Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


LITERATURA

Palavra 27

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Ficção Científica: sobre nós e nossa condição
Lá fora, nos Estados Unidos e na Europa, a ficção científica já saiu da infância há muito tempo. A zona de sombra, a zona do crepúsculo, a Twilight Zone da incerteza aumenta cada vez mais. Os tons de cinza estão cada vez mais ricos. E é nessas frestas entre os tentáculos da besta que a ficção científica atual tem encontrado seu nicho
Aqui

O bestiário do Cristo
Sem a desconfiança dos primeiros homens da Igreja, ciosos em preservar o dogma cristão contra aquilo que identificavam como um vestígio das idolatrias pagãs, Charbonneau-Lassay vai buscar não só a interpretação religiosa, mas as numerosas fontes pagãs e o modo como os primeiros cristãos se apropriaram de antigos emblemas locais: a águia, o golfinho, a fênix, o íbis no Egito, o leão em Roma
Aqui

A casa no morro – Parte 1
Suponhamos um crime. O cenário: um bar na Zona Oeste de São Paulo, em alguma curva escura nos arredores da estação de trem da Lapa. Seria uma hora qualquer muito próxima das duas da manhã, hora em que a dona do bar costumava fechar a casa. Ela, na verdade, a filha do dono. Uma mocinha miúda de cabelos muito encaracolados. Ela os amarrava em um rabo-de-cavalo e os escondia sob uma boina
Aqui

Se fosse ficção
Talvez a palavra resolva seguir ao lado da literatura, mas também se mantém sozinha, também é seu próprio alicerce. Apenas ela pode se narrar
Aqui

Rodrigo Gurgel - (03/05/2008)

Gênero literário ainda visto, infelizmente, com preconceito, a ficção científica analisa não apenas o futuro, mas, principalmente, a relação do homem com a tecnologia. Essa é a tese central do artigo de Fábio Fernandes, texto que aglutina história, escritores imortais, análise das escolas contemporâneas e reflexões argutas sobre uma literatura que, dentre outros méritos, obriga o leitor a olhar para muito além de si mesmo.

Pablo Simpson escreve sobre O bestiário do Cristo, a misteriosa emblemática de Jesus Cristo, reeditado em 2006 pela Editora Albin Michel, de Paris, em edição fac-similar, e que reúne 1.157 imagens feitas por Louis-Charles-Joseph Charbonneau-Lassay: cópias de iluminuras, insignes heráldicas, símbolos geométricos, emblemas de animais, peças arqueológicas, capitéis e pórticos de igreja – enfim, tudo que remeta, de alguma forma, à figura de Cristo, de indelével presença no imaginário ocidental.

“Manuel ainda olha para dentro uma vez, acompanha a porta de aço deslizando veloz e o ruído metálico que ecoa na madrugada. A rua toda vazia e ainda os outros que se afastam pela calçada porque não querem estar perto do que poderia acontecer” – Olivia Maia apresenta o 1º Capítulo de “A casa do morro”, o folhetim policial que ela publicará, no transcorrer das próximas semanas, neste Palavra.

Em “Se fosse ficção”, Renata Miloni transforma a literatura e as palavras em personagens angustiadas diante de pretensos escritores, alguns certamente histéricos, e de leitores fanáticos, mais interessados em formar pilhas de livros bem organizadas do que, propriamente, ler.

Até a próxima semana,

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos