Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

Rede Social


Edição francesa


» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


Opiniões de quem está na luta

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Barbara Vilain, Violaine Lucas - (24/06/2008)

“Até o momento, esta União Européia tem um caráter bastante neoliberal, mas em vez de nos contentarmos com lamúrias, deveríamos nos dedicar a participar da construção concreta dessa realidade. O projeto da Cláusula da Européia Mais Favorecida é um instrumento (...) político que nos permite trabalhar do exterior para o centro e reproduzir boas práticas existentes e testadas.”

- Elfriede Harth (Alemanha), representante na Europa das Católicas pelo Direito de Decidir.

“Freqüentemente, as boas leis, ainda que essenciais, não são suficientes para melhorar a condição das mulheres: elas acabam tornando-se letra morta se não forem acompanhadas por mudanças profundas nas relações sociais. Nós vivemos um momento muito crítico da história, de regressão em relação ao século 20. Isso não vem apenas de nossos governos, mas da própria sociedade, e é necessário partir dela. Não basta conquistar a maioria nos Parlamentos para obter as melhores leis: trata-se, antes de mais nada, de reconquistar a alma e a imaginação das mulheres.”

- Luciana Castellina, co-fundadora do jornal Il Manifesto, antiga deputada do Partido Comunista Italiano (PCI) e da Rifondazione Comunista (Refundação Comunista).

“Comparar as leis em todos os países da União européia é um trabalho muito importante. Mas, ainda que a lei espanhola sobre a violência contra as mulheres, por exemplo, seja uma das melhores na Europa, parece-me que seria preferível fazer da Cláusula da Européia Mais Favorecida um exemplo de lei ideal, uma espécie de ‘sonho tornado realidade’ que consideraria todos os aspectos de um ponto de vista feminista.”

- Tanja Auvinen, secretária geral da Nytkis, coalizão das associações feministas finlandesas.

“Acho que essas regras deveriam ser formuladas pelas próprias mulheres, já que as leis existentes não podem nunca ser as melhores possíveis. Por exemplo, o ideal seria não haver nenhuma lei sobre aborto, e considerá-lo como um procedimento médico normal coberto pelas leis e regras sobre a medicina em cada país.”

- Rebecca Gomperts, presidente-fundadora da Women on Waves (Mulheres sobre as Ondas), associação holandesa que pratica abortos em um navio ancorado nas águas internacionais ao largo dos países em que a Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) é proibida.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos