Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Tecnologia, Ignorância e Violência

» Universidades: a “nova” estratégia do governo

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (2)

» Por uma Reforma Tributária Solidária

» Mudar o mundo sem desprezar o poder

» Seria a Medicina moderna uma ilusão?

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

Rede Social


Edição francesa


» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran

» Les charniers de Franco

» Sabra et Chatila, retour sur un massacre

» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


LITERATURA

A faca sutil: pouca emoção

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Lorde Asriel arregimenta um exército composto por homens que sofreram a intercisão, portanto não têm medo, nem imaginação, nem vontade própria

Dida Bessana - (11/04/2008)

Em A faca sutil, de Philip Pullman, segundo volume da trilogia Fronteiras do universo (Editora Objetiva), a menina Lyra, depois de salvar seu amigo Roger do laboratório no Pólo Norte, coloca ao alcance de Lorde Asriel, sem o saber, a criança de que ele tanto precisa para, extirpando-lhe o dimon (fazendo a intercisão), obter o Pó que lhe permite ingressar em outro universo.

Apenas aqui o leitor descobre que, segundo alguns estudos, ter um dimon poderia ser decorrência da maior ou menor quantidade de Pó que se acumula em torno de crianças e adultos. Se a ligação entre o dimon e a pessoa se romper, ela deixa de ter espírito e se torna um morto-vivo em outro plano, sombrio e desesperador. É para esse mundo que Roger vai – e resgatá-lo é mais uma vez a missão que Lyra impõe a si mesma. Para essa tarefa, contará com um novo aliado, Will, sendo dele a voz narrativa deste volume, o menor da trilogia.

Com apenas doze anos William Parry vive em uma Oxford contemporânea, onde come no Burger King e toma Coca-Cola (o autor já pensava em possíveis patrocinadores e/ou no merchandising?). Criado praticamente sozinho, já que sua mãe adoeceu, desde que o marido desapareceu em uma expedição científica da Marinha britânica, ele é um garoto maduro e responsável. Entretanto, ao defender a mãe de misteriosos homens que a perseguem, buscando informações sobre o marido, John Parry, dado como morto, Will, em legítima defesa, mata um deles e agora é caçado pelas autoridades locais. Obrigado a se esconder, deixa sua mãe com uma vizinha de confiança e vaga pela cidade até encontrar abrigo em um parque. Neste, observa uma gata que, perto de uma estranha planta, atravessa o que parece uma janela quase invisível a olho nu. Ao segui-la, descobre que se trata de uma passagem para outro mundo.

Passagens no tempo e no espaço

Cittàgazze, ou a encruzilhada, onde está guardado todo o mistério sobre o Pó, é, à primeira vista, um paraíso desabitado, mas, na verdade, é assombrado por espectros provenientes da escuridão do espaço, que se alimentam da consciência dos adultos. Nele só estão a salvo as crianças, como Will e Lyra. Decididos a alcançar seus objetivos, dão início a uma jornada que os leva tanto a outros mundos quanto à Oxford de Will, para espanto de Lyra, que mal reconhece sua cidade. Nesse percurso, Will não só obtém informações sobre seu pai, como, após entrar no Templo dos Anjos, torna-se o portador de um relicário, a faca sutil, capaz de cortar todos os materiais existentes no mundo e também abrir passagens para qualquer país, tempo e universo.

Agora também ele manipula habilidosamente um instrumento raro e cobiçado pela Autoridade (Igreja), como descobrimos que a antiga profecia que fala sobre alguém que deve cumprir seu destino sem conhecimento dele refere-se, na verdade, à nova Eva. Se Lyra desconhece esse destino, a Autoridade sabe o que está reservado a ela e tentará de toda maneira evitar que a profecia se cumpra, mesmo que para isso tenha de matá-la.

Simultaneamente, Lorde Asriel descobriu como explodir a barreira existente entre o nosso e os outros mundos e arregimenta um imenso exército, composto até mesmo por homens que sofreram a intercisão, portanto não têm medo, nem imaginação, nem vontade própria. O objetivo de Asriel é reproduzir a revolta dos anjos ocorrida antes da Criação, quando tentaram tomar o poder da Autoridade e, derrotados, foram expulsos do paraíso e condenados ao inferno.

Sem ser bem-sucedido, Lorde Asriel só consegue provocar a morte de muitos, entre eles o pai de Will, de cuja companhia o garoto desfruta por não mais do que poucos minutos. Se Lyra precisa chegar ao mundo dos mortos para encontrar Roger, agora essa também é a grande ambição de Will.

Ao fim do segundo volume da trilogia, pouca emoção e alguns personagens interessantes, como os avantesmas e os galivespianos.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos