Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


LITERATURA

Cinco aspectos da arte de citar

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Citar é estar de tal forma na literatura que só a própria criatividade não é suficiente, deve-se buscar ferramentas criadas por diferentes autores, desconstruir pensamentos e identificar até migalhas espalhadas que ainda não haviam sido vistas.

Renata Miloni - (15/02/2008)

I

Um dos grandes prazeres ao escrever sobre literatura é o poder da citação: a possibilidade de analisar pensamentos de acordo com fragmentos em livros diversos, organizar e recriar os próprios livros que fazem possível essa forma de arte. Há os escritores que reconhecem na citação um caminho para compreender o que escrevem, que só se encontram inteiros ao citar, numa mistura de pureza e satisfação que só acontece em meio a palavras.

Isso pode se transformar no que chamo de obsessão saudável, como é o caso de Enrique Vila-Matas. E também de leitores, como eu, mas num grau ainda inicial que, sem dúvida, se agravará com a idade. Nem todos que escrevem (sejam escritores ou leitores que falam sobre literatura) conseguem atingir essa nobre forma de originalidade. É preciso, primeiramente, estar consciente da conseqüência de usar uma frase alheia, entender por que ela precisa estar num determinado ponto do texto.

II

"Os fragmentos fazem parte da estrutura de minha memória" [1]. O que motivou Vila-Matas a chegar a esta conclusão? Afinal, citações são fragmentos e deles parte o início de um texto. Meu interesse é sempre saber como o escritor chega a certos pensamentos, a trajetória de outros pedaços resultantes nessa união.

Pode fazer parte também dessa estrutura a compreensão de mundo. Vila-Matas entende, brilhantemente, o mundo através de citações: é o ápice da originalidade literária em viver para escrever — a "mente enferma de literatura" [2], a enfermidade saudável e incurável.

III

Estará próximo o fim da literatura? Há quem já se dê por vencido? "A literatura nunca vai desaparecer?" [3], pergunta Vila-Matas. "A literatura vai para si mesma, para sua essência (...)". Marcel Duchamp, nesta resposta, pode ter recordado singelamente as citações. Mas completa: "(...) que é o desaparecimento".

A literatura precisa de salvação? O que exige um resgate? Os escritores que têm as citações como parte de pontos iniciais serão capazes de fazer com que algo dure tanto? "Nada pode durar tanto", disse Juan Rulfo em Pedro Páramo.

IV

Citar não é repetir o que já foi dito, a citação faz parte até do processo de criação. De nenhuma forma citar é copiar. O escritor que cita se entrega à literatura por completo, confessa origens, assume idéias alheias. O leitor obcecado pela citação se encontra ali sempre que precisa e continua o caminho até o ponto-final.

Vila-Matas diz: "o fantasma é um dia começar a notar que me repito. Nessa altura, terei de abandonar a escrita" [4]. Quão fiel é um escritor à literatura para chegar a abandoná-la? E aqui devo lembrar a enorme diferença entre se repetir e repetir os outros. O primeiro é sinal de limites atingidos, o segundo é reconhecer os próprios limites e entender que a arte é também feita de fontes: basta não achar que se pode mais do que elas oferecem.

Citar é estar de tal forma na literatura que só a própria criatividade não é suficiente, deve-se buscar ferramentas criadas por diferentes autores, desconstruir pensamentos e identificar até migalhas espalhadas que ainda não haviam sido vistas. Citar é assumir originalmente o amor pela literatura. Citar, para alguém que vê essa continuidade essencial da escrita (como Vila-Matas), é natural. Citar não é ignorar que só se escreve depois dos outros, que não se deve fugir de tal destino para então, só assim, se encontrar original.

V

"(...) He perseguido siempre mi originalidad en la asimilación de otras máscaras, de otras voces." [5].

O aspecto mais importante talvez seja a liberdade que um escritor pode ter sendo puro ao citar. Libertar-se de si mesmo para a literatura. Vestir-se de palavras às quais não deu origem. E a liberdade de o leitor citar como exemplo de suas opções, fazer de tal arte suas explicações. E até mesmo provocar um fim momentâneo em textos. "O que faço são viagens mentais de grande liberdade." [6] Um outro mundo é permitido pelas citações.



[1] Entrevista de Enrique Vila-Matas ao Diário de Notícias, de Portugal.

[2] Página 32 de O mal de Montano, de Enrique Vila-Matas. Tradução de Celso Mauro Paciornik. Cosac Naify, 2005.

[3] Página 77 de O mal de Montano.

[4] Entrevista ao Diário de Notícias (ver Nota 1).

[5] Artigo publicado no jornal El País em 06/01/08.

[6] Entrevista ao Diário de Notícias (ver Nota 1).

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos