Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


LITERATURA

Palavra 20

Imprimir
Enviar
Compartilhe

O Yeti com maleta executiva
Os grandes mestres compõem um subtexto hitchcockiano, com violinos ao fundo, para o leitor. Eles deixam a dúvida e não a certeza. Em vez de “será que é a pessoa X”, o leitor fica se perguntando “será que essa pessoa existiu ou foi só muito bem-inventada?”..
Aqui

Balthazar
Ao deixar um pouco de lado a trama principal para enveredar por um desses caminhos secundários e quase sempre tortuosos, Durrell revela toda sua competência como ficcionista.
Aqui

Acordados: o caleidoscópio de vidas da metrópole
Aqui

Rosa de fevereiro
Se os antigos, em pastorais de telas e sinfonias, exultavam de retratar o alívio explosivo das cores a brotar, os modernos têm a ousadia insolente de desmerecer as rosas, reduzidas a atavio.
Aqui

Rodrigo Gurgel - (07/03/2008)

Simone Campos abre a edição desta semana falando sobre a literatura autobiográfica – ficcional ou não – que inunda as livrarias. Nesse oceano de ególatras parece valer tudo. E adolescentes cheirando a cueiros são tratados como gênios da língua, paradigmas da experiência humana, clássicos absolutos. Que mercado é esse, capaz de produzir e absorver sofregamente obras que se encontram à beira da idiotia?

Luiz Paulo Faccioli escreve sobre Balthazar, o segundo volume da tetralogia de Lawrence Durrell, O Quarteto de Alexandria. Mesclando a leveza da crônica à precisão da resenha crítica, Faccioli analisa todas as facetas da obra, sem descuidar das possíveis falhas de revisão.

Marina Della Valle não poupa elogios ao romance Acordados, de Ana Rüsche. “É um livro corajoso, com uma aversão epidérmica a lugares-comuns, que não faz concessões e, portanto, exige envolvimento do leitor”, afirma Della Valle.

Em sua crônica, Diego Viana flagra o momento que poderia ser lírico, mas que se desmancha sob a chuva miúda. Existiria, sob o aparente “triunfo da humanidade”, uma horda de autômatos insensíveis?

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos