Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Le devoir de paresse

» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


AGRICULTURA - 1

Etanol. a nova euforia dos produtores norte-americanos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dominique Baillard - (28/05/2008)

“Toda manhã eu bebo um copo de etanol quando acordo”, brincou o republicano John McCain, candidato à presidência dos Estados Unidos. A declaração de campanha é de um senador que, até 2006, foi um ferrenho opositor dos biocombustíveis e das subvenções que mantêm o ímpeto desta indústria nascente, baseada principalmente no milho. Mas, para ganhar a confiança de seu partido, foi fundamental defender a causa do etanol nos estados rurais do Meio-Oeste. Entre os democratas, Hillary Clinton também se converteu às perspectivas promissoras do cultivo e o senador Barack Obama foi muito incisivo na sustentação do produto.

O engajamento do conjunto da classe política americana em torno dos biocombustíveis é ponto pacífico num país onde esta indústria constitui um elemento-chave da soberania estratégica.

A produção cresceu 25% somente no ano passado para satisfazer a nova demanda, inclusive internacional. Em 2006, a cotação do milho atingiu uma forte alta após as companhias petrolíferas abandonarem o combustível MTBE1, muito poluente, para aderirem ao etanol. Um novo aumento foi registrado no final de 2007, quando o Congresso americano votou a lei sobre energia.

Em 2008, a cotação poderá disparar novamente. Entre alimentar os porcos criados na China e encher o tanque dos motoristas americanos, a escolha parece quase óbvia. Além disso, a evolução dos preços inicialmente vai alimentar a concorrência entre a soja e o milho, mas com o tempo, a superfície plantada de cereais com vocação alimentar corre o risco de ser comprometida pelos grãos destinados à fabricação de combustíveis.

O MTBE (éter de metila e butila terciária) é um aditivo derivado dos produtos petrolíferos que era adicionado à gasolina nas refinarias americanas. Considerado muito nocivo para o meio ambiente e a saúde, foi substituído pelo etanol.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos