'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Sarkozy-Bonaparte
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Les journalistes américains en accusation

» Israël et la tentation chrétienne

» Du « grand tour » à Sciences Po, le voyage des élites

» Pouvoirs du roman

» Guérilla contre l'avortement aux Etats-Unis

» Au-delà de la fraude électorale, le Pérou profond

» Privés de vie privée

» Tous les chemins mènent au Maghreb

» Ni dieu, ni maître, ni impôts

» La France se penche sur sa guerre d'Algérie


Edição em inglês


» Fake news: A false epidemic?

» The financiers who backed Brexit

» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


FRANÇA

Sarkozy-Bonaparte

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O conceito de bonapartismo por certo não se aplica ao atual regime político francês. Mas as semelhanças entre o novo presidente e o imperador Napoleão III vão além do gosto pelo falso brilhante, dos conchavos com amigos ricos e do liberalismo de tipo anglo-saxão. Uma composição social muito peculiar conferiu a ambos o poder

Alain Garrigou - (24/03/2008)

Mais vale questionar a natureza de uma força política antes das eleições. Mas a maioria dos comentaristas esperou até os dias seguintes ao pleito presidencial de maio de 2007 para tratar do “sarkozismo”. A imprensa estrangeira acreditou ver nele um novo Napoleão e até lembrou o célebre quadro em que o general aparece na ponte de Arcole [1]. Alguns, porém, se atreveram a sugerir uma comparação menos lisonjeira: “É Bonaparte, por certo, só que aquele de menor estatura. Com seu gosto pelo falso brilhante, os conchavos com amigos ricos e o liberalismo de tipo anglo-saxão, Nicolas Sarkozy se parece mais com Napoleão III do que com Napoleão I” [2].

A referência ao general republicano que se tornou primeiro-cônsul e, mais tarde, o imperador Napoleão I (1769-1821) é positiva: sugere o dinamismo de Sarkozy, aprova sua empreitada de restauração da ordem e seu modernismo conservador. Já quando se refere ao sobrinho, Luis Bonaparte (1808-1873), um presidente da Segunda República que se tornou o imperador Napoleão III, a menção é mais incerta. Ela não se revela necessariamente errada quando o personagem em questão se assemelha a um homem que demonstra atenção às classes populares, defende o livre comércio e garante a ordem contra o perigo revolucionário. Aliás, o rumor de um retorno das cinzas de Napoleão III, morto no exílio, sugere uma simpatia mais ou menos discreta do atual poder por essa figura. Mas, a referência diz respeito, acima de tudo, ao desastre, cuja marca foi deixada na memória francesa pelo fomentador do golpe de Estado de 1851 e que se transformaria no derrotado da Batalha de Sedan em 1870 [3]. É Napoleão III que permite associar o novo poder a um “bonapartismo”, que, como regime político, só nasceu com o advento do Segundo Império (1852-1870).

Em outros tempos, os adversários de Sarkozy teriam apelado para os valores republicanos contra a revolução conservadora e as posições autoritárias propagadas pelo candidato. Durante a campanha eleitoral, eles se refeririam, então, à memória do dia 2 de dezembro de 1851, quando Luis Bonaparte tomou o poder definitivamente. Eleito presidente pelo sufrágio universal em 10 de dezembro de 1848, com 74% dos votos válidos, o sobrinho do general não tinha direito a novo mandato. Após três anos de governo, porém, organizou um plebiscito para legitimar sua permanência indefinida no cargo. Venceu com 7,4 milhões de votos contra apenas 650 mil. O processo foi justificado com uma tirada célebre e imprudente do poeta e político Alphonse de Lamartine (1790-1869): “Se o povo estiver cometendo um erro; se desistir de sua soberania; se quiser abrir mão de sua segurança, dignidade e liberdade, deixando-as entre as mãos de uma reminiscência de império; se nos desaprovar e desaprovar a si mesmo, então, tanto pior para o povo!”. Para os republicanos, a ação de Luis Bonaparte foi a prova absoluta da perversidade da eleição para a Presidência da República por sufrágio universal. No poder por vinte anos, Bonaparte conferiu seu nome a um regime autoritário, apoiado sobre o uso da força e ratificado pelo povo [4].

Diferentemente de seu criador, o bonapartismo, como categoria política, sobreviveu ao desastre da Batalha de Sedan. Mas os herdeiros da esquerda não o evocaram por ocasião das eleições. A adesão ao presidencialismo, a amnésia dos cidadãos e a falta de cultura histórica dos socialistas atenuaram as alegações em torno desse tema. E, de fato, não houve golpe de Estado em maio de 2007, quando um dos candidatos venceu nos termos de uma eleição regular. O que houve foi um programa de revolução conservadora, anunciado e prestes a ser aplicado conforme as regras dos regimes representativos. A fórmula de modernização política por meio da aliança entre o liberalismo econômico e o autoritarismo tornou-se tão banal que o bonapartismo parece ter-se dissolvido na história.

Porém, muito além das aproximações superficiais de estilos, existem semelhanças reais que aproximam a “Sociedade de 10 de dezembro”, sustentáculo de Luis Bonaparte, e o eleitorado de Sarkozy. Algumas correlações estatísticas desmentem toda a complexidade da ciência política: quanto mais ricos e idosos, mais os eleitores votaram a favor de Sarkozy. Contudo, uma oligarquia não é o bastante para consagrar o sufrágio universal. Por isso, tanto ontem como hoje, faz-se necessário encontrar apoiadores que conformem uma maioria. Luis Bonaparte conquistou essa legitimação na classe camponesa, angustiada pela crise social da Segunda República (1848-1851). Essas massas eleitorais encontram equivalentes contemporâneos nas categorias populares e nos idosos. Antes de Sarkozy, sentindo-se ameaçadas pelo rebaixamento social, elas converteram sua revolta em um apelo à autoridade, sob a forma do voto na Frente Nacional, de extrema-direita. De fato, o desmantelamento das solidariedades sociais acentua a propensão à entrega nas mãos de um chefe carismático e generoso, que distribui certezas tranqüilizadoras sobre o futuro, por mais medíocres que sejam.

Sempre presente, a ameaça subversiva do comunismo também foi substituída, e com honras, pelas periferias. Contra o fantasma vermelho, o escritor Auguste Romieu conclamou a França a empunhar o sabre e a perpetrar um massacre em 1851. Contra os recentes conflitos urbanos de Villiers-le-Bels, quando grupos de jovens incendiaram carros em oposição ao assassinato de dois adolescentes, um internauta comentou: “É preciso enviar o exército”. É inegável que há um eco sempre recorrente do partido da ordem, mesmo que as forças armadas não cumpram mais tarefas como essas.

Na mídia voltada para o mundo dos socialites, o atual espetáculo oferecido pelo presidente em nada se parece com a festa imperial, que organizava solenemente os casamentos e os batismos dinásticos. Mas Sarkozy tampouco é inocente em sua busca pela simpatia popular. Contudo, a saga do Elysée inspira-se mais nas séries televisivas, tentando conciliar o narcisismo do príncipe com a adulação dos curiosos. Ela caracteriza uma nova inflexão das formas da dominação: de comum acordo com o seu expoente político, uma oligarquia está pondo fim a mais de um século de uma discrição burguesa que havia rejeitado os faustos de falso brilhante da corte imperial, substituído os uniformes agaloados por ternos cinza, e as crinolinas e os decotes por um comportado vestuário feminino. Ao menos nesse aspecto, a cultura narcisista tem a aparência de um retorno ao antigo regime.



[1] Respectivamente, Stern, Hamburgo, 10 de maio de 2007, e The Economist, Londres, 14 de abril de 2007. O quadro citado retrata Bonaparte (o futuro imperador Napoleão I) durante batalha vitoriosa travada contra os austríacos em 1796.

[2] Courrier International, Paris, 12 de julho de 2007.

[3] A Batalha de Sedan, na qual foram derrotadas as forças de Luis Bonaparte, marcou o fim da guerra franco-prussiana.

[4] Karl Marx, O 18 Brumário de Luis Bonaparte, São Paulo, Paz e Terra, 1997.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos