Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Les damnés de Las Palmas

» Vers une recherche pharmaceutique sans brevets

» Le manifeste qui a failli changer l'Amérique

» Hummocks, sentinelles de notre planète

» Gaz et litige frontalier

» Diaspora libanaise

» Liban : comparaison régionales

» Communautés religieuses au Liban

» Empereurs des médias, de Springer à Murdoch

» « L'Avenir prisonnier »


Edição em inglês


» Back to the JCPOA?

» China's outlaw armada

» Timidity in New Zealand

» November: the longer view

» The defeats of Golden Dawn

» Border tensions

» China: its rise and rise

» China leads the 5G race

» South Korea's feminists fight back

» The biosecurity myth


Edição portuguesa


» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal

» Requisição civil

» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA


ANGOLA

O alto preço da paz

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Augusta Conchiglia - (28/05/2008)

1884-1885. Graças ao apoio britânico, Portugal obtém a confirmação, na Conferência de Berlim, de seu controle sobre diversos territórios africanos, inclusive Angola

1956. Fundação do Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA)

1957. Holden Roberto cria a União das populações do norte de Angola, que dará origem a Frente de Libertação Nacional de Angola (FLNA)

4 de fevereiro de 1961. O MPLA desencadeia a luta de libertação nacional

1964. Jonas Savimbi deixa o FLNA e cria a União Nacional pela Independência Total de Angola (Unita)

25 de abril de 1974. Revolução dos Cravos em Portugal e queda da ditadura Salazar. Fim do império colonial português

1975. Acordo ineficaz assinado entre os três movimentos de libertação. FNLA e Unita são sustentados pela África do Sul e os Estados Unidos e o MPLA, pela União Soviética. Início da guerra civil

Primavera de 1975. A África do Sul invade o sul de Angola para apoiar uma ofensiva da Unita contra o MPLA e é derrotada por expedicionários cubanos. Em 11 de novembro, o MPLA proclama a independência de Angola

10 de setembro de 1979. Morte de Agostinho Neto, líder MPLA. José Eduardo dos Santos assume o partido e o governo

22 de dezembro de 1988. Em Nova Iorque, acordo entre Angola, Cuba e África do Sul estabelece a retirada das tropas cubanas do país e a independência da Namíbia

29-30 de setembro de 1992. Eleições legislativas e presidenciais. Vitória do MPLA. Savimbi relança a guerra civil

20 de novembro de 1994. Em Lusaka é assinado um acordo de paz entre o governo angolano e a Unita, prevendo a formação de um Governo de Unidade e Reconciliação Nacional (GURN)

Dezembro de 1998. A Unita reinicia a guerra civil. O pano de fundo é a crise na República Democrática do Congo. O governo de Angola havia enviado tropas para colaborar com a manutenção do presidente congolês Laurent-Désiré Kabila.

2002. Assassinato de Jonas Savimbi. Acordo de cessar-fogo assinado em Luanda.

Dezembro de 2003. O V Congresso do MPLA reelege seu presidente, José Eduardo dos Santos, por mais cinco anos.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Angola
» Desigualdades Internacionais
» Petróleo
» África

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos