Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


LITERATURA

Poemas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Pedro Marques - (09/05/2008)

O shopping acha meus
olhos desarmados

Mergulho em cada loja
aterrisso num outdoor
já garoto propaganda
aceno aos passantes

Lindo da vida, promocional,
no ritmo rock- tecno- pop
do coração cabide contente
de mais uma marca

***

Venha morar no seu sonho:

Drogaria 24h, Pronto-Socorro de gato,
playground, berçário, supermercado,
academia, uma piscina de facilidades
com segurança altamente adestrada

Entre nesse paraíso de tela-plana:

Um feudo armado até os dentes,
uma casa-grande dia e noite monitorada,
uma república higienicamente-burra,
uma grande família

***

O casal sente que vai me cruzar
e manda aquele beijo de língua

Pior que, às vezes,
tô até sem fome...

Dou de louco e passo reto

Diz que beijo opera milagres,
sei que é bom anti-mendigo

***

Porra-Louca metido a Greenpeace
draga sanduíche de atum,
pechincha colar de índio
que morre de amarelão,

nem sabe andar de bicicleta
e só passa fome quando fuma um

Namorou uma vitrine
que lhe vendeu uma sandália,

cada pé já foi um naco
de jacaré-do-papo-amarelo

Do livro Em Cena Com o Absurdo (1998), em fase de republicação.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos