Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» Portugal, o novo alvo da extrema-direita

» E quando nos levantaremos contra os rentistas?

» “Quem tá na rua nunca tá perdido”

» Eles querem organizar a população de rua

» Municipalismo, alternativa à crise da representação?

» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

Rede Social


Edição francesa


» En dehors de la « Petite Europe » d'autres débouchés s'offriront aux produits tropicaux

» Dans le domaine agraire il serait dangereux de vouloir brûler toutes les étapes

» L'expérience de M. Fidel Castro pourrait être mise en péril par une socialisation trop rapide de l'industrie cubaine

» Au Japon, le ministre de la défense s'inquiète

» Les soucoupes volantes sont-elles un sous-produit de la guerre froide ?

» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


VICE-VERSE – 3

Dois poemas de Erín Moure

Imprimir
Enviar
Compartilhe

No terceiro número de nossa seção dedicada à tradução de poesia e prosa em língua inglesa, coordenada pela jornalista e tradutora Marina Della Valle, apresentamos dois poemas de Erín Moure

Virna Teixeira - (30/05/2008)

Erín Moure nasceu em 1955, em Calgary, Alberta, e vive em Montreal, Quebec. É poeta e tradutora (do inglês para o francês, espanhol, galego e português). Publicou mais de 12 livros de poesia. Os dois poemas apresentados aqui fazem parte do seu último livro, O Cadoiro, que dialoga de forma contemporânea com as cantigas medievais galego-portuguesas (Editora Anansi, 2007).

***

Some hands are slicing potatoes in the kitchen.
I am alone in the streets of Lisbon.
The cobbles are kicked up
fractured, the hands keep cutting potatoes.

The player falls dead on the field;
for a moment, pain’s syncope, then nothing!
The hands in the kitchen cut potatoes.
Potatoes come from the earth!
Far earth. Earth below Lisbon.
Pain like that is surprising
but doesn’t last. last long.

Sea.

*

Algumas mãos fatiam batatas na cozinha.
Estou sozinha nas ruas de Lisboa.
Os ladrilhos estão desalojados
fraturados, as mãos continuam cortando batatas.

O jogador cai morto no campo;
Por um momento, a síncope da dor, então nada!
As mãos na cozinha cortam batatas.
Batatas vêm da terra!
Terra distante. Terra abaixo de Lisboa.
Dor como aquela é surpreendente.
Mas não dura. dura muito.

Mar.

***

Lisbon is sleeping;
the spaces under the staircase breathe like
a lung.
The loneliness inside horse-drawn vehicles
was transferred to us on their demise.
Rain falls into the Tejo.
Reverence waits in the streets
and on the roof tiles.

The city of Lisbon is asleep.
The Phoenician city is asleep and the Roman city is asleep
It is Sunday and the city of Lisbon
breathes like a lung
breathes like a lung
asleep on its side

a dog asleep on its side in a house in the Lapa
a chandelier on its side in the Bairro Alto.

*

Lisboa está dormindo.
Os espaços debaixo da escada respiram como
um pulmão.
A solidão dentro de carruagens Foi transferida para nós por legado.
Chuva corre para o Tejo.
Reverência espera nas ruas
E sobre as telhas.

A cidade de Lisboa está adormecida.
A cidade fenícia está adormecida e a cidade romana está adormecida
É domingo e a cidade de Lisboa
respira como um pulmão
respira como um pulmão
adormecida de lado

um cão adormecido de lado em uma casa na Lapa
um candelabro de lado no Bairro Alto.

***

Os poemas de Erín Moure foram traduzidos e publicados com permissão de House of Anansi Press Inc. e da autora.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos