Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

Rede Social


Edição francesa


» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris

» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde


Edição em inglês


» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


LITERATURA

Palavra 33

Imprimir
Enviar
Compartilhe

Um presidente negro que a história esqueceu
Se tivesse nascido uns trinta ou quarenta anos antes, Lobato provavelmente teria sido convidado para fazer parte da Fabian Society, que tinha entre seus membros H. G. Wells e Bernard Shaw, pregava o socialismo científico ou utópico e previa o progresso da humanidade por meio da ciência
Aqui

A lira múltipla de Lope de Vega
Lope Félix de Vega Carpio, chamado por Miguel de Cervantes de “monstro da natureza”, é um caso singular de fertilidade criativa
Aqui

A morte contemporânea
Em “Ruído branco”, tecnologia e consumo são citados em profusão, e não apenas como parte do modo de vida prático, mas como elementos com que os personagens também criam ligações íntimas de pavor ou fascínio
Aqui

A pequena e valiosa glória dos prêmios literários
No caso de Joanna Kavenna, apesar de ter 34 anos, foi preciso um amadurecimento de sete romances terminados e rejeitados pelas editoras para que finalmente tivesse um reconhecimento
Aqui

Rodrigo Gurgel - (13/06/2008)

Abrimos esta edição com um dos mais imprescindíveis nomes não apenas da nossa literatura, mas do pensamento brasileiro: Monteiro Lobato. Em fase de releitura, graças à reedição de sua obra completa pela Editora Globo, Lobato, mais que imprescindível, é vital. Fábio Fernandes analisa O presidente negro, estranha obra de futurologia, e nos oferece um pouco da inteligência, do estilo e da ironia de Lobato, esse gênio inquieto, insatisfeito com seu próprio tempo, com seu país, mas sempre pronto a dar o máximo de si mesmo.

E já que estamos falando dos clássicos, Marco Catalão, em sua coluna Vozes hispânicas,escreve sobre Lope de Vega e traduz alguns de seus poemas. O espanhol que enfrentou todos os gêneros – a épica, o drama, a narrativa, a lírica – e submeteu-os a uma fecundidade literária impressionante sofre de um mal terrível em nosso país: escassez de traduções. Aliás, como sói acontecer na terra da Bruzundanga.

Marco Polli dedicou-se à leitura de Don DeLillo, especificamente de seu romance Ruído branco. Ao ler a resenha de Polli, lembrei-me imediatamente de American beauty, de Sam Mendes, e sua crítica implacável ao american way of life. Talvez os dois, livro e filme, respectivamente de 1985 e 1999, possam resumir o exagerado culto à superficialidade e ao consumismo – que, aliás, não é apanágio somente dos norte-americanos.

A escritora Joanna Kavenna – que ganhou o Orange Broadband Award for New Writers 2008 por seu romance Inglorious – é objeto da atenção de Renata Miloni. Quantos escritores têm o pulso, a força de vontade e o equilíbrio emocional para ver sete romances rejeitados pelas editoras e, mesmo assim, não desistir? Joanna Kavenna surge não somente como um exemplo de tenacidade e de amor à escrita, mas também de que a verdadeira arte pede muito mais que a vulgar inspiração ou ter os pistolões certos nas editoras certas.

Boa leitura – e até a próxima semana.

Rodrigo Gurgel, editor de Palavra



Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos