Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 18 de maio de 2022

» Os deadbots e os limites éticos da tecnologia

» Por outra Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

» A Nave dos Loucos e os espaços da (des)razão

» WikiFavelas: O racismo religioso de cada dia

» 17 de maio de 2022

» As necessárias “heresias” de Lula

» A rebelião dos idiotas

» O arame farpado na existência dos Guarani-Kaiowá

» Por que a cracolândia funciona?

Rede Social


Edição francesa


» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction

» Le défi indien et le colonialisme blanc

» La participation des travailleurs : cote difficile à tailler


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


Crise 2008?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Estamos frente à mais importante crise desde que se iniciou a presente globalização. O desfecho reside na capacidade das economias asiáticas substituírem o motor norte-americano. Seria então uma nova manifestação do declínio do Ocidente anunciando o deslocamento próximo do centro da economia mundial dos Estados Unidos para a China. Dessa forma, esta crise marcaria o fim de um modelo

Ignacio Ramonet - (15/02/2008)

Será que o anúncio feito pelo Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano), de uma grande diminuição das taxas de juros, conseguirá evitar a recessão nos Estados Unidos? Vários especialistas acreditam nisso. Mesmo esperando a redução do crescimento, não antecipam um esfriamento brutal da economia mundial.

Porém, outros analistas, também adeptos do capitalismo, demonstram bastante preocupação. Na França, por exemplo, Jacques Attali profetiza que “daqui a pouco (...) a Bolsa de Nova York, garantidora da pirâmide dos empréstimos, vai desmoronar” [1]. E Michel Rocard afirma que “a crise mundial é para amanhã”, e não hesita em acrescentar: “Estou certo de que logo tudo vai explodir” [2].

De fato, os sinais de desconfiança vêm-se multiplicando, como se pode ver na “corrida do ouro”: o metal amarelo, cuja cotação, em 2007, aumentou em 32%, está voltando a ser o refúgio de muitos investidores. Todos os grandes organismos econômicos, entre os quais o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), prevêem uma baixa do crescimento mundial.

Quase tudo começou em 2001, com o estouro da bolha da Internet. Para preservar os investidores, Alan Greenspan, então presidente do Fed, decidiu orientar os investimentos para o mercado imobiliário [3]. Por meio de uma política de juros baixíssimos e de redução dos encargos financeiros, ele encorajou os intermediários financeiros e imobiliários a estimular uma clientela cada vez maior a investir em imóveis. Instaurou-se assim o sistema dos subprimes, empréstimos hipotecários de risco e taxa variável oferecidos às famílias mais frágeis [4]. Mas, em 2005, ao aumentar as taxas de juros (estas mesmas que acabou de reduzir), o Fed detonou a máquina e provocou um efeito dominó que, a partir de agosto 2007, fez vacilar o sistema bancário internacional.

A ameaça de insolvência de cerca de três milhões de famílias, com dívidas de mais de 200 bilhões de euros, ocasionou a falência de grandes estabelecimentos de crédito. Para se precaver contra tal risco, estes haviam vendido uma parte de seus créditos duvidosos para outros bancos, os quais os cederam a fundos de investimentos especulativos, que, por sua vez, disseminaram-nos pelos bancos do mundo inteiro. Resultado: tal como uma epidemia fulminante, a crise atingiu o conjunto do sistema bancário.

Estabelecimentos financeiros importantes – Citigroup e Merrill Lynch, nos Etados Unidos; Northern Rock, no Reino Unido; Swiss Re e UBS, na Suiça; Société Générale, na França etc. – acabaram por reconhecer perdas colossais e prevêem mais depreciações. Para limitar o desastre, muitos tiveram que aceitar capitais provenientes de fundos soberanos controlados por países do Sul e petromonarquias.

Não se sabe ainda o tamanho exato do rombo. Desde agosto de 2007, os bancos centrais norte-americano, europeu, britânico, suíço e japonês injetaram na economia centenas de bilhões de euros sem conseguir restaurar a confiança. Da economia financeira, a crise propagou-se para economia real. E uma conjunção de fatores – redução acelerada dos preços no mercado imobiliário dos Estados Unidos (e também do Reino Unido, da Irlanda e da Espanha), esvaziamento da bolha de liquidez, queda do dólar, restrição dos créditos – fazem temer um real recuo do crescimento mundial. Somam-se a isso outros fenômenos como a alta dos preços do petróleo, das matérias primas e dos produtos alimentares. Ou seja, os ingredientes de uma crise duradoura [5]. A mais importante desde que a globalização constituiu o quadro estrutural da economia mundial.

De agora em diante, seu desfecho reside na capacidade das economias asiáticas em substituir o motor americano. Seria então uma nova manifestação do declínio do Ocidente anunciando o deslocamento próximo do centro da economia mundial dos Estados Unidos para a China. Dessa forma, esta crise marcaria o fim de um modelo.



[1] L’Express, Paris, 13 de dezembro de 2007.

[2] Le Nouvel Observateur, Paris, 13 de dezembro de 2007.

[3] Ler Crises financières à répétition : quelles explications ? quelles réponses ?, Paris, Fondation Res Publica, 2008.

[4] Cf. André-Jean Locussol Mascardi, Krach 2007. La vague scélérate des subprimes, Paris, Le Manuscrit, 2007.

[5] Ler Frédéric Lordon, O mundo refém das finanças, Le Monde Diplomatique Brasil, setembro de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Economia
» Mercados Financeiros Internacionais
» América do Norte
» Crises Financeiras

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos