Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Na Venezuela, a oposição adota o terror

» Rumo à agricultura do medo?

» Boaventura debate Revolução, Democracia e o Brasil

» Meio cheio ou meio vazio?

» Que importa que o crítico resmungue?

» Hora de enfrentar Facebook e Google?

» Contra a crise, o possível pós-capitalismo local

» Como Foucault e Agamben explicam Bolsonaro

» “Liberais” — até a página dois…

» Homem em chamas na Venezuela

Rede Social


Edição francesa


» Quand les armes ont parlé...

» La constellation du maintien de la paix

» La Yougoslavie, banc d'essai de la nouvelle Europe ?

» Bernard-Henri Lévy enragé contre « Le Monde diplomatique »

» Le talon d'Achille du nucléaire français

» Multiplication des opérations militaires autour du Sahel

» Dégringolade

» Revenu garanti, l'invité-surprise

» L'Allemagne et les réfugiés, deux ans après

» Portes ouvertes au secteur privé


Edição em inglês


» The hidden costs of “national security”

» Will AI make society obsolete?

» Empire of destruction

» A Fairy tale from 2050

» The demolition of U.S. global power

» Preparing for doomsday

» Growing my way out of dystopia

» The insult wars in Washington

» The enemy of my enemy Is my...?

» The politics of no politics


Edição portuguesa


» Míopes ou maldosos?

» Edição de Julho de 2017

» O síndrome da nêspera

» Embustes democráticos

» Edição de Junho de 2017

» Segurança na reforma começa no emprego

» Os anos loucos

» Colonialismo português: excepção ou barbárie?

» Os genes do euro e as vacas que não voam

» Agitação anti-sistema na Europa e nos Estados Unidos


LITERATURA

Acordados: o caleidoscópio de vidas da metrópole

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Marina Della Valle - (07/03/2008)

Há algo de psicotrópico em Acordados, primeiro romance da poeta paulistana Ana Rüsche [1]. A sensação de miragem começa antes mesmo da leitura, quando, buscando pelo título, o leitor passa da imobilidade do corpo nu retratado na primeira capa, que lhe dá as costas enquanto contempla as luzes noturnas de uma metrópole, para o movimento desafiador na quarta capa, que revela o resto do corpo e facetas de um mesmo rosto num balanço perigoso.

É ali, na quarta capa, que está o título e uma espécie de aviso: "fragmentos". E, de fato, Acordados é construído por um bordado delicado de cenas e vozes que não parecem seguir nenhum tipo de ordem, mas se entremeiam numa narrativa poderosa que vai se montando com precisão. O que o subtítulo não denota é a velocidade dessa sucessão de vozes e situações – como um caleidoscópio, Acordados reagrupa seus fragmentos a cada página virada, exibindo novas possibilidades e complicando as anteriores. Por meio das vozes de seus narradores múltiplos, Ana Rüsche delineia a voz múltipla da vida apressada e crua de uma grande cidade não-identificada, confusa como sua São Paulo natal, onde o espaço e o que parece vazio também é tomado por ecos e ruídos.

Essa alternância acelerada de vozes, num primeiro momento aparentemente desordenada, gravita em torno de uma reunião de negócios para tratar do entulho resultante da implosão de um presídio. Desse ponto nevrálgico partem os eixos que escoram os sucessivos fragmentos – presente, memória, expectativas. Outro elo entre os personagens é a toxicidade de suas relações. Os afetos são poucos e carregados de perdas; o sexo é casual e autômato, nem sempre prazeroso; a solidão se agudiza na vertigem da metrópole, seja dentro de um ônibus lotado ou no casulo protetor de um automóvel no tráfego pesado. Os corpos pedem, exigem, se rebelam, às vezes como personagens em si, duplos alheios.

Não espere de Acordados uma leitura leve; se os diálogos entre os fragmentos se dão apenas com o ato da leitura atenta, sem espaço para adivinhações ou conclusões antecipadas, uma análise mais próxima revela ainda diálogos velados com outros autores. Admiradora confessa de Ana Cristina César, Ana Rüsche entra no jogo de armar "castillos de alusiones" [2], tomando posse do "alheio" – que já não é alheio após desmembramento afetivo e cerebral – para transformar em arte própria, na última camada de um pergaminho escrito, reescrito e sobrescrito à exaustão. Mas esse jogo para iniciados não obstrui a fluência do romance, que não se perde em seu movimento vertiginoso, mas é impulsionada por ele. Acordados é um livro corajoso, com uma aversão epidérmica a lugares-comuns, que não faz concessões e, portanto, exige envolvimento do leitor – e o recompensa exatamente com o que está no cerne de suas exigências.



[1] Ana Rüsche é autora de Rasgada (2005, edição da autora) e Sarabanda - um caderno de estudos (Selo Demônio Negro, 2007). Acordados foi publicado pelo selo Demônio Negro com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura – o livro recebeu bolsa de criação literária do Programa de Ação Cultural (PAC) em 2006. Conhecida pela energia com que se dedica a organizar e planejar eventos e oportunidades para a difusão da literatura, a autora não deixou o lançamento de Acordados sem uma solução interessante: os exemplares foram distribuídos por um sistema batizado de "contrabando afetivo" – pessoas selecionadas foram encarregadas de distribuir exemplares a leitores que não teriam acesso à obra de outro modo. Acordados pode ser comprado no Sebo do Bac ou na Rato de Livraria. Outros escritos da autora podem ser lidos no blog Peixe de Aquário .

[2] Ana Cristina César, A teus pés (Editora Brasiliense, 1984), pg. 60.

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos