Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


CULTURA PERIFÉRICA

Retratos da São Paulo indígena

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Em torno de 1.500 guaranis, reunidos em quatro aldeias, habitam a maior cidade do país. A grande maioria dos que defendem os povos indígenas, na metrópole, jamais teve contato com eles. Estão na perferia, que vêem como lugar sagrado.

Eleilson Leite - (20/04/2008)

Ao tratar da questão indígena, a gente comete muitos erros — por desconhecimento, preconceito e muitas vezes os dois juntos, um resultado do outro. A começar pela forma de se referir a essas populações tradicionais, chamando-as genericamente de índios. Existem povos e nações indígenas. É comum pensarmos também que os indígenas estão desaparecendo, integrando-se à sociedade branca e abandonando sua cultura de forma irreversível. Não é bem assim. No Brasil existe uma população 734 mil indígenas, segundo o IBGE, em levantamento de 2000. No censo de 1991, eram 294 mil. Evidentemente, que não houve o boom de natalidade. É que muitas pessoas, antes não identificadas como indígenas, passaram a assim se declarar. Há um certo orgulho indígena. Colaborou para isso, a adesão do Brasil à Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Convertida em lei ordinária pelo presidente Lula em 2004, essa convenção estabelece a auto-declaração como critério fundamental pra reconhecimento de comunidade indígena, dispensando os laudos de identificação étnica.

O Instituto Socioambiental, que monitora, há cerca 30 anos, os povos indígenas no Brasil, identifica 225 povos, que reúnem cerca de 600 mil pessoas, ocupando uma área de 1,08 milhão de km2, pouco mais de quatro vezes a área do Estado de São Paulo. E tem muitas comunidades indígenas nas grandes cidades. Você sabia que em São Paulo tem quatro aldeias indígenas que juntas, somam 1.500 pessoas? E há mais um contingente ainda não calculado de indígenas não-aldeados na capital e nos demais municípios da região metropolitana.

Falar de povos indígenas para quem está na grande metrópole parece sempre algo distante de nossa realidade. Mas eles estão aqui, junto da gente. Muitas vezes os defendemos e não os conhecemos. E na cidade de São Paulo, os indígenas ficam na periferia. E nas bordas da cidade é onde devem ficar mesmo. Onde há ainda mata nativa, vento fresco, ar puro. Para os Guarani, os locais escolhidos para as aldeias, apresentam características especiais reveladas por Nhanderu, o criador: recursos da flora, fauna, formações rochosas, ruínas. Esses locais possibilitam o acesso à Yvy Maraẽ’ỹ a terra sem mal (cf. Ladeira, 2000, citado por Grupione, 2007) Olha só! A periferia paulistana vista pela concepção religiosa guarani adquire ares de lugar sagrado.

Recebi do antropólogo Luiz Donizete Benzi Grupione, secretário executivo do Instituto de Pesquisa e Formação em Educação Indígena (Iepé), um estudo de sua autoria, que descreve um quadro muito abrangente e criterioso da situação dos indígenas paulistanos. Segundo Grupione, as quatro aldeias aqui existentes são do povo Guarani. Presentes também em outros países da América do Sul, os Guarani somam, no Brasil, 35 mil pessoas, que se dividem em três sub-grupos: Guarani Kaiowa, Guarani Nhadéva e Guarani Mbya. As aldeias paulistanas são todas deste último sub-grupo, e representam cerca 25% do total de Guarani Mbya do país. Duas delas ficam no Jaraguá (Zona Oeste): Tekoa Pyau e Tekoa Ytu. Em Parelheiros (Zona Sul, divisa com São Bernardo do Campo) ficam as aldeias Krukutu e Tenonde Porá.

Em cada aldeia, um CECI. Professores indígenas ensinam em guarani. A arquitetura baseia-se em suas visões de mundo. Um bom coral já gravou dois CDs

De acordo com o mesmo estudo, as aldeias foram criadas nas décadas de 1960, sendo reconhecidas nos anos 80, exceto a aldeia Tekoa Pyau, no Jaraguá, cuja população de 320 pessoas está em luta por sua regularização. Há uma série de iniciativas do Estado e da Prefeitura junto às comunidades, sobretudo na última década. Por exemplo, a construção de casas de alvenaria por parte do CDHU – Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano na aldeia Tenonde Porá. Há também unidades de saúde, programas sociais de transferência de renda, escolas estaduais que cobrem o ensino fundamental, além dos Centros de Educação e Cultura Indígena (CECIs), criados em 2004, na gestão da então prefeita Marta Suplicy.

Em cada aldeia, há um CECI. Eles oferecem educação infantil com ensino monolíngüe em guarani, com professores indígenas. Em suas instalações, cuja arquitetura foi desenvolvida levando em conta suas concepções, as comunidades realizam diversas atividades culturais, reuniões, encontros, recebem escolas e demais grupos interessados, comercializam artesanato e outros produtos. A comunidade Tenonde Porã tem um coral muito destacado, que já gravou dois CDs, sendo que o segundo reuniu grupos vocais das outras três aldeias, além de comunidades do litoral paulista e do Rio de Janeiro.

Há portanto uma organização social indígena muito bem articulada na periferia paulistana. E nem mesmo os artistas periféricos conhecem bem essa realidade. Talvez a maioria saiba que existe, mas definitivamente a vida indígena na metrópole não lhes serve de inspiração. Ano passado, quando fui escrever nesta mesma coluna sobre a cultura negra e sua influência na periferia, cerquei-me de farta literatura. Eventos, havia aos montes. Ao pautar a cultura indígena porém, vi-me num deserto. Examinei quase trinta publicações de literatura periférica entre livros (poesia, conto, dramaturgia e romance), cadernos literários, revistas, fanzines. Encontrei apenas um poema. Ainda sim é uma poesia de protesto, que trata dos garotos de classe média de Brasília que atearam fogo num indígena que dormia no ponto de ônibus, caso famoso que comoveu o País anos atrás.

O poema, chamado Mendígenas é do grande poeta Binho e está em seu livro Dois Poetas e Um Caminho, escrito em parceria com Serginho Poeta, publicado no ano passado pela Edições Toró. Não por acaso, o fundador do famoso sarau periférico que leva seu nome é, também, um dos idealizadores do único evento referente à questão indígena, na edição de abril da Agenda Cultural da Periferia. Trata-se do Julgamento Popular de Borba Gato. O bandeirante imortalizado com uma imponente estátua, que virou ponto turístico de Santo Amaro há décadas, será questionado por seus crimes contra índios e negros, sendo condenado em praça pública, aos pés do monumento a ele erguido na avenida Adolfo Pinheiro. O ato, organizado pelo Coletivo Epidemia e mais uma dezena de outros grupos, terá pintura, dança, sarau e muito protesto criativo, irreverente e contundente.

Artistas periféricos e coletivos de classe média protetam, aos pés da estátua, pelos indígenas. Estes festejam em suas aldeias e vendem arte num shopping. Loucura?

É curioso porém, o fato de não haver nenhum grupo indígena na organização do protesto. Por outro lado, as aldeias de São Paulo estarão em grande agitação cultural. Nos CECIs, haverá muitas atividades artísticas e também debates, discussões sobre a questão indígena urbana. Há outro evento também, mas na cidade de Osasco que reúne uma bela mostra da cultura dos Pankarare, indígenas migrados que habitam a periferia daquela cidade. O evento terá música, dança, artesanato, uma oca em tamanho natural, além de outros elementos da cultura deste povo. Estará aberto durante este final de semana no Shopping Osasco Plaza. Organizada pelo Programa Osasco Solidário, a atividade visa aprimorar e difundir o empreendimento dos Pankarare na lógica da Economia Solidária.

Não é louco isso? Os artistas da periferia, articulados com coletivos de classe média universitários, fazendo protesto aos pés do Borba Gato, a fim de condenar o algoz dos índios pelos crimes de genocídio cometidos e esquecidos pela história oficial. Enquanto isso, os indígenas, principais interessados neste julgamento, estão lá em suas aldeias, festejando, ou num shopping, vendendo seus produtos. Em ambos os casos, com apoio direto do poder público, freqüentemente acusado de omissão. A realidade realmente é mais complexa do que aquilo que nossa vã filosofia pode supor. Todo mundo está certo nessa história. O protesto é sem dúvida oportuno, e espero que atraia muita gente. E os indígenas têm mais é que fazer seus eventos de afirmação e comercialização.

É preciso ampliar o diálogo, estabelecer conexões e alianças, conhecer e se envolver com a cultura indígena, especialmente dos que habitam conosco o espaço urbano. Assim, conseguiremos “repensar a história do nosso povo”, como diz a convocatória do julgamento popular. Neste Dia do Índio, vamos a Santo Amaro condenar o Borba Gato, sim, mas vamos também às aldeias em Parelheiros e no Jaraguá, conhecer o lugar sagrado dos Guarani. Em Osasco, vamos prestigiar a cultura do povo Pankarare. Nunca foi tão interessante ir a um shopping center. Se não for a nenhum desses lugares, vá à livraria mais próxima. Procure na seção infanto-juvenil, os livros do Daniel Munduruku. Este autor indígena tem vários livros publicados por grandes editoras. Só pela Global, são oito obras. Uma delas tem título extremamente sedutor e é uma excelente pedida: A primeira estrela que vejo é a estrela do meu desejo.

Que Nhanderu proteja todos nós.

Serviço:

Julgamento Popular do Borba Gato
Dia 19 de abril, a partir das 11h
Av. Adolfo Pinheiro, em frente à estátua do Borba Gato
Informações: julgamentopopular@hotmail.com
www.acaoeducativa.org.br/age...

Mais:

Eleilson Leite é colunista do Caderno Brasil de Le Monde Diplomatique. Edições anteriores da coluna:

Cultura, consciência e transformação
A cada dia fica mais claro que a produção simbólica articula comunidades, produz movimento, desperta rebeldias e inventa futuros. Mas a relação entre cultura e transformação social é muito mais profunda que a vã filosofia dos que se apressam a "politizar as rodas de samba"...

É tudo nosso!
Quase ausente em É tudo Verdade, audiovisual produzido nas periferias brasileiras reúne obras densas, criativas e inovadoras. Festival alternativo exibe, em São Paulo, parte destes filmes e vídeos, que já começam a ser recolhidos num acervo específico

Arte de rua, democracia e protesto
São Paulo saúda, a partir de 27/3, o grafite. Surgido nos anos 70, e adotado pela periferia no rastro do movimento hip-hop, ele tornou-se parte da paisagem e da vida cultural da cidade. As celebrações terão colorido, humor e barulho: contra a prefeitura, que resolveu reprimir os grafiteiros

As festas deles e as nossas
Num texto preconceituoso, jornal de São Paulo "denuncia" agito na periferia e revela: para parte da elite, papel dos pobres é trabalhar pesado. Duas festas são, no feriado, opção para quem quer celebrar direito de todos ao ócio, à cultura, à criação e aos prazeres da mente e do corpo

Arte independente também se produz
Às margens da represa de Guarapiranga, Varal Cultural é grande mostra de arte da metrópole. Organizado todos os meses, revela rapaziada que é crítica, autogestionária, cooperativista e solidária — mas acredita em seu trabalho e não aceita receber migalhas por ele

Nas quebradas, toca Raul
Um bairro da Zona Sul de São Paulo vive a 1ª Mostra Cultural Arte dos Hippies. Na periferia, a pregação do amor e liberdade faz sentido. É lá que Raul Seixas continua bombando em shows imaginários, animando coros regados a vinho barato nas portas do metrô, evocando memórias e tramando futuros

No mundo da cultura, o centro está em toda parte
Estamos dispostos a discutir a cultura dos subúrbios; indagar se ela, além de afirmação política, está produzindo inovações estéticas. Mas não aceitamos fazê-lo a partir de uma visão hierarquizada de cultura: popular-erudita, alta-baixa. Alguns espetáculos em cartaz ajudam a abrir o bom debate

Do tambor ao toca-discos
No momento de maior prestígio dos DJs, evento hip-hop comandado por Erry-G resgata o elo entre as pick-ups, a batida Dub da Jamaica e a percussão africana. Apresentação ressalta importância dos discos de vinil e a luta para manter única fábrica brasileira que os produz

Pirapora, onde pulsa o samba paulista
Aqui, romeiros e sambistas, devotos e profanos lançaram sementes para o carnaval de rua, num fenômeno que entusiasmou Mário de Andrade. Aqui, o samba dos mestres (como Osvaldinho da Cuíca) vibra, e animará quatro dias de folia. Aqui, a 45 minutos do centro da metrópole

São Paulo, 454: a periferia toma conta
Em vez de voltar ao Mercadão, conheça este ano, na festa da cidade, Espaço Maloca, Biblioteca Suburbano Convicto, Buteco do Timaia. Delicie-se no Panelafro, Saboeiro, Bar do Binho. Ignorada pela mídia, a parte de Sampa onde estão 63% dos habitantes é um mundo cultural rico, diverso e vibrante

2007: a profecia se fez como previsto
Há uma década, os Racionais lançavam Sobrevivendo no Inferno, seu CD-Manifesto. O rap vale mais que uma metralhadora. Os quatro pretos periféricos demarcaram um território, mostrando que as quebradas são capazes de inverter o jogo, e o ácido da poesia pode corroer o sistema

No meio de uma gente tão modesta
Milhares de pessoas reúnem-se todas as semanas nas quebradas, em torno das rodas de samba. Filho da dor, mas pai do prazer, o ritmo é o manto simbólico que anima as comunidades a valorizar o que são, multiplica pertencimentos e sugere ser livre como uma pipa nos céus da perifa

A dor e a delícia de ser negro
Dia da Consciência Negra desencadeia, em São Paulo, semana completa de manifestações artísticas. Nosso roteiro destaca parte da programação, que se repete em muitas outras cidades e volta a realçar emergência, diversidade e brilho da cultura periférica

Onde mora a poesia
Invariavelmente realizados em botecos, os saraus da periferia são despojados de requintes. Mas são muito rigorosos quanto aos rituais de pertencimento e ao acolhimento. Enganam-se aqueles que vêem esses encontros como algo furtivo e desprovido de rigores

O biscoito fino das quebradas
Semana de Arte Moderna da Periferia começa dia 4/11, em São Paulo. Programa desmente estereótipos que reduzem favela a violência, e revela produção cultural refinada, não-panfletária, capaz questionar a injustiça com a arma aguda da criação

A arte que liberta não pode vir da mão que escraviza
Vem aí Semana de Arte Moderna da Periferia. Iniciativa recupera radicalidade de 1922 e da Tropicália, mas afirma, além disso, Brasil que já não se espelha nas elites, nem aceita ser subalterno a elas. Diplô abre coluna quinzenal sobre cultura periférica



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Direito à Diversidade Cultural e à Transculturalidade
» Movimentos Indígenas
» Povos Indígenas
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos