Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Aos super ricos, os super genes?

» A Ideologia da Mineração está em xeque

» Orçamento 2020 expõe o Bolsonaro das elites

» A esquecida questão da desigualdade energética

» Crônica de Cuba, em incerta transição

» “Direitos Já”: Uma perigosa contradição

» Cinema: Espelhos deformantes

» As mentiras da ciência a serviço do mercado

» Anatomia da próxima recessão global

» Passo a passo para frear a devastação da Amazônia

Rede Social


Edição francesa


» Les beaux jours de la corruption à la française

» Parler français ou la « langue des maîtres » ?

» Au Portugal, austérité et contestation

» Le piège du 11-Septembre

» Quand la gomme arabique fait tanguer l'Amérique

» Au Kosovo, la « sale guerre » de l'UCK

» L'école publique à l'encan

» Le régime de Khartoum bousculé par la sécession du Sud

» Les apprentis sorciers de la retraite à points

» Hongkong dans l'étau chinois


Edição em inglês


» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible

» Arms sales: the Swedish model

» Soft power influence in the Arabian Gulf

» Life with bribes and kickbacks


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


LITERATURA

Pêlo amargo na narina

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Ainda não havia feito a barba. Áspera. E, na narina, aquele pêlo. Pirata. Não, não era seu aquilo. Um pêlo que crescia de dentro pra fora, a incomodar-lhe, a roçar-lhe o buço, a lembrar-lhe a existência, minuto a minuto, a roubar-lhe tempo

Teresa Candolo - (06/06/2008)

Um coração apressado, vítima de si mesmo.

---------------------

Lutércio andava sobressaltado com o rumor das coisas. Trens atropelavam-se em sua cabeça – fraca.

–- Cadê o café? Deus, não encontro nem a cafeteira!

E derrubava-a.

O vidro do recipiente quebrava-se, estilhaçava-se no chão, a paciência de Lutércio esgarçava-se – subia ao teto e voltava, para reunir os cacos do vidro. Corte nos dedos. Sangue. E o olhar vidrado de Lutércio: ansiedade na vida, ansiedade em fazer, ansiedade em se livrar.

Era isso – pressa. Pressa misturada de angústia, um medo enorme que travava a garganta de nosso amigo.

(Embora Lutércio não soubesse que tinha amigos. E amava – desesperadamente. Mas achava que ninguém sabia disso.)

–- Deus, como resolver as coisas hoje?

E as coisas embolavam-se. Subiam umas nas outras, tapavam-se, reapareciam, agigantavam-se; e Lutércio lutava sozinho para apequená-las, dar-lhes um lugar, um só, no redemoinho que o envolvia.

–- Me tira isso, essa incapacidade que me prende o nó na garganta o tempo todo! Deus, para quando um alívio?

Era o vidro esmagado do frasco, papéis amarrotados na mesa, a roupa esticada com as mãos, na tentativa de brigar com alguém. As mãos machucadas, nervosas, inquietas.

Lutércio roía as unhas. Já havia apequenado todos os dedos. Roía agora a pele também. Roía os seios de si. Os seios, que poderiam ser belos, quase femininos. Seios num homem. Disparates. Chutes.

(É dado acaso ao homem o prazer de seios?)

Seus seios eram seus alvos. A pele, manchada de vergalhões, maculada. As manchas surgiam à noite, quando ficava mais nervoso. São as veias que se rompem – um médico dissera. Mas Lutércio não dava trela. Queria mesmo que lhe cosessem veias mais internas. Outras.

O amor – que postergava – não lhe condizia, pensava.
(Como viver esse amor se ele ainda não conseguia “viver” simplesmente?)

–- Humpf! Café amargo. Turco.

Essa coisa de café e filtro não funcionava naquelas mãos trêmulas. Tateava no balcão da cozinha qualquer coisa que quebrasse o amargor. Os dedos tiritavam na pedra fria, mas era uma manhã quente.

Ainda não havia feito a barba. Áspera. E, na narina, aquele pêlo. Pirata. Não, não era seu aquilo. Um pêlo que crescia de dentro pra fora, a incomodar-lhe, a roçar-lhe o buço, a lembrar-lhe a existência, minuto a minuto, a roubar-lhe tempo.

Tempo raro, de pensar, de resolver coisas. (Ou de tentar.)

E pior: fazia-lhe cócegas!

–- A pinça, pensou. Onde está?

Não, não estava. As mãos de Lutércio precipitavam-se. Ânsia de se livrar. Ânsia de resolver. Mãos que querem cortar, diminuir, extirpar.

(É preciso apacientar-se pra um dia afagar.)

Uma luta.

–- Carolina, a pinça?
–- Não sei, não, querido...

Aquela voz musical. Dava nos nervos. Não soava como devia, ressoava. Ecoava na sua cabeça, entre as coisas do dia. Da semana. Do ano. Esferas gigantes, pesadas, trombando e, entre elas, ecos musicais.

Era melhor fazer a barba.
Sangue. Lâmina. E o nervosismo incontido nos dedos instrumentadores.

–- Carolina, já vou.
–- Bom dia, querido.

---------------------

Pêlo amargo na narina.
Manhã.
Café, sombras, e uma trava enorme dentro de si.
Um homem-cruz, a trava enviesada.
Não há sangue que detenha o amargor.



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Cultura
» Literatura
» Seção {Palavra}


Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos