Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Decifrando Bolsonaro

» Pós-materialismo: por uma política não-cartesiana

» Greta Thunberg e a escola do século XXI

» A Classe de Davos e como vencê-la

» Prepare-se para o ano Bernie Sanders

» Orientalismo: por que não enxergamos o Irã

» 1917: Mergulho no horror e dilemas da técnica

» As ideias perigosas que eles temem

» Polícia Militar, nascida para reprimir greves

» Roteiro para reinventar as cidades brasileiras

Rede Social


Edição francesa


» Ce que la génétique doit à l'eugénisme

» À la recherche de l'enfant parfait

» Au temps du terrorisme anarchiste

» Population kurde dans le monde

» Un grand peuple sans État

» Contestation à consommer pour classes cultivées

» Raymond Soubie, une éminence grise au service de la « réforme »

» Retour de la mal-vie dans le monde du travail

» Dialogue avorté entre Téhéran et Washington

» La tentation de l'apartheid génétique


Edição em inglês


» Ben Bella: ‘It protected us from hatred'

» Hicham Yezza on what went wrong for the UK's Labour Party

» The US and Iran: a long and bitter war

» As Australia's right tacks left on climate, the course is set

» The two souls of veganism

» January: the longer view

» Iranians united

» Luxembourg's multilingual geography

» Controlled by Ritalin

» The hero of Petliura Street


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?


LITERATURA

Uma fábula de paredes

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Enquanto espia o chuvisco sobre a folhagem da rua, não percebe como a memória apagou os sofrimentos e fechou as feridas. Restam só as imagens de terras exóticas que o fascinaram, lugares não raro ausentes dos mapas

Diego Viana - (09/05/2008)

A um certo estágio da evolução, aprendemos a arte de montar um teto. É para nossa segurança. Mas o teto, logo vemos, não fica suspenso por conta própria. Inadvertidamente, desenvolvemos no ato a técnica de erguer paredes, que sustentam o teto e ainda bloqueiam o vento.

No espaço que essas paredes delimitam, estamos seguros porque estamos em casa. Nessas paredes, penduramos quadros, apoiamos móveis e abrimos janelas. E as janelas nada mais são do que seções envidraçadas das paredes.

Talvez seja mesmo desses retângulos de cristal que venha o perigo. São um convite à imprudência para as almas, quando elas se põem a contemplar o exterior, onde se sucedem tempestades e estios. Acontece, às vezes, de um espírito cair de amores por essa infinitude indeterminada. Basta esquecer que, graças às paredes, ele tem seu nome, sua posição, seu endereço. É conhecido, reconhecido e caracterizado. É alguém, de tal jeito, como se sabe.

Se não tem juízo, a alma aproveita o primeiro dia ameno que lhe indica a janela. Transgride a soleira e vai se queimar ao sol. Descobre ribeiras e vales, cidades fantásticas, línguas estranhas. Toma trens com destinos que são nomes ilegíveis. Fotografa as paisagens, conversa com o maquinista na língua dos sinais e se faz entender.

Por quê?, se pergunta a alma, por que fui inventar de construir paredes? E dá seguimento a sua exploração, cigana, acumulando histórias e memórias.

Mas o espírito peregrino ainda habita o mesmo corpo. Está exposto, lançou-se no mundo aberto, onde as chuvas, de quem se espera que fustiguem, fustigam mesmo. Com a água, o vento que as paredes bloqueavam. E a lama, e o frio.

O viajante dá licença ao cansaço para trepar por suas pernas. Tudo que mais quer é o abrigo de um teto. Mas o teto ainda não fica suspenso por conta própria. A alma toma o rumo da cidade que, na carreira das perambulações, achou mais bela, mais enigmática e prenhe de novidades a explorar. Procura instalar-se por ali. Bem ao centro, eqüidistante das maravilhas todas. Encontra um espaço, um teto, como de hábito, sustentado por paredes. E as paredes ainda bloqueiam o vento.

No espaço que as paredes delimitam, o espírito se sente aliviado e se sente seguro. São paredes nuas, sem quadros, sem móveis. As paredes alugadas a um desconhecido, de cujo nome é difícil se lembrar. As janelas bem foram cortadas. Dão para um mar de histórias passadas, tormentas já sofridas e paisagens que se imitam umas às outras.

O primeiro móvel apoiado à parede é uma cristaleira de antiquário. Para resguardar a delicadeza da louça. Passa o tempo. O espaço assumiu a forma de uma personalidade bem delineada, que o visitante pode apreender no primeiro gesto do olhar.

Ali dentro, o espírito radicado contempla sua única, ampla janela, pensando em como as paredes vieram em seu encalço, embora essas sejam outras e tão diferentes daquelas. Enquanto espia o chuvisco sobre a folhagem da rua, não percebe como a memória apagou os sofrimentos e fechou as feridas. Restam só as imagens de terras exóticas que o fascinaram, lugares não raro ausentes dos mapas.

Na quina do silêncio, um certo impulso reacende. Empurra, de baixo para cima, o cansaço e o conforto. Ofusca o reconhecimento e a identidade. As próximas paredes se erguerão de outro material, em outro canto. Assim será, e assim deve ser, enquanto nos membros houver a força de construir.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos