Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?

» Offensive sur l'or noir africain

» Un Syrien sur cinq a quitté son pays

» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


LITERATURA

Poemas

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Pedro Marques - (09/05/2008)

O shopping acha meus
olhos desarmados

Mergulho em cada loja
aterrisso num outdoor
já garoto propaganda
aceno aos passantes

Lindo da vida, promocional,
no ritmo rock- tecno- pop
do coração cabide contente
de mais uma marca

***

Venha morar no seu sonho:

Drogaria 24h, Pronto-Socorro de gato,
playground, berçário, supermercado,
academia, uma piscina de facilidades
com segurança altamente adestrada

Entre nesse paraíso de tela-plana:

Um feudo armado até os dentes,
uma casa-grande dia e noite monitorada,
uma república higienicamente-burra,
uma grande família

***

O casal sente que vai me cruzar
e manda aquele beijo de língua

Pior que, às vezes,
tô até sem fome...

Dou de louco e passo reto

Diz que beijo opera milagres,
sei que é bom anti-mendigo

***

Porra-Louca metido a Greenpeace
draga sanduíche de atum,
pechincha colar de índio
que morre de amarelão,

nem sabe andar de bicicleta
e só passa fome quando fuma um

Namorou uma vitrine
que lhe vendeu uma sandália,

cada pé já foi um naco
de jacaré-do-papo-amarelo

Do livro Em Cena Com o Absurdo (1998), em fase de republicação.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos