valls, do jornal El País, Borges, Cortázar e Carver eram os contistas preferidos de Méndez, falecido em 30 de dezembro de 2004. Ganhador, em 1962, do Prêmio Nacional de Tradução, Méndez traduziu para o espanhol Shakespeare, Goldoni, Dickens e Chesterton, entre outros. Na opinião de Dida Bessana, trata-se de um livro “sensível, profundo, realista, carregado de simbolismos”.

A partir deste número, damos início a uma nova seção de tradução de poesia e prosa – Vice-verse – dedicada a textos produzidos originalmente em língua inglesa. Coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle (marina_dellavalle@yahoo.com.br), Vice-verse está aberta a tradutores que desejem publicar seus trabalhos. Nesta primeira edição, trazemos dois poemas de John Donne, traduzidos por Rafael Rocha Daud.

Olivia Maia publica a segunda e última parte de suas reflexões a respeito do romance policial brasileiro. Questionando-se sobre as características da literatura policial brasileira, seus leitores e a possível existência de um subgênero no Brasil, a escritora trata, inclusive, dos preconceitos existentes entre nós em relação à “literatura de entretenimento”.

Em sua crônica desta semana, Diego Viana fala, com finíssima ironia, do marketing que circunda o presidente francês, Nicolas Sarkozy. Afinal, quem é ele? O filho de imigrantes? O homem dinâmico e trabalhador? O gourmet? Ou apenas um homem comum? São tantas as imagens, tão variadas as facetas construídas pelo marketing, que os consumidores parecem estar insatisfeitos...

Boa leitura!

Rodrigo Gurgel



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos