Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


SOCIEDADE EM REDE

Sobre conversas e revoluções

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Longe das baboseiras impostas como grandes verdades, estamos rompendo paradigmas, modificando a economia e o trabalho, mostrando que, fora do capitalismo selvagem, existe inteligência. Tem gente que acha isso utopia. A nossa utopia! Eu creio, tu crês ser realidade... só por prazer

Dalton Martins, Hernani Dimantas - (25/04/2008)

Após a publicação do nosso último artigo, tive uma conversa com o nosso editor Antonio Martins. Ele me chamou a atenção para um hermetismo exagerado ao falar sobre as redes. Pensei muito nisso. No motivo que nos faz complicar, ao invés de simplificar. Entendo que, por um lado, preciso desse discurso epistemológico, argumentos que operam na validação científica. Por outro, ninguém aguenta isso. Creio que o melhor da nossa criatividade se faz no ritmo do jazz.

As redes são muito simples. As redes são conversações. Falei muito disso no Marketing Hacker, um blog que se tornou antológico num momento em que a internet era moleque. Os mercados são conversações. Falar é fácil e o silêncio é fatal foi meu mantra na virada do milênio. Foi nesse momento que a internet deu uma guinada. A bolha tinha estourado. Os pets shops virtuais não passavam de uma promessa não realizada. Enfim, as pessoas eram mais importantes do que a cultura de massa.

A conversação foi catalisada. As pessoas se apropriaram dos blogs, do gmail, do MSN, do delicious, youtube, flirck, torrents... sei lá quantas outras redes estão sendo construídas a cada momento. A rede se auto-alimenta, se cruza, se miscigena. A rede mistura. Bem-vindo à cultura do remix. Os MCs não me deixam mentir.

Bem, isso não é novidade. Podemos perceber que "alguma coisa acontece no reino da Dinamarca". Alguma coisa que está modificando os rumos da economia, do trabalho imaterial, A distância entre as pessoas está a um clique. Um sinal verde do gtalk me indica quem da minha rede mais próxima está online. Falo com um monte de gente ao mesmo tempo. Fecho assuntos importantes, agendo um almoço, um jantar... e, converso com toda a equipe de trabalho. Tá todo mundo conectado.

O tempo é de mudanças. Ou morte. Logo, dito dessa forma. Sou pela vida. Pois, a vida não tem Undo

Costumava dizer que o compartilhamento de interesses e a preocupação com todos nos fazem mais humanos. Esse é o foco da ética hacker. Hoje, temos implementado em vários projetos essa rede de conversações. Miranos o futuro. Estamos ansiosos para viver um mundo melhor. Esse deveria ser o legado da sociedade contemporânea. O tempo é de mudanças. Ou morte. Logo, dito dessa forma. Sou pela vida. Pois, a vida não tem Undo.

A vida é diferente daquela que aprendemos a viver. Longe das baboseiras impostas como grandes verdades. Estamos rompendo paradigmas e mostrando que existe vida inteligente fora do contextual capitalismo selvagem. Tem gente que acha que isso é utopia. A nossa utopia! Eu creio, tu crês ser realidade... só por prazer... As pessoas estão conectadas. Estão conversando.

O mundo já mudou. O passado mora no ICQ. Quem quiser viver no futuro deve deixar seus pertences no Matrix. Tomar as pílulas vermelhas, e cair na real. Sem broadcast para nos escravizar, sem ferramentas de marketing para nos idiotizar. Quero ser feliz. Conversar com todos os seres escondidos atrás dos seus monitores coloridos. Para isso... vamos falar... mas falar até secar nossas gargantas... e ouvir sem preconceito a voz das pessoas. Aprendendo e ensinando para buscar um mundo melhor. Essa é a promessa da web. Let’s go, man!

Mais:

Dalton Martins e Hernani Dimantas assinam, no Caderno Brasil, a coluna Sociedade em Rede. Edições anteriores:

O paradoxo do real
Somados os percursos, teremos reconstituído uma pluralidade de mundos dentro de um mesmo e único mundo. Ou como escreveu Borges: "... sentia que o mundo é um labirinto, do qual era impossível fugir, pois todos os caminhos, ainda que fingissem ir ao norte ou ao sul, iam realmente a Roma"

A era das trocas par-a-par
Na virada do século, o desenho das redes na internet passou por uma grande transformação. Ao invés da subordinados a um servidor, os computadores e seus usuários passaram a falar uns com os outros. A mudança abriria um leque de possibilidades — inclusive no terreno da Educação

A cultura hacker
Confundidos propositalmente, pelo pensamento conservador, com invasores de rede, hackers somos todos os que agimos para que informações, cultura e conhecimento circulem livremente. E esta ética de cooperação, pós-capitalista, vai transbordando do software livre para toda a sociedade

Em busca da ativação
Desenvolvido desde 2002, método simples e instigante quebra barreiras em relação às redes sociais on-line e cria, em comunidades e instituições, ambientes de colaboração e compartilhamento. Prática revela como é tênue a diferença entre a presença "virtual" e a que se dá "em carne e osso"

Caminhos da revolução digital
Apesar de dominante, o capitalismo não consegue mais sustentar a lógica de acumulação e trabalho. Seus principais alicerces — a economia, a ética burocrática e a cultura de massas — estão em crise. Com a internet florescem, em rede, novas formas de produzir riquezas, diálogos e relações sociais

O desafio do Open Social
Em nova iniciativa supreendente, o Google sugere interconectar as redes sociais como Orkut, Facebook e Ning. Proposta realça sucesso dos sistemas que promovem inteligência coletiva e convida a refletir sobre o papel da individualidade, na era da colaboração e autorias múltiplas

Multidões inteligentes e transformação do mundo
Esquecidas na era industrial, mas renascidas com a internet, as redes sociais desafiam a fusão entre o poder e o saber, permitem que colaboração e generosidade sejam lógicas naturais e podem fazer da emancipação um ato quotidiano

Por trás dos links, as pessoas
Há dois séculos, a ciência descobriu e passou a analisar as redes. Há vinte anos, elas estão revolucionando o jeito de a sociedade se relacionar consigo mesma



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Alternativas ao Modo de Vida Ocidental
» Conhecimento Compartilhado
» Rumos da Internet
» Sociedade em Rede


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos