Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Medo, angústia e solidão no marketing via Google

» Eles decidem se você é terrorista

» A ditadura financeira e as metrópoles cercadas

» Notas sobre o fascismo

» Há mineração possível?

» Revolução tecnológica num mundo regredido?

» Superávit primário: história de uma fraude

» Populismo, conceito precário (2)

» Paulo Guedes e a receita para o atraso

» Desafio a cinco séculos de eurocentrismo

Rede Social


Edição francesa


» Faire de la vie une permanente éducation

» Pour une mise en mémoire de la modernité

» Fin du populisme en Algérie

» En Iran, la force mobilisatrice d'une spiritualité

» L'offensive contre la révolution islamique en Iran

» Révolution islamique et confrontation des irrationnels

» M. Bani Sadr face aux « vrais défenseurs de l'islam »

» Juifs et Noirs aux États-Unis : la fin d'une alliance

» Le pouvoir islamique face aux aspirations autonomistes en Iran

» Nouvelle orientation économique au Vietnam


Edição em inglês


» Doomsday redux

» Forty years on, is it make or break for the Islamic Republic?

» Laurent Bonelli on the yellow vests' challenge to the elite

» Russia boosts its presence in the Black Sea

» Netflix and the streaming wars

» Tanzania's port out of Africa

» How China joined Tanzania and Zambia

» Tanzania revives rail

» Russia extends Black Sea control

» ‘When I see them, I see us'


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?

» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Para sair do impasse na Venezuela


ARQUITETURA

As torres da opressão

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Cada vez mais presentes nas grandes metrópoles, os hiper-arranha-céus tornaram-se simbolos do capitalismo pós-moderno. Concentradores e poluentes, eles são expressão de um sistema que despreza o ambiente e precisa demonstrar, também na arquitetura, poder e desigualdade

Thierry Paquot - (23/03/2008)

Nascida no final do século 19, a torre é um objeto arquitetônico que resulta da combinação de uma técnica construtiva (a estrutura metálica), de equipamentos como o elevador e o telefone, e, principalmente, da inacreditável riqueza de algumas empresas, que construíram para si prédios emblemáticos, despertando todos os ciúmes. O primeiro imóvel de grande altura (40 metros) foi erguido em Nova York, em 1868; o segundo, em Minneapolis; e o terceiro em Chicago. Este, o célebre Home Insurance Building, de 42 metros, projetado por William Le Baron Jenney, teve suas obras concluídas em 1885. A torre tornou-se a expressão por excelência do capitalismo.

Isso significa dizer que se trata de uma obra necessariamente datada: uma empresa é sempre ultrapassada por outra mais prodigiosa, que marca sua supremacia construindo uma torre maior. Ao insaciável “cada vez mais” dos dirigentes da indústria ou das altas finanças corresponde o “cada vez mais alto”, símbolo, a seus olhos, do poder. Sua torre, ao mesmo tempo sede social, insígnia e marca. Há qualquer coisa de infantil nessa competição ascensional, a não ser por um punhado de arquitetos, convencidos de que a torre exprime o futuro... de um século passado!

O verdadeiro desafio que temos pela frente consiste em inventar uma forma arquitetônica que possa responder às expectativas contrastantes de cidadãos em busca de um conforto real, que respeite o meio ambiente, e que acompanhe as mutações urbanas em curso. Os sem-teto esperam por condições de sobrevivência, primeiro passo em direção a uma moradia decente. Os mal-instalados desejam habitações mais confortáveis e adaptadas ao tamanho de sua família ou ao seu universo sensorial. Os ocupantes de moradias sociais [1] reclamam novas normas e inserções mais urbanas. Em suma, as apostas são altas e necessitam de experimentações audaciosas, seja no modo de financiamento, seja no sistema de atribuição, seja na arquitetura desses habitats. E – por que não? – na participação dos futuros locatários em sua construção.

A torre não é a alternativa de moradia para a maioria: é cara (seus condomínios representam um segundo aluguel) e, na maioria das vezes, não disponibiliza aos moradores nenhum espaço comunitário (toda a vida é centrada no elevador, na entrega em domicílio, no isolamento em relação à cidade real). Ela é um impasse em altura, como a definiu o filósofo Paul Virilio.

Quanto aos escritórios, mal nos damos conta das doenças provocadas pelo enclausuramento em um universo dominado pela luz artificial e o ar condicionado, mas multiplicam-se as histórias sobre anginas, distúrbios respiratórios e outras enfermidades. Os empregados das empresas antes instaladas no World Trade Center, que após o atentado de 11 de setembro foram deslocados para pequenos imóveis espalhados em meio à natureza em Nova Jersey, manifestam sua satisfação, lamentando às vezes apenas a falta do ambiente de Manhattan [2].

Projetam-se grandes arranha-céus em Moscou (448 metros), Nova York (541m.), Dubai (próximo de 800m.), Paris e Londres (300m.)

No entanto, alguns arquitetos-estrelas, estimulados por todo um lobby imobiliário, afirmam, sem qualquer prova, que a torre resolve a questão fundiária (o que é verdade, em parte), aumenta a densidade (o que não está demonstrado), economiza energia (os dados ainda permanecem contraditórios), e faz parte do espírito da cidade (o que nem sempre é evidente).

No Mercado Internacional dos Profissionais de Imóveis (o Mipim), realizado em Cannes em 2007, os visitantes puderam admirar as maquetes dos futuros arranha-céus de Moscou (a Torre da Federação, de 448 metros, que ficará pronta em 2010), Varsóvia (a Zlota 44, de 54 andares), Nova York (a Torre da Liberdade, de 541 metros, e a do New York Times, de 228 metros), Dubai (certamente próximo de 800 metros), Paris (Granite, da Nexity, por Christian de Portzamparc; Generali, por Valode e Pistre; Unibail, por Tom Mayne, que deverá ser entregue em 2012) e Londres (Renzo Piano e a London Tower Bridge, de 300 metros). Um verdadeiro frenesi construtivo, à imagem da arrogância das firmas.

Já em 1936, em suas conferências no Rio de Janeiro, Le Corbusier reclamava uma torre de 2.000 metros para Paris. Mas, até agora, somente os japoneses trabalharam nos projetos de uma torre de 4 quilômetros de altura ou de uma pirâmide de 2.004 metros (chamada TRY 2004), podendo receber 700 mil residentes permanentes e 800 mil trabalhadores.

Desde 1930, o arquiteto norte-americano Frank Lloyd Wright denunciava a supertorre: “Os arranha-céus não têm vida própria, não têm vida a oferecer e não recebem nenhuma da natureza da construção (...) Bárbaros, eles são erguidos sem nenhuma consideração particular pelos arredores nem uns pelos outros (…) A aparência dos arranha-céus não tem moral, não tem beleza, não tem permanência (...) Os arranha-céus não têm um ideal unitário mais elevado que o sucesso comercial” [3]. Com certeza, ele não previa a vitória dos shoppings centers e dos cenários que os acompanhariam, pelo menos em certas megalópoles.

Esse simulacro de cidade se satisfaz com uma imagem na qual a torre assume o papel principal. Guy Debord, na revista Potlatch, denunciava os “mais policialescos que a média” (e apontava para Le Corbusier), que têm a ambição de “suprimir a rua” e encerrar a população em torres. Para ele, ao contrário, era preciso valorizar “os jogos e os conhecimentos que estamos no direito de esperar de uma arquitetura verdadeiramente perturbadora” (Potlatch n° 5, 20 de julho de 1954). Debord desenvolveu, a seguir, a psicogeografia, o urbanismo unitário e a deriva, criticando sem trégua a fria geometria dos grandes conjuntos, essas linhas insensíveis à vagabundagem lúdica.

Em vez de torres, imaginar eco-bairros, adaptados à qualidade ambiental e existencial, zelosas pelas pessoas, lugares e urbanismo

O urbanista chinês Zhuo Jian, que enumerou 7 mil imóveis de grande altura em Xangai (duas dezenas ultrapassam os 200 metros), constatou que o solo afunda muitos centímetros a cada ano [4]. Os especialistas explicam que uma torre é uma devoradora de energia na sua fabricação (os aços e os vidros, cada vez mais sofisticados, exigem um grande gasto de energia para serem produzidos) e na sua manutenção (ar condicionado, iluminação, elevadores etc.), ainda que se tenham em vista novos procedimentos (como a engenhosa torre Hypergreen, de Jacques Ferrier). Eles insistem ainda a respeito da limitada vida útil, cerca de duas décadas, desse produto oneroso e pouco adaptável a usos diversos. Crer que nele seria fácil abrigar uma universidade, uma biblioteca, apartamentos de luxo, um hotel 5 estrelas, com horários e clientes tão diferentes é nada menos que um desafio.

E em Paris? O Front de Seine, os Olympiades, o Quartier Italie, Flandres e a torre Montparnasse (209 metros) não encorajam em nada a construção de outras torres e condenam o urbanismo do concreto. Em 1977, o Conselho de Paris fixou em 37 metros a altura máxima das construções. Em 2003, uma consulta aos parisienses registrou 63% de oposição às construções de grande altura.

No entanto, em junho de 2006, arquitetos localizaram 17 lugares que poderiam abrigar torres de 100 a 150 metros e prédios residenciais de 50 metros (17 andares). A maior parte dos projetos conserva uma monofuncionalidade vertical, não leva em conta os efeitos relativos à insolação do bairro e à aceleração dos ventos, o tratamento dos impactos e o custo energético das construções. Quanto à estética, o debate está apenas começando.

É absurdo ser tolamente a “favor” ou “contra”: existem torres esplêndidas, que honram a paisagem da cidade que ajudam a embelezar (quem pode ficar insensível à beleza de algumas cidades “verticais”, como Nova York ou Chicago?). No entanto, é uma aberração construir uma torre solitária sem se preocupar com o urbanismo — ou seja, com a ocupação do solo, a rua, os transportes coletivos, as relações de escalas frente às demais das construções, o jogo de proporções entre as fachadas, as praças, os jardins.

Se, em vez de construir torres associadas a um modo de vida opressor, alguns daqueles que concebem a cidade concentrassem sua inteligência para imaginar eco-bairros, não apenas conformes às atuais normas de qualidade ambiental, mas também às de alta qualidade existencial, zelando pelas pessoas, pelos lugares e pelas "coisas da cidade" (por exemplo, uma iluminação suave e tranqüilizadora), então a urbanidade seria menos seletiva e a alteridade menos discriminadora.

A torre não permite o encontro. De resto, nem a literatura, nem o cinema fizeram dela um lugar mágico. Ao contrário, ela alimenta cenários catastróficos. Desconfiemos das modas, por natureza passageiras. Mais vale a diversidade das paisagens urbanas, das formas contrastantes, dos materiais e das cores de paletas variadas!



[1] Na França, a moradia social (logement social) é uma habitação subsidiada pelo Estado ou por outras instituições e destinada à popuplação de baixa renda, que teria dificuldade em pagar os aluguéis praticados no mercado.

[2] Sophie Body-Gendrot, La société américaine après le 11 septembre [A sociedade norte-americana após o 11 de setembro], Paris, Presses de Sciences-Po, 2002.

[3] “La tyrannie du gratte-ciel” [“A tirania do arranha-céu”], conferência de 1930, em L’avenir de l’architecture [O futuro da arquitetura], Paris, Editions du Linteau, 2003.

[4] Urbanisme [Urbanismo] n° 354, maio-junho de 2007.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Capitalismo e Uniformização
» Metrópoles e Segregação
» Urbanização

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos