Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 18 de maio de 2022

» Os deadbots e os limites éticos da tecnologia

» Por outra Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

» A Nave dos Loucos e os espaços da (des)razão

» WikiFavelas: O racismo religioso de cada dia

» 17 de maio de 2022

» As necessárias “heresias” de Lula

» A rebelião dos idiotas

» O arame farpado na existência dos Guarani-Kaiowá

» Por que a cracolândia funciona?

Rede Social


Edição francesa


» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction

» Le défi indien et le colonialisme blanc

» La participation des travailleurs : cote difficile à tailler


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


LITERATURA

Palavra 28

Imprimir
enviar por email
Compartilhe

Realismo na Roma Antiga
É possível imaginar que o sonho de Petrônio seria o de criar uma obra que não fosse uma imitação piorada do modelo, mas uma outra, capaz de expressar essa inadequação; para isso, optou por um gênero ainda pouco prestigiado, o romance, e de um estilo baixo, que não abrisse mão da paródia aos clássicos. O resultado é uma obra de caráter realista
Aqui

A casa no morro – Parte 2
Ao fim do percurso pude ver uma casa pequena – suja como tudo mais naquela região. Com o carro parado, Iuri abriu a porta e foi até um matagal amarelado na direção oposta da casa. Daquele lado o mato seguia até onde eu podia enxergar, mas por todos os outros era tudo uma terra seca e pálida. E a casa velha. Para trás dela era possível enxergar uma parte de um carro vermelho. O Escort.
Aqui

Poemas
Aqui

Uma fábula de paredes
Enquanto espia o chuvisco sobre a folhagem da rua, não percebe como a memória apagou os sofrimentos e fechou as feridas. Restam só as imagens de terras exóticas que o fascinaram, lugares não raro ausentes dos mapas
Aqui

Rodrigo Gurgel - (09/05/2008)

Em sua análise do Satíricon, David Oscar Vaz nos ensina que Petrônio foi muito além da sátira ou do sexo escrachado. Há intertextualidade e um evidente diálogo com a poesia homérica nesse precursor do romance naturalista. Em sua cuidadosa leitura, Vaz se utiliza de uma lupa singular, capaz de ver não só o macro, mas também os detalhes que justificam o fato de Satíricon ser uma obra memorável.

Olivia Maia dá continuidade ao seu “A casa no morro”. Neste segundo capítulo, os policiais entram em cena – e a desolada paisagem da periferia paulistana contribui para o clima até agora taciturno do conto. Mas os ferimentos na mão de Joana, isso é o que mais intriga este editor.

Os poemas de Pedro Marques são marcados de uma sutil, mas impiedosa crítica social. O consumismo, a propaganda, as ilhas de segurança em meio à surda guerra civil brasileira – variados temas servem a essa poesia ferina, importuna, que expulsou de si qualquer lirismo.

O que fascina, o que acalenta, o paraíso que a memória recupera em busca de um consolo – nada disso pode ser encontrado nos mapas, nos guias. Convidado, dia após dia, a reconstruir seu pequeno mundo, o homem cuja coragem permanecerá eternamente incógnita é o protagonista da crônica de Diego Viana.

Boa leitura e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos