Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Em Los Silencios, fuga para o não-lugar

Rede Social


Edição francesa


» Rwanda, retour sur un aveuglement international

» La riposte des exclus

» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »


Edição em inglês


» The making and unmaking of Brazilian democracy

» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


LEGIÃO ESTRANGEIRA

Gaúcho pretende seguir carreira

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Ex-sargento do exército brasileiro, Luís da Costa, já lutou pelos interesses da França em dois países africanos

Maranúbia Barbosa - (19/05/2008)

Apesar de todas as adversidades, o gaúcho Luís da Costa (nome de guerra), 31 anos, há quase três anos na Legião Estrangeira, não pretende desligar-se do posto. Ele afirmou que assim que terminar o contrato vai pedir a renovação e, também, a cidadania francesa.

Costa, residente em Três de Maio (RS), decidiu entrar para a Legião depois de ter servido o exército brasileiro por sete anos como sargento. O gosto pelo serviço militar, a experiência e a excelente forma física fizeram com que ele fosse aceito de imediato no regimento de paraquedistas, na Córsega.

O gaúcho, que já integrou diversas missões de prevenção, afirmou que em nenhum momento pensou em desistir, pelo contrário. "As dificuldades me empurram para a frente". Ele contou que a experiência de estar em países africanos pobres, como o Djibuti, por exemplo, só engrandece. "A gente distribui água, ajuda nas campanhas de saúde. A população, de modo geral, recebe bem os legionários. O duro é ter que andar fardado, com uma mochila de sete quilos debaixo de um calor de 50 graus". A Costa do Marfim, segundo ele, é uma das missões mais delicadas e um dos lugares mais perigosos para os legionários. A política dos franceses no país e a rivalidade entre etnias fazem os legionários pisarem em ovos.

Mas na Legião "nem tudo é bomba", disse Costa. Ele ressaltou o contato entre as diversas nacionalidades. "Os companheiros são de países diferentes, cada qual com seus hábitos. Por incrível que pareça, existe mais camaradagem do que deslealdade", sublinhou.

Mais:

Mercenários brasileiros na Legião Estrangeira
Atraídos por salários, a chance de apagar o passado e aventuras, dezenas de brazucas alistam-se, todos os anos, no legendário exército de aluguel francês. Nossa repórter conseguiu deles revelações sobre a condição de soldados de um pátria alheia, em missões cujo sentido desconhecem

Legionários são heróis na França

Legionários são heróis na França Desde 1831, quando o exército mercenário foi criado pelo rei Luís Felipe, mais de 35 mil de seus membros já morreram, em dezenas de batalhas mundo afora



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» França
» Guerras
» Mercenários
» África


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos