Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 23 de junho de 2022

» Por que direitos humanos não “pegam” nas polícias

» Erveiros e benzedeiras na linha de cura

» Equador: as razões da nova revolta

» Cinema: Corpo livre, corpo cativo

» 22 de junho de 2022

» Internet: da privatização ao possível resgate

» A mão e o gatilho dos assassinatos de Bruno e Dom

» Despejo Zero: a luta contra violações do direito à moradia

» Contra os fascistas, o Estômago!

Rede Social


Edição francesa


» Le Donbass apprend à vivre sans Kiev

» L'État de droit, une notion faussement neutre

» En Guyane, sous les pavés la Bible

» Etat d'urgence permanent

» De nouvelles routes pour le pétrole et le gaz

» Donald Trump s'épanouit en chef de guerre

» Le camp d'Hagadera au quotidien

» Les réfugiés, une bonne affaire

» Crimes et réformes aux Philippines

» Une étape vers la moralisation de la coopération internationale


Edição em inglês


» June: the longer view

» Putting internal displacement on the map

» The Trans-Amazonian Highway

» Bosnia-Herzegovina: three intertwined histories

» Energy interdependence

» Consider the croissant: a history of food fraud

» Brazil's trans-Amazonian highway of fire and mud

» Fate of a Chinese colony

» Bosnia: coexistence without reconciliation

» Sinn Féin extends its reach to Ireland's South


Edição portuguesa


» Mapeamento de uma arte político-social: "Untitled", de Paula Rego

» Assembleia-Geral da Outro Modo

» O problema da riqueza

» «Sangrar a Rússia»

» Vulnerabilidades territoriais: o que se pode aprender com a crise pandémica?

» O paraíso da inovação militarizada

» Mineração em mar profundo: para quê destruir os fundos oceânicos?

» O lado oculto das cimeiras da Terra

» Viagem ao fim da Transamazónica

» A Finlândia e a Suécia rompem com o ideal nórdico


LEGIÃO ESTRANGEIRA

Gaúcho pretende seguir carreira

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Ex-sargento do exército brasileiro, Luís da Costa, já lutou pelos interesses da França em dois países africanos

Maranúbia Barbosa - (19/05/2008)

Apesar de todas as adversidades, o gaúcho Luís da Costa (nome de guerra), 31 anos, há quase três anos na Legião Estrangeira, não pretende desligar-se do posto. Ele afirmou que assim que terminar o contrato vai pedir a renovação e, também, a cidadania francesa.

Costa, residente em Três de Maio (RS), decidiu entrar para a Legião depois de ter servido o exército brasileiro por sete anos como sargento. O gosto pelo serviço militar, a experiência e a excelente forma física fizeram com que ele fosse aceito de imediato no regimento de paraquedistas, na Córsega.

O gaúcho, que já integrou diversas missões de prevenção, afirmou que em nenhum momento pensou em desistir, pelo contrário. "As dificuldades me empurram para a frente". Ele contou que a experiência de estar em países africanos pobres, como o Djibuti, por exemplo, só engrandece. "A gente distribui água, ajuda nas campanhas de saúde. A população, de modo geral, recebe bem os legionários. O duro é ter que andar fardado, com uma mochila de sete quilos debaixo de um calor de 50 graus". A Costa do Marfim, segundo ele, é uma das missões mais delicadas e um dos lugares mais perigosos para os legionários. A política dos franceses no país e a rivalidade entre etnias fazem os legionários pisarem em ovos.

Mas na Legião "nem tudo é bomba", disse Costa. Ele ressaltou o contato entre as diversas nacionalidades. "Os companheiros são de países diferentes, cada qual com seus hábitos. Por incrível que pareça, existe mais camaradagem do que deslealdade", sublinhou.

Mais:

Mercenários brasileiros na Legião Estrangeira
Atraídos por salários, a chance de apagar o passado e aventuras, dezenas de brazucas alistam-se, todos os anos, no legendário exército de aluguel francês. Nossa repórter conseguiu deles revelações sobre a condição de soldados de um pátria alheia, em missões cujo sentido desconhecem

Legionários são heróis na França

Legionários são heróis na França Desde 1831, quando o exército mercenário foi criado pelo rei Luís Felipe, mais de 35 mil de seus membros já morreram, em dezenas de batalhas mundo afora



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Guerras
» Mercenários
» África


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos