Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Anatomia e imagens do grande protesto global

» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


OUTROS CINEMAS

Mein Führer, ousadia e frustração

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Lento e forçadamente debochado, o filme mais recente de Dani Levy pretende debater a relação entre Hitler e o poder. Mas, ao criar a imagem de um ditador pobre-coitado, converte-se em obra estéril, que não dialoga nem com a História, nem com a atualidade.

Bruno Carmelo - (26/03/2008)

Elaborar uma comédia sobre um dos ditadores mais odiados da história é um projeto, no mínimo, arriscado. Não que Hitler nunca tenha feito rir anteriormente: Mel Brooks já havia realizado, em 1968, The Producers, no qual uma peça de teatro exaltando a glória nazista obtinha sucesso inesperado.

Mas nesse filme, Hitler nunca era um personagem de verdade, apenas uma figura da peça dentro do filme; e feito com intuito claro de que a montagem fosse um fracasso (para que, após a falência, o dinheiro do seguro fosse para os produtores). Neste caso, a grande surpresa era justamente o fato do público gostar do ditador.

Mein Führer toma uma posição muito mais ousada. Hitler é protagonista, numa espécie de biografia na época final da Segunda Guerra. Se Mel Brooks defendia-se com a estrutura de “ficção dentro da ficção”, o diretor Dani Levy apóia-se nos próprios fatos históricos.

JPEG - 19.5 KB
Um festival de micro-elementos de humor físico e exaltações do patético

O grande conflito do filme consiste em colocar o ditador face a um judeu — no caso, um professor de teatro, obrigado a ajudar Hitler com importante discurso que visa encorajar a Alemanha nazista a resistir à derrota na guerra. Vemos esse professor se contorcendo de raiva, ao ajudar Hitler a melhor pronunciar frases como “vamos nos livrar desses judeus imundos”.

Um dos fatores mais controversos do filme é a caracterização de Hitler como um homem triste, deprimido. Ele é manipulado pelo malvado ministro Goebbels, mas sua grande intenção é unicamente a de ajudar o povo. “Eu nem odeio tanto os judeus”, ele diz, para em seguida lembrar que teria um bisavô judeu.

Um Hitler bonzinho? Mesmo o professor passa a ter piedade pelo pobre sujeito, e por conseqüência o espectador também é incitado a ver no ditador alguém que é manipulado pela própria propaganda e poder. Enfim, uma irônica vítima do nazismo. Entretanto, estamos longe do processo de “humanização” proposto por outros filmes nos quais o ditador era mostrado do modo mais objetivo possível. Aqui, ele chega a ser defendido como homem ignorante e fraco, e por isso mesmo sem responsabilidade por seus atos. Mais questionável ainda do que defender as idéias nazistas é retirar a culpa do “führer” e assim apagar uma importante página da História.

Numa obra em que Hitler é um pobre-coitado, e na qual genocídio e campos de concentração são secundários, parece irônico alimentar-se de pretensões documentais ou analíticas

O papel da comédia na narrativa é mínimo e, por esse motivo, a cada vez que um elemento cômico aparece, ele faz de tudo para chamar atenção para si mesmo. O resultado é um festival de micro-elementos de humor físico e exaltações do patético: vemos Hitler de pijama, seu cachorro que o utiliza como poste, sem falar nas inúmeras crises de choro (um rápido psicanalismo do estilo “meu pai me batia quando eu era pequeno” visa a justificar as atitudes do ditador) e nos ataques à masculinidade, em decorrência dos problemas de ereção de Hitler.

Exceto essas inserções ocasionais de simples deboche, Mein Führer tem um ritmo surpreendentemente lento para uma comédia. Situado entre as inevitáveis cenas de drama correspondentes à amizade entre Hitler e o professor judeu e a comédia que nunca se desenvolve nas ações (e sim nos elementos cômicos propositadamente inseridos dentro delas), o filme não comove nem faz rir. Para uma proposta inusitada que funciona como maior publicidade ao filme, o diretor quis se precaver e fez uma obra pequena, modesta, ainda que um pouco mais pretensiosa no final.

Nos últimos momentos, uma voz off de um personagem (ou do diretor?) vem nos lembrar didaticamente que “fazemos filmes para tentar entender o que ainda não compreendemos”. Numa obra sobre a Segunda Guerra Mundial em que Hitler é um pobre-coitado, e na qual as idéias de limpeza étnica, genocídio e campos de concentração são secundárias, parece irônico alimentar-se de pretensões documentais ou analíticas.

Na época do lançamento de Mein Führer na Alemanha, o diretor se defendeu das críticas pelo fato de ser judeu. Talvez por isso mesmo seja ainda mais decepcionante ver essa obra em que se fala da história sem refletir sobre ela, em que se utiliza de uma figura histórica sem qualquer questionamento ético e moral.

Não se pode abordar um tema tão importante sem ter responsabilidades pelo retrato, e é capaz que o resultado do filme fosse mais interessante se o diretor realmente fizesse uma obra extrema, defendendo visceralmente um ponto de vista. Neste caso, quando isenta de responsabilidades tanto Hitler quanto a si próprio, ele cria uma obra estéril, que não dialoga nem com a História, nem com a atualidade.

Mein Führer (Mein Führer - Die wirklich wahrste Wahrheit über Adolf Hitler)
Filme alemão de Dani Levy.
Com Helge Schneider, Ulrich Mühe, Sylvester Groth.
Ano de produção: 2006.
Duração: 1h35.

Veja mais:

fotos
trailers

Mais:

Bruno Carmelo assina a coluna Outros Cinemas. Também mantém o blog Nuvem Preta, onde resenha e comenta outros filmes. Edições anteriores da coluna:

Greenaway dialoga com Rembrandt
Em seu mais novo filme, diretor inglês debate as artes plásticas. Mas a abordagem — inovadora, ousada, livre de referências banais — perde-se, em parte, na tentativa de criar suspense policial e apontar, em Ronda Noturna, a imagem de um assassinato

Filme debate o estado do mundo
Seis diretores aceitam desafio de organização portuguesa e produzem obra coletiva sobre o tempo em que vivemos. Contribuições enxergam crise e necessidade de mudanças, mas o fazem por meio de poesia e metáforas — exceto no caso do curta brasileiro de Vicente Ferraz...

Hou Hsiao Hsien celebra a criação
Em Le Voyage du Ballon Rouge, novo filme do diretor chinês, os artistas são trabalhadores comuns, que andam pelas ruas, fazem compras, pagam aluguel. Mas uma série de surpresas estéticas sugere quanto é singular o seu ofício: propor outras formas, ousadas e inventivas, de enxergar o mundo e a vida

A morte é para toda a vida
Coluna revê El espíruto de la colmena (1973), primeiro filme de Victor Erice. Muito mais que homenagem ao cinema, ou debate sobre influência da TV, obra investiga o amadurecimento, em especial o trauma provocado pela noção de que teremos fim

Alexandra, o elemento perturbador
Em seu novo filme, Alexandre Sokurov introduz uma avó num acampamento de soldados russos na Tchetchenia. Por meio de um jogo de opostos, ele passeará por temas como as relações familiares, os desejos incestuosos, os conflitos entre Rússia e vizinhos e, em especial, a banalidade da guerra

Como se não fosse ficção
Abdellatif Kechiche dá ares de documentário a La Graine et le Moulet, seu novo filme — talvez para fundir prosa e poesia e criar obra sutil em que afirma, sem descambar para o panfleto, a igualdade entre franceses e marroquinos, cristãos e muçulmanos

XXY aborda um tabu
Diretora argentina encara o desafio de tratar do hermafroditismo, um tema quase ausente do cinema. Mas falta uma pitada de ousadia: opção por narrativa lateral, baseada sempre em metáforas e alusões, produz clima opressivo, que contrasta com humanismo da proposta

Garage: o mito do homem bom
Filme irlandês premiado em Cannes traça, delicado e flertando com o humor negro, o retrato de um ser solitário, que não tem idéias próprias nem opiniões divergentes. Alguém tão puro que não encontrou seu lugar na sociedade

California Dreamin’ e os absurdos do poder
Premiado em Cannes, filme de Cristian Nemescu serve-se da comédia e do absurdo para revelar impasses da autoridade, impotência oculta do militarismo e limites de certas resistências. Mesmo inconclusa, por morte do diretor, obra revela ascensão do novo cinema romeno

Suspiria, arte e sentidos
Avesso às fórmulas e clichês dos filmes de terror, o italiano Dario Argento produz obras marcadas por cenários, tons e música incomuns; tempo e espaço não-lineares; debates psicanalíticos. Texto inaugura nova coluna do Diplô, agora sobre cinema e diversidade



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cinema
» Cultura
» História
» Outros Cinemas


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos