Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para pensar a Amazônia após o pesadelo

» EUA: Os campos de detenção da Era Trump

» Parasita: o cheiro ao redor

» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

Rede Social


Edição francesa


» Wikipédia ou la fin de l'expertise ?

» En Espagne, bataille pour la mémoire républicaine

» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


LITERATURA

Personagens de todos nós

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Por que a enorme riqueza cultural do Brasil não fez de nós, até hoje, um país de leitores? Retratos da noite memorável em que Chico Buarque, Caetano Veloso, Mia Couto e outros celebraram a obra de Jorge Amado, inspirando a busca de respostas para uma questão que permanece em aberto

Carolina Gutierrez, Marília Arantes - (31/03/2008)

Na platéia, estavam todos. Donas Flores, Vadinhos, Doutores Teodoros, Perpétuas, Tietas, Gabrielas, Teresas, Adalgisas, Cearenses, Gumas, Natários, Pedros Bala, Quincas. O público transmutava-se, sem saber, nos personagens daquele baiano Jorge – Jorge Amado.

No palco, uma máquina de escrever, disposta de frente para o público-personagens — como que dizendo escrevam-me, escrevam-se, leiam-me, leiam-se — espelhava, justamente pela sua postura dialógica, a obra de Amado: as pessoas, o povo brasileiro.

O evento realizado pelo Sesc Pinheiros, no último dia 25 de março, foi um mote para reviver os personagens de Jorge, relançados, agora, pela editora Companhia das Letras. O lotado teatro Paulo Autran aguardava dois homens que nem Dona Flor agüentaria: Chico Buarque e o arretado Caetano Veloso. Acompanhados de Mia Couto, Alberto Costa e Silva, Milton Hatoun e outros, todos deram suas interpretações da obra de Jorge.

Depois de Caetano quase sentar no colo de Danilo Miranda, diretor do Sesc, na tentativa desastrada de uma entrada discreta, subiram ao palco Miranda, Luiz Schwarcz – editor da Cia das Letras – e Paloma Amado, filha do escritor. Em seus dizeres, Paloma dividiu com o público, o que para ela é o grande ensinamento de seu pai : “O sonho é o bem mais precioso e ninguém pode tomar”. E citou, por iniciativa própria, a parte final do livro Comandante Vasco Moscoso de Aragão, Capitão de Longo Curso.

Para Costa e Silva, Amado se fez tão brasileiro, que sua obra adquiriu a força de um imperialismo cultural e urbano. Levou todo povo brasileiro a ter um quê de baiano

O ator baiano Luis Miranda personificou os diversos malandros amadianos e comandou o espetáculo, uma mescla de leituras e dramatizações.

Saiu o malandro e uma luz azul tomou conta da penumbra do palco. Uma baiana, interpretada por Edna Aguiar, surgiu benzendo o palco com o canto de Iemanjá. Com a máquina de escrever, símbolo de toda uma obra, benzida por flores, as (re)leituras iniciaram-se. Odoyá!

Com o povo aprendi tudo quanto sei, dele me alimentei e, se meus são os defeitos da obra realizada, do povo são as qualidades porventura nela existentes. Porque, se uma virtude possui, foi a de me acercar do povo, de misturar-me com ele, viver sua vida, integrar-me em sua realidade. (AMADO, 1981: 12) [1]

Para o historiador Alberto Costa e Silva — o primeiro a ocupar a mesa de leitura — Amado materializou parte de si próprio e do mundo a sua volta em sua obra e personagens. O escritor era um grande observador e pôde, por isso, criar seus personagens de dentro para fora; afinal, os romances imitam a vida. “Jorge Amado foi testemunha de uma Bahia em transformação dos anos 30, 40, 50, 60. Assim, sua obra contém o ontem o hoje e o amanhã, de uma Bahia eternizada, restabelecida”, destacou Costa e Silva. Segundo ele, o autor se fez tão brasileiro, que sua obra adquiriu a força de um imperialismo cultural e urbano. Levou todo povo brasileiro a ter um quê de baiano.

Vadinho surgiu na pele do ator Marat Descartes. Ou seria o contrário? Provocador, malandro e inebriante, Vadinho-Descartes agarra-se às curvas de Dona Flor, entre gaiatas risadas. Chico leu justamente um trecho de Dona Flor e seus dois maridos. Entre risadas e olhares de quem acha graça, Chico, como que para compensar sua timidez, deu voz ao finado Vadinho — que volta dos mortos — numa passagem cravejada de Exuns, Iansãs, Oxóssis, Oxuns, sensualidade, embriaguez. E gritou: Saravá!

Mia Couto revela: "Falávamos uma língua que não nos falava. O português do Brasil revela outro lado da língua natal. O brasileiro de Jorge Amado nos devolvia a fala"

Caetano, mais aparecido que Chico, fez de tudo — cantou, leu e interpretou. Cantou É Doce Morrer no Mar, canção que Jorge Amado compôs com Dorival Caymmi, e Milagres do Povo. E leu dramaticamente um trecho de Mar Morto.

Fora as presenças ilustres, em pessoas ou imagens, a parte mais intensa do encontro veio à tona com a participação “transgressora” do escritor moçambicano Mia Couto. Ele preferiu pronunciar a importância de Amado aos africanos, em vez de simplesmente ler parte de um texto.

“Jorge Amado destacava o osso e a pedra da realidade brasileira”. Para Couto, Jorge Amado é uma literatura do povo — a poesia do trabalhador, do comum. E é, justamente, pela a simplicidade e naturalidade da obra e dos personagens-tipos de Amado que nasceu o fascínio africano por sua obra.

“A qualidade literária, a espontaneidade de suas histórias e personagens, tão reais como se os tivesse de encontro numa conversa, à sombra de uma varanda. Seus personagens transitavam por Maputo, por Luanda. Os vizinhos da vida passeavam pelas páginas de Amado: nossos malandros, nossas comidas, a sensualidade de nossas mulheres, víamos nós mesmos em Jorge Amado”, declarou Couto.

Para o moçambicano, Jorge Amado não escrevia livros, escrevia um país. “Foi assim que o Brasil chegou à África. É um Brasil que regressava à África. Precisávamos deste Brasil como alimento, num momento histórico que nos enriquecia com uma imagem que faltava, mesmo que caricata".

Quem devolve a fala, devolve também a leitura. A linguagem simples e a narrativa fluida podem atrair mais facilmente a leitura. Talvez o adubo Jorge Amado faça crescer a vontade de ler

A fala de Couto faz lembrar o que escreveu Luciano Suassuna, no artigo "O Brasil sem Jorge Amado" [2]: ”como o caixeiro viajante que, a cada passagem vê uma nova cidade, Jorge Amado somava tipos a cada livro, reconstruía o País e sua brasilidade”.

Mia Couto ainda ressaltou a função lingüística da obra amadiana. “Falamos um português sem Portugal. Falávamos uma língua que não nos falava”. O português do Brasil revela um outro lado da língua natal. “O brasileiro de Jorge Amado nos devolvia a fala. Uma outra, mais dançada, com mais jeito de ser nosso”. Com isso, explicou a literatura brasileira enquanto libertária para uma África que sonha em casa, que troca com o Brasil mutuamente identidades históricas. E fechou: “É como sonhar em casa, fazendo do sonho uma (só) casa”. Brasiliafricanidades.

Se Jorge Amado devolve a fala, devolve também a leitura. A linguagem simples e a narrativa fluida podem atrair mais facilmente a leitura. Mas, num país de tanto analfabetismo, essa tem de ser incentivada.

Segundo matéria "Brazil’s disregard for books", do The Economist [3], no Brasil, de cada três adultos alfabetizados, somente um lê livros. Os brasileiros médios lêem 1,98 livro não-acadêmicos ao ano – metade do índice europeu e norte-americano. Uma pesquisa recente de hábitos de leitura revelou que o Brasil se encontra na 27ª posição, entre 30 países. O brasileiro gasta em média, apenas, 5,2 horas por semana lendo um livro.

Num terreno infértil como esse, talvez o adubo Jorge Amado, faça crescer a vontade de ler.



[1] AMADO, Jorge. Discurso de Posse na Academia Brasileira de Letras. In: CURRAN, Marck. J. Jorge Amado e a literatura de cordel. Fundação Cultural do Estado da Bahia - Fundação Casa de Rui Barbosa. 1981

[2] SUASSUNA, Luciano. "O Brasil sem Jorge Amado" In:. IstoÉ Gente, 13 de agosto de 2001, p. 8.

[3] Brazil: A nation of non-readers. Mar 16th 2006.

Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos