Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» “Não esqueçam Julian Assange”

» Índia ocupa a Caxemira muçulmana

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

Rede Social


Edição francesa


» Population, subsistance et révolution

» Une nouvelle classe de petits potentats domine les villages

» Vers une « révolution agricole »

» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


LITERATURA

Palavra 25

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Mountolive
O que mais impressiona na engenhosa construção de “O Quarteto...” é a perícia com que Durrell, a partir de uma trama obscura, repleta de ambigüidades, racionaliza e vai contrapondo novos elementos para criar um universo perfeito que o leitor depois irá desvendar — e que irá surpreendê-lo
Aqui

Um final entediante
Ao extrair do inimigo sua força e sapiência, Pullman diminuiu o valor deste e, por conseqüência, o desfecho nada mais é do que uma vitória de Pirro, que não convence a ninguém
Aqui

Para apreender um significado
Carta a D. não é um livro que somente conta a história de um amor, é o registro de um significado. Um querer teorizar para si mesmo, ver de forma intelectualizada algo que o próprio autor percebeu que não poderia ser transformado em teoria
Aqui

Não sou anjo nenhum
Aqui

Rodrigo Gurgel - (18/04/2008)

Mountolive, terceiro volume de O Quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrell, é analisado por Luiz Paulo Faccioli. Sem esquecer de sublinhar os cochilos do tradutor e dos revisores, Faccioli comprova ser um leitor minucioso – mas que em momento algum deixa de se encantar com o “estilo primoroso de Durrell”, chegando à feliz conclusão de que a obra “sobreviveu à tradução”.

Não se pode dizer o mesmo de Philip Pullman, que, na opinião de Dida Bessana, transformou o último volume da trilogia Fronteiras do universo, intitulado A luneta âmbar, numa obra algo melancólica e de final entediante. Nossa articulista, inclusive, ao comparar os três volumes, salienta as discrepâncias encontradas na tradução.

Renata Miloni escreve sobre Carta a D., do filósofo André Gorz, um dos fundadores da revista Le Nouvel Observateur e conhecido por suas arrojadas análises do mundo do trabalho. Mais que uma confissão de amor, a reflexão de Gorz busca o significado do próprio ato de amar. E, segundo Renata Miloni, o livro é “uma homenagem ao amor compartilhado”.

Fechando nossa edição, trazemos o conto “Não sou anjo nenhum”, de Samara Leonel. A paixão que desperta um sentimento além do humano estaria, realmente, acima do bem e do mal? A narrativa de Samara Leonel talvez nos apresente algum tipo de resposta, talvez apenas confirme que o desejo e a morte podem estar mais próximos do que imaginamos.

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos