Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


CIÊNCIA

A Bíblia de Gutenberg

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Estranho paradoxo: enquanto a CNBB pressiona contra as pesquisas com células-tronco, a PUC-RS valoriza estudos que procuram verificar a existência de "cérebros criminosos". Se a vida é dom divino, a violência pode estar inscrita nos genes? Reflexões sobre o papel a que a igreja renuncia

Alexandre Machado Rosa - (26/03/2008)

No filme O Dia Depois de Amanhã, dirigido por Roland Emmerich, especula-se sobre os efeitos climáticos provocados pelo aquecimento global. Nele, o climatologista Jack Hall (Dennis Quaid) vê seu filho de 17 anos, Sam, (Jake Gyllenhaal) preso em Nova York, onde tem de enfrentar as fortes inundações e o declínio dramático das temperaturas. Refugiado em uma biblioteca pública, Sam tem a companhia de sua namorada e amigos, além dos bibliotecários. Para se manterem aquecidos e vivos, eles decidem queimar os livros na lareira, até então desativada.

Em dado momento do filme, um dos bibliotecários agarra decididamente uma das 180 versões impressas da Bíblia de Gutenberg. Não por fé em Deus: ele se declara ateu. Decide defender da fogueira um dos símbolos da era da razão: a invenção da imprensa, por Johann Gutenberg (em 1450), que ajudou a deixar para trás as sombras da Idade Média.

Foram necessários mais alguns séculos para que, em meados do século 18, a ciência moderna, saída da revolução científica do século 16 pelas mãos de Copérnico, Galileu e Newton, começasse a deixar os cálculos esotéricos dos seus cultores, para se transformar no fermento de uma transformação técnica e social sem precedentes na história da humanidade.

Fala-se da vida como algo subjetivo, intencional e natural de Deus, reduzindo a ciência a uma ameaça — quando, na realidade, é a vida que deveria justificar as pesquisas humanas

Essa foi uma fase de transição. Deixava perplexos os espíritos mais atentos e os fazia refletir sobre os fundamentos da sociedade em que viviam e os possíveis impactos positivos da ordem científica então emergente. Mais de 200 anos depois, somos todos protagonistas e produtos dessa nova ordem — testemunhos vivos das transformações que ela produziu.

Se Gutemberg precisou inventar uma prensa de tipos móveis e levou aproximadamente cinco anos para imprimir 1282 páginas da Bíblia, vivemos hoje em tempos “reais”, onde acontecimentos em qualquer parte do planeta invadem nosso presente do aqui e agora. Não falamos mais de tipos móveis, mas de nanotecnologia, que foi expressa em 1972 (ou seja, há 35 anos) como algo distante e ficcional. Hoje, está presente nas roupas que usamos diariamente, nas chuteiras das fabricantes milionárias de material esportivo e na produção de alimentos, para não nos estendermos a outros ramos da produção.

No Brasil, o dilema das pesquisas sobre as células-tronco coloca em xeque sentimentos e dogmas religiosos, relacionados à Igreja Católica. Fala-se da vida como algo subjetivo, intencional e natural de Deus, reduzindo a ciência e as pesquisas a uma ameaça — quando, na realidade, é a vida que deveria justificar as pesquisas humanas.

* * *

Em 1975, o diretor Milos Forman, baseado no livro de Ken Kesey, dirigiu o polêmico filme “Um estranho no ninho” (One Flew Over the Cuckoo’s Nest), uma crítica e denúncia do sistema dos manicômios. Nele, Randle Patrick McMurphy (Jack Nicholson), um prisioneiro, simula estar insano para não trabalhar, e vai parar numa instituição para doentes mentais. Lá, ele estimula os internos a se revoltarem contra as rígidas normas impostas pela enfermeira-chefe Ratched (Louise Fletcher). Mas não tem idéia do preço que irá pagar por desafiar uma clínica "especializada". Ao final, tem um lobo de seu cérebro extirpado por uma cirurgia, como solução e controle.

No mesmo momento em que a CNBB condena as pesquisas com células-tronco, a Pontifícia Universidade Católica (PUC) está iniciando, em Porto Alegre, estudos que parecem inspirados pelas mesmas teorias que recomendam a lobotomia. O Programa Fantástico de 27 de janeiro revelou seu sentido: “O que leva uma pessoa a cometer um assassinato?". Os pesquisadores explicaram que estudarão os cérebros de jovens envolvidos em crimes bárbaros, para buscar a resposta.

Cerca de 50 jovens, entre 15 e 21 anos, de um total de 680 internos da Febem gaúcha, serão “cobaias”. Eles terão o cérebro examinado em uma máquina de ressonância magnética funcional, que mostra o cérebro em funcionamento. "O cérebro do delinqüente, sofreu, mudou, é diferente? Vamos investigar", diz Mirna Portuguez, neuropsicóloga da PUC/RS.

Os neurocientistas esperam comprovar uma suspeita: a de que os homicidas têm partes do cérebro atrofiadas, reduzidas de tamanho. A mais importante delas é o lobo-frontal, que controla os impulsos dos seres humanos. Segundo as idéias que parecem orientar os pesquisadores, uma causa essencial da violência humana é atrofia do lobo frontal do cérebro. As pessoas com esta característica teriam mais dificuldade para conter seus instintos -– um traço que seria típico do comportamento assassino.

Pesquisas como as da PUC-RS suscitam dois tipos de protesto. O primeiro é ético. "Estamos tratando de adolescentes. Não são cães, nem macacos. São pessoas”, acusa Ana Luiza de Souza Castro, psicóloga do juizado de menores do Rio Grande do Sul. Nos últimos anos, parte das próprias pesquisas com animais tem sido contestada, por crueldade e futilidade.

Do ponto de vista científico, tais estudos ecoam a tentativa de naturalizar, ou biologizar distúrbios e conflitos sociais. Remetem, por exemplo, ao I Congresso de Antropologia Criminal, realizado em Roma, em 1885, no qual as teses e propostas de Cesare Lombroso [1] obtiveram grande sucesso e reconhecimento.

Entre muitas outras obras escritas deste então, o livro Crime e loucura, de Sérgio Luís Carrara oferece uma alternativa à idéia do crime-doença. Ao juntar as monomanias (delirantes, raciocinantes e instintivas), ele aponta a existência de uma "culpa sem razão" ou de uma "razão sem culpa". Somos culturalmente determinados por heranças sociais, que se manifestam em nosso corpo biológico — não o contrário, como insistem os sociobiologicistas de laboratório, acostumados a hamsters e cadáveres.

A igreja poderia jogar papel muito positivo. Para tanto, seria preciso superar uma velha disputa entre ciência e religião — e refletir sobre a propriedade do conhecimento

Não me recordo de polêmica proposta pelo Vaticano ou CNBB para se contrapor ao tipo de "estudo" pretendido pela PUC-RS e alardeado pelo Fantástico. Ao voltar-se, em vez disso, contra as pesquisas com células-tronco, a igreja católica desperdiça uma enorme possibilidade. Sua ação poderia ser de grande relevância para ajudar a fazer contraponto ao uso das descobertas científicas em favor de objetivos pouco éticos: a devastação da natureza, a ampliação das desigualdades, a emergência de grupos sociais ou nações capazes de exercer dominação sobre outros. É algo que tem ocorrido invariavelmente, nos últimos 200 anos.

Para tanto, seria preciso superar uma velha disputa entre ciência e religião — e refletir sobre a propriedade do conhecimento. Adorno, Benjamim e a chamada Escola de Frankfurt cunharam o conceito de indústria cultural, para criticar a transformação do lazer e entretenimento em objetos de consumo e de uso político e ideológico. Hoje, há uma indústria da vida sendo desenhada — desde as pesquisas realizadas pela Alemanha nazista e os EUA, durante a Segunda Guerra e Guerra Fria. No combate a esta tendência, todas as religiões seriam muito bem-vindas.

Mais de 500 anos depois de os povos da África serem escravizados pelos europeus, o Papa João Paulo II, talvez como um ato de grandiosidade humana à beira da extrema-unção, pediu perdão pelos crimes de omissão e participação da Igreja Católica. Não sem tempo, as contradições da Igreja continuam.

Mais:

Alexandre Machado Rosa é colaborador do Caderno Brasil de Le Monde Diplomatique.

Edição anterior:

A nova tentação da eugenia
As afirmações racistas dos cientistas James Watson e Charles Murray deveriam disparar um sinal de alerta. Em sociedades hierarquizadas, é cômodo enxergar na suposta "fraqueza" do oprimido a causa da desigualdade. No Brasil, isso sempre foi o primeiro passo para ampliar a discriminação e exclusão



[1] Há uma breve biografia de Lombroso na Wikipedia. Na versão em inglês, encontram-se também boas indicações de leitura complementar

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Biotecnologia
» Ciência
» Cristianismo
» Crise do Cientificismo e do Desenvolvimentismo
» Pré-Capitalismo Conservador


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos